Mães tardias tiram vantagens da experiência, paciência e segurança

Educadora física friburguense Prissi Cordeiro comemora a felicidade do 2º parto aos 45 anos de idade
sábado, 12 de maio de 2018
por Dayane Emrich (dayane@avozdaserra.com.br)
Foto de capa
A chegada de Vitória, para alegria de Prissi Gustavo (Foto: Gisele Soares)

 

Por muito tempo acreditou-se que engravidar após os 40 anos era sinônimo de risco gestacional para as mães e para os bebês. Mas, além dos inúmeros avanços da medicina -- como o congelamento de óvulos e fertilização in vitro -- exemplos de mulheres que engravidaram naturalmente após essa idade têm mostrado que é possível, sim, passar por uma gestação sem sustos e sem abrir mão da carreira profissional e estabilidade financeira.

Com uma rotina acelerada e uma vida social bastante agitada, a friburguense Prissi Cordeiro é uma entre tantas mulheres que optaram pela gravidez tardia. Educadora física, ela trabalha com ginástica laboral em empresas, corrida de rua, de montanha, faz trabalho voluntário com idosos e atua como personal trainer em academias, além de praticar musculação, crossfit e corrida.

Apesar de já ter uma filha de 19 anos, chamada Yasmin, Prissi conta que a dedicação ao desenvolvimento profissional e a necessidade de estabilidade financeira foram alguns dos motivos que a fizeram adiar o tão desejado segundo filho. “Quando resolvi engravidar novamente eu já estava com 40 anos e com o casamento e a profissão estabilizada. Não tive dificuldade para engravidar, mas, logo depois que descobri estar esperando um bebê, sofri um aborto espontâneo, com 12 semanas”, revela.

Ela conta ainda que, na ocasião, descobriu alguns miomas no útero. “Tratei, fiz uma miomectomia, onde retirei seis miomas, um bem grande por sinal, com cerca de 15 centímetros, além de outros cinco de um centímetro. Me recuperei bem da cirurgia e, quando o médico me liberou, tentei engravidar de novo e consegui. Ma, a gravidez também não foi em frente e, com nove semanas, abortei espontaneamente”.

Por conta dos abortos, ela e o marido decidiram fazer novos exames. Além de testes de incompatibilidade, Prissi realizou exames para verificar se havia algum problema que a impedia de levar uma gestação em frente. “Estava tudo certo conosco. Me lembro que o médico falou que tínhamos duas opções: fazer uma inseminação artificial ou continuar tentando. Nessa época, eu já estava com 42 anos e sabia que, na altura do campeonato, de cada dez óvulos, apenas um é bom. E era essa a nossa probabilidade de conseguir. Praticamente como acertar na mega-sena”, conta, rindo.

A chegada da pequena Vitória

 Sem dinheiro para investir em inseminação artificial, o casal optou pela sorte e continuou tentando a gravidez natural. Com uma ajudinha divina e muita fé, como ela mesma conta, em julho de 2017, Prissi descobriu que estava, mais uma vez, grávida. E embora para muita gente a gravidez tenha sido aos 45 do segundo tempo, para Prissi, o momento não podia ser melhor. “Foi uma gravidez perfeita, maravilhosa, trabalhei até a véspera de ganhar a minha pequena Vitória, que nasceu no dia 23 de abril deste ano, cheia de luz”, conta, emocionada.

Questionada sobre os riscos da gravidez após os 40, Prissi esclarece que essa nunca foi uma preocupação. “As pessoas sempre me falavam que mulher após os 40 têm grande risco de ter filhos com síndromes mas, sinceramente, nunca pensei nisso nem tive medo”, afirma, explicando: “Além de procurar me alimentar bem, meu único cuidado foi, por causa da idade, deixar de fazer minhas atividades físicas, pois eram muito intensas. Passei a fazer apenas pilates e caminhada, e a experiência foi ótima. Não tive nenhuma dor muscular durante a gravidez”.

Em relação à diferença de ser mãe aos 20 e poucos e aos 40 e tantos, ela explica: “Acredito que tudo acontece na hora certa, no tempo de Deus. Ser mãe aos 45 anos é incrível. Comparando a quando fui mãe com 26, hoje estou muito mais experiente, paciente e segura. Estou muito feliz e grata”.

Realidade nacional

Como Prissi, cada vez mais brasileiras optam por ter filhos após os 40 anos. Um levantamento do Ministério da Saúde, divulgado no ano passado, mostra que o número de mulheres que foram mães após essa idade subiu 49,5% em 20 anos, passando de 51.603 em 1995 para 77.138 em 2015.

As estatísticas de 2015 mostram ainda que 72.290 dessas mães tinham entre 40 e 44 anos e outras 4.475 estavam na faixa etária dos 45 aos 49. Houve ainda 373 brasileiras que se aventuraram na maternidade após os 50; entre elas, 21 já eram sexagenárias quando deram à luz.

Famosas também embarcam na onda da gravidez tardia

E não é só no mundo das “reles mortais” que a preferência pela gestação após os 40 anos tem sido comum. Entre as famosas, a maternidade tem sido adiada ao máximo, na maioria das vezes também motivada pela busca pelo sucesso profissional. Na lista de personalidades que foram mães em uma idade em que a fertilidade feminina é colocada em xeque, há atrizes, apresentadoras e cantoras.

O anúncio da gravidez de gêmeos da cantora Ivete Sangalo, aos 45 anos, foi o que trouxe de volta à reflexão essa tendência social da mulher moderna. A famosa, que já era mãe de Marcelo, de 8 anos, deu à luz no dia 10 de fevereiro deste ano duas meninas: Marina e Helena. A cantora tentou até o último momento engravidar pelo método tradicional, mas acabou recorrendo à inseminação.

Mãe de primeira viagem, Karina Bacchi aos 41 anos (foto) recorreu à produção independente para realizar o sonho da maternidade. Nas redes sociais ela conta um pouco sobre seu dia a dia, detalhes da gestação e exibe fotos com o filho, Enrico, agora com 9 meses. Outra atriz que faz parte desse time é Dira Paes. Mãe do Inácio de 8 anos, ela conseguiu engravidar do segundo filho por meio da fertilização in vitro e Martin nasceu em outubro de 2015, quando a atriz tinha 46 anos.

Na lista das mamães quarentonas estão também a apresentadora Eliana, que ganhou sua filha Manuela no primeiro semestre de 2017; Carolina Ferraz, que engravidou de Anna Izabel aos 46 anos; e Luciana Gimenez, mãe do primogênito, Lucas, de 17 anos, e Lorenzo, 5, nascido em fevereiro de 2011, quando Luciana tinha 42.

Contrariando as probabilidades, a atriz Solange Couto é outro exemplo de que idade ideal para engravidar é algo relativo. Ela tem três filhos: Márcio Felipe e Morena Mariah, que já são adultos, e Benjamin, nascido em 2011, quando ela tinha 54 anos. E detalhe: Solange engravidou naturalmente.

 

 

 

Publicidade
Agora Faz
TAGS: