Lembrar dos triunfos do passado é a receita do Alunão para levantar a avenida

Escola passou por reestruturação de quadra e barracão e aposta na criatividade e talento das pratas da casa
sábado, 23 de fevereiro de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)

Sem imediatismo. Assim será o carnaval do Alunos do Samba. Com pé no chão, a escola tenta se reerguer. Em 2018, o Alunão, como é carinhosamente conhecida a agremiação, fez uma mudança em sua estrutura. A antiga quadra agora é o barracão, e o barracão agora é a quadra, recém-reformada.

Mesmo com as obras estruturais, a escola manteve o planejamento do carnaval e agora está ajustando os detalhes para contar na avenida os seus grandes triunfos no carnaval friburguense. “Nós vamos para avenida para emocionar. Nós temos a consciência de que para 2019 não temos como competir pelo título, mas estamos nos estruturando para isso. O nosso desfile vai ser a altura do friburguense e com muito respeito a todos”, explicou o escultor da agremiação, Ernesto Carvalho.

Superação é a palavra chave. De acordo com o escultor da escola, os problemas do ano passado ficaram pra trás. “Em 2018 fizemos um carnaval com a quadra embargada e por isso não estivemos à altura das outras escolas, principalmente por conta do investimento delas. Esse ano estamos melhores. Nossa quadra passou por reforma, nosso barracão está maior. Nosso carnavalesco é o Paulo Schimith e é um grande profissional, assim como o nosso presidente, Alessandro da Silva”.

Ernesto é o único escultor de isopor na cidade. O profissional, que realizou a primeira escultura em 1980 lamenta a ausência de investimentos e interesse na arte. “Lá no Rio existem muitas oficinas e a criançada aprendendo esse ofício. Eu tenho certeza que se tiver o incentivo aqui em Friburgo outras pessoas vão querer dar continuidade a esse trabalho. Eu comecei a trabalhar com escultura de isopor por acaso. Em 1980, a escola pediu m cavalo alado e não tinha, então eu fiz. Outras escolas são obrigadas a trazer as esculturas do Rio, nós não. Um exemplo claro: o símbolo da nossa escola é o Zé Carioca e não tem uma escultura dessa lá, então eu tive que fazer”, contou.

“Estou aqui no Alunão há 43 anos, vi a escola ganhar quatro vezes, a última em 1996. Além do Alunos, participei e desfilei por quase todas as escolas, somente a Saudade eu nunca fui. Também já participei da Viradouro, da Tijuca”, lembrou o escultor.

 

Ficha Técnica:

 

G.R.E.S. Alunos do Samba

Fundação: 02/02/1946

Cores: azul e branco

Símbolo: Zé carioca

Presidente: Alessandro da Silva Amorim

Diretor de carnaval:

Endereço: Rua José Ernesto Knust, 7, Conselheiro Paulino

Enredo: “Eu sou Alfa e Ômega. O início meio e fim. Venho exaltar minhas histórias de glórias”

Autor do enredo: Paulo Schimidt

Intérprete:  Tiago

Carnavalesco: Paulo Schimidt

Títulos: (12) 1947, 48, 50, 54, 55, 63, 64, 65, 87, 90, 95, 96

1º casal de Mestre Sala e Porta Bandeira: Luiz Russier e Thainá

2º casal de Mestre Sala e Porta Bandeira: Marquinhos e Nana

Bateria Terremoto da Serra: 120 componentes

Mestre: Arilson;

Rainha: Juceli

Classificação em 2018:  4º

Ordem do desfile de 2019: 1ª a desfilar

Posição: Rodoviária Leopoldina

Concentração: 19h

Horário do desfile:  21h – 22h15

 

A letra do samba:

 

Nasci, em um berço de cultura popular

Cresci, me tornei a pioneira a desfilar

O sol sorrindo no céu

O azul refletido no mar

Amada e feliz fluminense

Nasci friburguense e pude sonhar

A alegria de ser pentacampeã

Não desanimei, mesmo na dor

Na mudança, minha identidade se renovou

Talentos, histórias, memórias

Que representam a evolução

Do pandeiro, ao zé carioca

Tanto orgulho do meu pavilhão!

 

Alô brasil! Eu sou tupiniquim

É campeã! Eu pude festejar

“olha eu ai, cidade linda

O teu aplauso foi o que me fez voltar “

 

O índio e o negro, criam nossa aguardente

Bebe o rico socialmente, e o pobre pra esquecer

No bailar das minhas mãos, “arte e destruição”

Explosão de energia!

Bicampeã me consagrei! Da euterpe sou o rei

Dificuldades passei, aprendi a lição

A cada instante bate forte o coração

Me sinto honrada por ser a primeira

Azul e branco, imensa paixão

São as cores da minha bandeira

Em um terremoto de emoçao!

 

Memória feliz! Escola amada!

Sou o início, meio e fim

Orgulho de ser um celeiro de bambas

Prazer, sou alunos do samba

 

LEIA MAIS

Curiosa para saber quem era o sambista friburguense, jurada da atração do SBT usou jornal como fonte de pesquisa

Valcir Ferreira foi convidado para cantar sua marchinha de carnaval que brinca com fala polêmica da ministra Damares

Primeiro lugar no carnaval, escola fez grande festa em sua quadra com a presença da torcida

Publicidade
TAGS: carnaval