Mais Médicos: Friburgo recebe os dois últimos profissionais

Com a chegada desses, as 13 vagas oferecidas pelo programa no município estão preenchidas
segunda-feira, 07 de janeiro de 2019
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Mais Médicos: Friburgo recebe os dois últimos profissionais

Nova Friburgo recebeu nesta segunda-feira, 7, mais dois médicos que vão atuar nos postos de saúde da cidade através do programa Mais Médicos, informou a Secretaria Municipal de Saúde. Os profissionais devem começar a atender a população até a próxima quinta-feira, 10. Com a chegada desses médicos, as 13 vagas oferecidas pelo governo federal no município foram preenchidas, após saída dos cubanos em novembro passado.  

Em todo o país, começou o prazo para que os médicos inscritos na segunda chamada do programa se apresentem nos municípios onde irão atuar. A etapa ofereceu 2.549 vagas em 1.197 municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI). Ao todo, 1.707 profissionais com registro brasileiro escolheram as localidades, ou seja, 842 vagas não foram preenchidas no país. Os candidatos têm até quinta-feira, 10, para comparecerem aos postos.

De acordo com o Ministério da Saúde, os médicos que decidirem por não trabalhar no programa devem informar às prefeituras, que comunicarão a desistência ao governo federal. Ao término do prazo de apresentação, a pasta realizará um novo balanço das vagas, e as que não forem ocupadas serão recoladas no sistema, para que outros profissionais tenham nova chance de escolhê-las.

A próxima chamada do Mais Médicos acontece nos dias 23 e 24 de janeiro para profissionais brasileiros formados no exterior. Nos dias 30 e 31 de janeiro, os médicos estrangeiros terão acesso ao sistema. O governo recebeu 10.205 inscrições de profissionais brasileiros e estrangeiros formados no exterior (sem registro no Brasil) dispostos a participar do programa. O prazo para o envio da documentação dos profissionais se encerrou em dezembro de 2018 e estão em análise pela pasta.

Os profissionais vinculados ao Mais Médicos atuam na Estratégia em Saúde da Família (ESF) e recebem bolsa de R$ 11,8 mil, ajuda de custo inicial entre R$ 10 e R$ 30 mil para deslocamento até o município de atuação, além de moradia e alimentação custeadas pelas prefeituras.

“Não faltam médicos”

Ao assumir o comando do Ministério da Saúde, o médico Luiz Henrique Mandetta disse, na última quarta-feira, 2, que pretende revisar o Mais Médicos e rebateu a afirmação de que faltam profissionais no Brasil. Segundo ele, o país conta com aproximadamente 320 faculdades de medicina e 26 mil médicos graduados em 2018, com previsão de aumento desse contingente em 10% ao ano até chegar a 35 mil profissionais formados.

“Quem forma essa quantidade toda de profissionais? Muitos deles endividados pelo Fies [Fundo de Financiamento Estudantil] e muitos formados em escolas públicas. Não temos uma proposta ou política de indução para que eles venham para o sistema público de saúde”, afirmou o novo ministro.

 

LEIA MAIS

Ele a teria ofendido após encaminhá-la para atendimento em sua própria clínica particular

Novo governo estuda construir unidade anexa ao Hospital do Câncer, cujas obras estão paralisadas

Secretaria municipal de Saúde oferece 44 vagas com salário de R$ 1.100,33

Publicidade
TAGS: saúde