Grupos de troca de livros baixam gastos com material escolar em 60%

Pelas redes sociais é possível encontrar até uniformes usados
quinta-feira, 09 de janeiro de 2020
por Lyvia Stael (lyvia@avozdaserra.com.br)
Grupos de troca de livros baixam gastos com material escolar em 60%

 

Com o final das férias se aproximando, os pais já pensam no ano letivo que irá recomeçar logo no início de fevereiro. A volta às aulas costuma pesar bastante no orçamento das famílias. É a hora das famosas listas, cada vez mais caras, gastos com uniformes, material escolar e livros didáticos. Para não estourar o orçamento, as famílias buscam estratégias, algumas delas são a venda, troca e compra de livros didáticos e uniformes usados.

As compras do material escolar do começo de cada ano letivo são sempre um desafio, principalmente para quem deseja iniciar o ano fazendo economia. O aumento do material escolar entre 2019 e 2020 pode chegar a 8%. Na busca por alternativas para economizar, uma opção cada vez mais usada é procurar livros didáticos usados. Conversar com outros pais na própria instituição de ensino ou buscar grupos em redes sociais são algumas das táticas mais usadas. Outra ideia é organizar feiras, que podem ser realizadas na própria escola para promover as trocas.

Ao navegar pelas redes sociais é possível encontrar grupos para troca, venda e compra de livros didáticos e uniformes usados. Essa forma de economia sustentável consegue reduzir os gastos com o material escolar em pelo menos 60%. Em uma consulta às redes sociais foi possível encontrar seis desses grupos em Nova Friburgo, de doação, troca, venda e bazar de livros usados, no Facebook. Alguns realizam trocas e vendas para qualquer região do Brasil.

Os livros representam o maior gasto da lista de material escolar. Cada livro custa em média R$ 150. Em alguns segmentos escolares são pedidos até 12 livros. Na venda de usados, os livros podem sair até por R$ 20. De acordo com a realidade financeira de cada  família, o dinheiro economizado pode ser utilizado para o pagamento de outras contas de início do ano, como o IPTU e IPVA.

A escolha pelos livros usados é uma importante maneira, também, de conscientizar os filhos quanto à relação com o consumo e sustentabilidade. Eles passam a cuidar melhor dos livros por saberem que serão passados à frente, além de não se importarem mais com o fato de alguns trazerem anotações nas páginas. Quem compra e deixa o livro em casa, após o ano letivo, acaba acumulando ou jogando no lixo, porque as bibliotecas não aproveitam essa modalidade.

A professora Juliana Corrêa comprou os livros da filha Rafaela, que foi passou para o 6º ano, de outra mãe. “Todos os anos compro usados e doo os que foram usados pela minha filha. Este ano, cada livro saiu por R$ 30. Se fossem novos, iria gastar até R$ 2 mil”, diz a professora incentivando outros pais a fazerem o mesmo.

Pais que tem filhos em séries escolares diferentes podem realizar a troca. A empreendedora Ana Cecília Santos conseguiu aproveitar o material da sobrinha, duas séries acima da sua filha. “Herdei os uniformes e a maioria dos livros. Ainda bem que elas estudam na mesma escola, mesmo em séries diferentes. A escola mudou dois ou três livros, apenas. Foi uma grande economia”, comentou.

Para quem não encontrou os títulos que precisava com outros pais ou grupos virtuais, há chance de encontrá-los em plataformas ou sites, que reúnem sebos e livreiros de todo o país, com preços convidativos também. De acordo com os administradores, a economia média é de 52% em relação aos preços das livrarias.

 

LEIA MAIS

Programa do MEC concede financiamento a estudantes em cursos superiores de universidades particulares

Prefeitura também decide prorrogar suspensão das aulas presenciais até 31 de agosto e confirma início das atividades remotas em 3 de agosto

Quase 10 milhões de adultos pertencem a grupos de risco e moram com crianças em idade escolar

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: Educação