Mury sofre inundação mesmo com pouca chuva

Cabeça d’água em Debossan chegou a 148mm, volume 7,4 vezes maior que o registrado no centro do distrito
quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
Posto de combustível em Mury ficou inundado (Foto de leitor)
Posto de combustível em Mury ficou inundado (Foto de leitor)

A cabeça d’água que caiu no alto da serra na noite desta quarta-feira, 27, fez Mury sofrer uma inundação com pouquíssima chuva. O temporal, que começou por volta das 21h, ficou concentrado na região de Debossan e Theodoro de Oliveira. O pluviômetro da concessionária Águas de Nova Friburgo instalado no reservatório da Estação de Tratamento de Água (ETA) em Debossan registrou, em uma hora, nada menos que 148 milímetros de chuva. O volume é 7,4 vezes maior do que a quantidade medida pela Defesa Civil de Nova Friburgo em Mury: apenas 20mm. A precipitação máxima registrada pelos pluviômetros da Defesa Civil foi no Caledônia: 75,45mm.

A chuva concentrada fez o Rio Santo Antônio subir rapidamente, transbordar e alagar ruas e casas em Mury. O trânsito na RJ-116 chegou a ser interrompido. O campo de futebol às margens da rodovia ficou completamente inundado. Moradores e comerciantes passaram a noite e a manhã limpando a lama deixada pela enchente. Também houve quedas de árvores e barreiras na estrada que dá acesso a Macaé de Cima, que chegou a ficar bloqueada durante horas. Apesar dos danos, não há desabrigados ou desalojados, segundo a Defesa Civil municipal.

O fenômeno, semelhante ao ocorrido no mesmo lugar há pouco mais de dois anos, em novembro de 2016, é o primeiro teste prático da ETA móvel que a Águas de Nova Friburgo instalou recentemente em Debossan para suprir a demanda e evitar interrupções no fornecimento de água em casos de chuvas torrenciais. A medida faz parte do plano de contingência adotado pela empresa diante de constantes problemas no abastecimento, como o que deixou parte de Friburgo sem água no fim do ano.

Relembre o caso de 2016

Em 12 de novembro de 2016, por volta das 22h de um sábado, uma cabeça d’água na cabeceira do Rio Santo Antônio, em Macaé de Cima, fez o volume de água do rio subir rapidamente e chegar a Mury com grande força. “Enquanto estávamos tirando tudo a água começou a subir e gerar correnteza. De repente a força da enxurrada foi tanta que levou metade da parede, arrebentou os fios de energia, causou um curto e quase morremos eletrocutados”, contou na época o sacoleiro Marcelo Lima Ferreira, dono de um depósito na Rua Oscar Augusto Ferreira, onde todas as casas ficaram inundadas.

Moradores passaram a  madrugada retirando lama e tentando salvar móveis e objetos atingidos pelo temporal. A Defesa Civil precisou vistoriar 60 imóveis.

Carnaval 2019 com chuva

De acordo com a Defesa Civil de Nova Friburgo, o tempo segue instável em todo o estado. O tempo irá variar entre parcialmente nublado e encoberto, com previsão de chuvas fracas a moderadas e, ocasionalmente, fortes e em pontos isolados da cidade a partir da tarde desta quinta-feira, 28.

Moradores de áreas de risco devem permanecer atentos aos avisos das sirenes e das mensagens de alerta enviadas pela Defesa Civil por SMS.  Quem ainda não recebe as mensagens do órgão, pode fazer o cadastro pelo número 40199, informando o CEP de onde mora. O telefone do órgão é 199.

 

LEIA MAIS

Tempo deve continuar instável em Friburgo até domingo, com temporais intermitentes

SenseApp poderá ser utilizado para prevenção de emergências em eventos de chuvas fortes

Estado do Rio está na rota crítica; volume maior é esperado para sexta, mas no sábado o tempo já deve melhorar

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: Clima