Funcionário acusado de maltratar gato procura DP e admite que errou

Delegado condena execração pública, diz que animal está vivo e faz sermão: "um homem falível que deve ter a chance de se redimir"
terça-feira, 06 de agosto de 2019
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
O gato sendo resgatado por funcionários após a suposta agressão:
O gato sendo resgatado por funcionários após a suposta agressão: "O gatinho vai bem", disse o delegado (Reprodução da web)

A 151ª DP divulgou nesta terça-feira, 6, em sua página no Facebook, que o funcionário de um supermercado acusado de maltratar um gato no último domingo entrou em contato com a delegacia de forma voluntária e admitiu que errou.

Na nota, a delegacia condena a execração pública do acusado nas redes sociais e faz um verdadeiro sermão virtual: "Devemos lembrar que não se trata de um criminoso, sendo um bom funcionário e antes de mais nada, um pai de família e homem falível como eu, cada um de vocês, e que deve ter a chance de se redimir, o que já vem demonstrando com atitudes. O gatinho vai bem e agora é esperar que todos cresçam com esse episódio, onde temos seres a serem preservados da nossa ira, sejam humanos ou os animais. Vamos refletir com o fato. A Polícia faz a sua parte e espera que todos o façam também. Moderação e capacidade de perdão é o que caracteriza o ser humano", diz a nota assinada pelo delegado Henrique Pessoa, titular da unidade.

Muitos comentários na rede social elogiaram seu ponto de vista.

A denúncia de maus-tratos nas dependências do supermercado Serra Azul, em Conselheiro Paulino, provocou grande repercussão nas redes sociais, desde domingo. A subsecretária do Bem-Estar Animal de Nova Friburgo, Monique Malhard, enviou ofício para a 151ª DP pedindo a apuração rigorosa dos fatos. 

Em comunicado divulgado ainda no domingo, a direção do Serra Azul informou que está apurando a denúncia para a devida punição. O funcionário foi afastado provisoriamente. Segundo o estabelecimento, as denúncias de crueldade não foram confirmadas nem por imagens de vídeo nem pelas testemunhas ouvidas e o animal continua saudável e circulando nos arredores da empresa. Segundo a nota, o funcionário reconheceu, no entanto, ter perseguido e “atingido” o animal, com a intenção de evitar risco à segurança sanitária dos clientes, e pediu desculpas pelo “excesso de energia utilizado”.

Em contato com A VOZ DA SERRA, a empresa declarou que tem uma história de compromisso com a responsabilidade social e as melhores práticas de cidadania e jamais será conivente com qualquer malfeito de algum de seus colaboradores.

A Prefeitura de Nova Friburgo, por meio da Subsecretaria de Bem-Estar Animal, disse, também em nota, repudiar o ato de covardia. "Nos últimos anos, o governo municipal vem desenvolvendo um trabalho de amor e acolhimento aos animais, sendo radicalmente contra qualquer ato de violência".

 

LEIA MAIS

Supermercado afasta funcionário acusado de crueldade. Caso gera forte repercussão nas redes sociais

Esse foi o quarto animal que morre em situações de abandono na região

Filhotes acompanhados dos pais foram vistos caminhando às margens da RJ-116

Publicidade
TAGS: PET