Justiça condena quatro homens por tortura a adolescente em Olaria

Vídeo que circulou nas redes sociais em 2017 mostra vítima sendo agredida a pauladas e entrando em convulsão
terça-feira, 22 de outubro de 2019
por Jornal A Voz da Serra
As imagens circularam nas redes sociais e foram divulgadas pela delegacia (Foto: 151 DP)
As imagens circularam nas redes sociais e foram divulgadas pela delegacia (Foto: 151 DP)

A 2ª Vara Criminal de Nova Friburgo condenou quatro homens por torturarem uma adolescente em uma trilha no Alto de Olaria, a mando de um traficante preso. A jovem atuava para o tráfico e tinha uma dívida com a organização criminosa. O crime aconteceu em 2017 e chocou a cidade. As agressões foram gravadas em vídeo e compartilhadas em grupos de WhatsApp e outras redes sociais. A jovem sobreviveu à violência. 

Maicon Ribeiro Cordeiro foi condenado a 14 anos de reclusão. Guilherme Pitta Torres; Rodrigo da Silva Bandeira, conhecido como Rufino; e Livaldo José da Silva, o Coroa; a 14 anos e 8 meses de prisão. Todos por tortura e corrupção de menores. Coroa já está preso e, embora custodiado, foi considerado o mandante do crime, liderando o tráfico de entorpecentes no bairro e dando ordens aos demais integrantes da facção criminosa na cidade. 

A tortura aconteceu em março de 2017. As imagens divulgadas nas redes sociais mostravam a jovem aterrorizada, sentada numa escada de terra batida, cercada por mato, segurando um celular sobre a cabeça. Ao redor dela, estava um grupo de seis homens. Um deles dá uma paulada na cabeça vítima. Em seguida, outro homem agride a jovem com vários socos no rosto. Segundos depois, o vídeo mostra a adolescente entrando em convulsão, debatendo-se no chão. Um homem tenta reanimá-la e a gravação é interrompida.

Na época, a perícia da Polícia Civil apurou que a tortura aconteceu em uma trilha na altura do número 44 da Rua Purus, no Alto de Olaria. No local, os agentes encontraram um porrete parecido com o que teria sido usado por um dos homens para agredir a jovem. A trilha é conhecida por agentes de segurança do município por ser muito usada por traficantes da região durante tentativas de fuga e também para esconder drogas.

Poucos dias após a divulgação das imagens, policiais militares do Serviço Reservado (P2), do 11º BPM, prenderam um jovem por tráfico, em Olaria, que ajudou a esclarecer o caso. Por ser do bairro, ele foi questionado pelos agentes sobre o vídeo e contou, informalmente, que a vítima seria responsável por transportar dinheiro para o tráfico. De acordo com o rapaz, a jovem perdeu uma quantia do dinheiro e, por isso, teria sido punida por ordem de Coroa.

O jovem preso pela PM ainda detalhou aos investigadores que, após as agressões, a menina foi colocada em um Corsa Sedan prata e foi retirada do bairro para “ocultação do corpo”. Ele ainda disse alguns nomes de outros homens que teriam participado da tortura na mata de Olaria. Um semana depois, dois suspeitos de torturarem a garota tiveram a prisão decretada pela Justiça. As investigações foram realizadas pela 151ª DP. 

Ao condenar os acusados, o juiz Marcelo Alberto Chaves Villas, afirmou que durante a ação penal foi apurado que a brutalidade sofrida pela garota decorreu de um acerto por prejuízo financeiro ocasionado à facção criminosa. “O delito foi cometido por motivação torpe, decorrente do prejuízo financeiro causado pela vítima à organização criminosa denominada Comando Vermelho, atuante no Alto de Olaria, pois aquela não efetuou a entrega de quantia monetária previamente acordada”.

A VOZ DA SERRA tenta contato com a defesa dos condenados. 

 

LEIA MAIS

Caso aconteceu contra menor de 14 anos dentro de supermercado em Olaria

Acusado atira em vizinhos após tentar atropelá-los e foge em seguida

Crime foi cometido em outubro de 2018, no distrito de Riograndina

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: crime