Guarda municipal socorre morador de rua

Homem teria se envolvido em confusão com mais duas pessoas e foi encaminhado para o Raul Sertã
quarta-feira, 10 de julho de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Moradores de rua em Friburgo: problema crônico (Arquivo AVS)
Moradores de rua em Friburgo: problema crônico (Arquivo AVS)

Na noite da última terça-feira, 9, a Guarda Municipal de Nova Friburgo ajudou a socorrer um homem em situação de rua na Avenida Alberto Braune, próximo a uma agência bancária. O homem se envolveu em uma discussão com outro homem e um transeunte que passou pelo local momentos antes e teria oferecido ajuda em forma de comida e bebida.

Segundo informações da prefeitura, o homem em situação de rua alegou não estar se sentindo bem e foi conduzido pela GM ao Hospital Municipal Raul Sertã, porque, segundo os oficiais, o Corpo de Bombeiros estava envolvido em outra ocorrência na ocasião e não dispunha de viaturas para o resgate do homem.

Ainda de acordo com a prefeitura, o homem em situação de rua passa bem e recebeu acompanhamento médico, sendo submetido a uma avaliação psiquiátrica. Após isso, o paciente, que não é de Nova Friburgo, será conduzido pelos assistentes sociais à sua cidade de origem que não foi informada, onde será acompanhado pelo Centro de Referência em Assistência Social (Creas) local.

“É importante salientar que a Secretaria de Assistência Social de Nova Friburgo vem, desde o último sábado, 6, em suas abordagens sociais, tentando convencer o homem envolvido na discussão a aceitar o auxílio que está sendo prestado no ponto de apoio aberto para ajudar as pessoas que estão em situação de rua em época de frio intenso, onde podem tomar banho quente, se alimentar, vestir roupas quentes e dormir. Contudo, desde então, ele tem recusado o convite”, finalizou a nota.

 

LEIA MAIS

Corpo foi encontrado na Rua das Pedrinhas, no loteamento Santa Bernadete

Em 2018, jornal colheu depoimentos de testemunhas, incluindo uma sobrevivente, que vivenciaram a história de Ibraim e Henrique de Oliveira

Agressões ocorreram por sete anos na casa da família, enquanto mãe das vítimas trabalhava fora

Publicidade
TAGS: crime