Galeria KM7 e Casa do Chico abrem temporada 2018 com duas exposições

Arqueiro e Victor Iervolino apresentam Organismos Pluricelulares e Objetos
quinta-feira, 22 de março de 2018
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
Uma das obras expostas (Foto: Regina Lo Bianco)
Uma das obras expostas (Foto: Regina Lo Bianco)

Neste sábado, 17, o espaço cultural Galeria KM7 que abriga também a Casa do Chico, dá início à programação de 2018, com dupla exposição, dos artistas Arqueiro, carioca, radicado em Lumiar, autor de “Organismos Pluricelulares”, e Victor Iervolino, com a mostra “Objetos”. Sobre o trabalho de Iervolino, destacamos trechos do artigo do professor de Arte, da Universidade Federal Fluminense (UFF), Franklin Alves Dassie:

Objetos

“Como definir as esculturas contemporâneas sabendo que elas mesmas já se colocam como problemas para o crítico-observador? Ontologicamente já não estão próximas das esculturas que a história da arte nos apresentou. Uma alternativa seria olhar para eles e pensar o que são e elas são objetos.

A amplitude desse termo permite uma visada mais crítica e atravessada pela compreensão antropológica, sociológica e cultural dos objetos transformados em trabalhos artísticos. Mas essa história é longa – desde Marcel Duchamp até a arte contemporânea, os objetos estão aí, na nossa frente. Lembrando: transformados em objetos artísticos. É esse o procedimento de Victor Iervolino nessa individual chamada Objetos.

Apesar de apontar uma orientação – a da recolocação dos objetos em outro meio, adquirindo assim outras funções – chamar de “objetos” sem investigar o procedimento específico de Iervolino é um gesto redundante. Interessante – em objetos como “Um metro quadrado”, “Perpétuo” e “Ralos” – é a encenação de um circuito que não se completa.

Essa interpretação nos faz perguntar: quando caem os “Piões” ou que música tocaria um violão que não pode tocar? Talvez o objetivo de Iervolino seja provocar esse grande riso e de imaginar, assim, outras casas e lugares de trabalho. Talvez o efeito desejado é imaginar um outro mundo, onde estas funções iniciais sejam deslocadas e como viveríamos nesses espaços habitados por objetos fora de lugar. A Galeria KM7, do artista plástico Marcelo Brantes, fica na Rua Margarida Brantes, 265, Venda das Pedras, Córrego Dantas.

 

LEIA MAIS

Entrevista com Luís Fernando Folly, presidente da Fundação D. João VI

Daniela Santi relembra histórias e personagens do Centro de Arte

Dil Márcio utiliza técnicas de aquarela, de lápis de cor ou de pastel oleoso em seus desenhos

Publicidade