Lutador friburguense de jiu-jitsu conquista medalhas na Europa

Kleiton Teixeira trouxe cinco prêmios na bagagem
sexta-feira, 22 de novembro de 2019
por Thiago Lima*
Lutador friburguense de jiu-jitsu conquista medalhas na Europa

O lutador friburguense de jiu-jitsu Kleiton Teixeira, de 31 anos, participou no mês passado dos campeonatos Londres Open IBJJF, Roma Open IBJJF e o Europeu sem Kimono (No-Gi), e fez bonito. Ele trouxe para casa cinco medalhas internacionais, duas de segundo lugar em Londres, além de outra de segundo lugar e duas de terceiro lugar, em Roma. Nesta entrevista ele comenta seu desempenho. Confira.

AVS: Foi seu primeiro campeonato fora do Brasil?

Kleiton: Não. Eu já competi há dez anos na Argentina, quando era faixa azul.

Como foi essa nova experiência de ter lutado no exterior?

Foi bem bacana a experiência de vivenciar culturas diferentes, conhecer um pouco como os moradores vivem. Minha vontade era de estar ali, vivendo aquilo tudo para sempre.

Qual a sensação de voltar para casa com cinco medalhas internacionais?

Uma grande emoção. Foi gratidão mesmo. Eu não acreditava na possibilidade de ir lutar fora do país. É um processo muito caro, mas as coisas foram se encaixando de uma forma surpreendente.

Qual importância Nova Friburgo tem na sua carreira?

Eu nasci e cresci aqui, gosto muito dessa cidade. Só acho que a população precisa olhar e pesquisar mais sobre os atletas friburguenses, muitos possuem um grande potencial e não são tão reconhecidos.

Como e quando o jiu-jitsu entrou na sua vida?

Tem uns 11 anos que eu abracei o jiu-jitsu. Eu era fumante e bebia com certa frequência, porém, chegou uma fase que eu fiquei enjoado dessa rotina. Foi quando eu decidi entrar para as aulas de jiu-jitsu. Gostei bastante e nunca mais parei.

Qual era a sua profissão antes de se dedicar totalmente ao jiu-jitsu?

Eu trabalhava em uma confecção até uns quatro anos atrás e intercalava a carga horária do trabalho com meus treinos. Depois disso, me deu uma "louca", comprei alguns tatames, coloquei no porta-malas do carro e fui batendo de porta em porta nas escolas oferecendo aulas de jiu-jitsu. Atualmente dou aulas em alguns colégios e academias, sendo essa a minha renda principal.

Quando você decidiu começar a competir?

Eu tinha um psicológico muito ruim, não me achava capaz de competir e foram as crianças, do projeto social que eu tenho há cinco anos, que me incentivaram a competir. Graças a esse apoio estou aqui hoje.

Quais são as dificuldades enfrentadas no seu dia-a-dia, como competidor?

A parte financeira, sem dúvidas. É tudo muito caro nessa área.

Qual fato você considera mais marcante na sua carreira?

Acho que foi ter voltado a lutar após uma lesão que tive no joelho numa luta na cidade de São Paulo, em 2017. Eu rompi o ligamento e fiquei andando de muleta uns três meses e do nada eu voltei a treinar. Sem operar eu consegui voltar a lutar, mas estou na fila de espera para realizar a cirurgia até hoje. Nesses dois anos eu aprendi que o maior obstáculo que a gente tem, é a desculpa que damos para tudo, adiando as coisas por causa de uma chuva, por exemplo.

O que é o jiu-jitsu para você?

Hoje ele é tudo para mim. Eu treino e vivo o jiu-jitsu, isso mudou minha vida completamente.

Fale um pouco sobre seu projeto social...

O projeto é na laje da minha casa. Começou quando eu peguei a faixa roxa e tive um leve desentendimento com meu professor. Na época, mudei de professor e decidi abrir esse projeto, comprei placas de tatame com o dinheiro do meu PIS, coloquei-as na minha laje e fui perguntando para as crianças do meu bairro qual delas gostaria de treinar jiu-jitsu. Com um mês de atividades no projeto eu já tinha 40 alunos. Vendi meu carro, fechei o espaço para não molhar com a chuva, construí um banheiro e graças a Deus, estou conseguindo fazer cada vez mais melhorias nesse projeto.

Quais são suas próximas metas?

Participar dos campeonatos ano que vem e tentar realizar um plano, em junho, fazer um tour lutando o Espanha National, Londres National e o Alemanha National. Também gostaria de competir o Pan-Americano Sem Kimono (No-Gi), nos Estados Unidos.

Deixe um conselho para as pessoas que desejam investir nesta carreira

Acreditar, colocar Deus na frente de tudo, confiar no próprio potencial, que você é capaz. Não ficar esperando ter certa condição para realizar algo, pois ela não chega. A condição é você mesmo que cria. Tá difícil? Continue. Eu conquistei 18 pódios no ano passado e 14 este ano sem nenhuma condição para isso, porém, sempre foram surgindo ajudas ao longo do caminho. Precisamos lutar pelos nossos sonhos, nada cai do céu.

(* Texto do estagiário Thiago Lima, com supervisão de Henrique Amorim)

 

LEIA MAIS

Sem novo compromisso marcado, o friburguense, número 1 do ranking da categoria, elege Dominick Cruz como alvo na organização

Atleta de Nova Friburgo não poupou críticas aos elaboradores de rankings do UFC

Apesar de ter dominado duelo, atleta friburguense não teve o braço erguido ao final do combate

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: UFC