Frizão perde as chances de voltar à elite do futebol carioca

Placar de zero a zero deixa equipe sem condições de chegar às semifinais do segundo turno da série B; próximo jogo é só para cumprir tabela
segunda-feira, 28 de agosto de 2017
por Vinicius Gastin
Foto de capa
Com a ausência do técnico Merica, Cadão dirigiu a equipe no sábado

Um jogo equilibrado, de muita marcação e nenhum gol. É bem verdade que o Americano chegou mais perto e parou em León, que defendeu pênalti cobrado por Rafinha no segundo tempo. No entanto, dentro do cenário de equilíbrio, foi o Friburguense quem tentou tomar a iniciativa, ficou mais tempo com a bola, mas não encontrou espaços. O 0x0 persistiu no placar em Nova Friburgo na tarde do último sábado, 26, e foi melhor para o time de Campos, que foi embora classificado para o jogo do acesso e muito perto de obter as vantagens de jogar em casa e por um empate.

O Friburguense, por sua vez, não possui mais chances de voltar à elite do futebol carioca no próximo ano. Sem possibilidade de chegar às semifinais do segundo turno, também já não alimentava mais esperanças através da classificação geral. Resta cumprir tabela nesta quarta-feira, 30, quando recebe o Campos/Carapebus, às 15h, no Eduardo Guinle, pela última rodada da Taça Corcovado.

Primeiro tempo morno

A vitória era o único resultado. E essa não é uma frase clichê no caso do Friburguense, mas sim, matemática. Além de fazer o dever de casa ainda era necessário torcer contra alguns adversários. No entanto, foco na primeira missão. Mudanças? Algumas, a começar pelo banco de reservas. Merica teve alguns problemas pessoais, e provavelmente também não estará à beira do campo no jogo de quarta-feira. Sendo assim, Cadão assumiu o comando e promoveu a entrada de Ricardo no comando de ataque. Além de Lohan, machucado, o Tricolor da Serra não contou com Jeffinho, Sergio Gomes, Lucas Toledo e Luiz Felipe. Problemas e protestos dos poucos torcedores do Frizão que foram ao estádio.

Do outro lado havia um Americano empolgado e a uma vitória do jogo do acesso, depois de tantos anos na segunda divisão. Até mesmo por isso a torcida alvinegra veio em grande número ao Eduardo Guinle - cerca de 100 pelo menos. Em campo, entretanto, as situações opostas não se materializaram em domínio. Pelo contrário. Havia equilíbrio, muita marcação de ambos os lados e poucas oportunidades. A melhor do Americano surgiu em cobrança de falta de Ferrugem, defendida por Leon no canto direito. A primeira chegada mais perigosa do Tricolor aconteceu quando Gleison roubou a bola no meio e arrancou pela esquerda, sendo parado com falta. Antes da cobrança, que acabou não concluída ao gol, o tempo técnico.

Mesmo com tantos desfalques, o Friburguense estava encaixado. Pela direita, Ziquinha e Ricardo tabelaram, mas a devolução para o experiente atacante na grande área acabou bloqueada. Percebendo o bom momento tricolor, o técnico João Carlos colocou mais um atacante em campo ao perder o lateral Ferrugem, por lesão. Quase nada mudou, e não houve qualquer lance de maior perigo até o intervalo.

Leon pega pênalti

A lista de problemas para Cadão aumentou quando Roberto Junior passou mal ainda no fim da primeira etapa. O fato, somado à necessidade de vencer, resultou nas entradas de Jefferson e Lucas Sales, tornando o Friburguense um pouco mais ofensivo na teoria. Ao mesmo tempo, Yan e Gabriel ficaram mais presos para conter os contragolpes do adversário. O Tricolor manteve a posse de bola nos primeiros minutos, marcou no campo de ataque e dificultou a saída do Americano. Contudo, em uma das poucas chegadas da equipe de Campos, aos dez minutos, o árbitro enxergou pênalti em bola dividida na grande área. Rafinha cobrou e Leon caiu no canto esquerdo para defender, sem dar rebote.

Com o passar do tempo, a tensão aumentou. O Friburguense não abandonou a organização defensiva, mas o Americano ganhou terreno e passou a arriscar um pouco mais. Os goleiros trabalhavam pouco, é verdade, e pelo desenho do jogo um gol poderia aproximar quem o fizesse da vitória. Bidu teve boa oportunidade após escanteio cobrado por Gleison. O capitão tricolor cabeceou para o chão e Jefferson ainda tentou aproveitar, sem sucesso. Nos minutos finais, o Americano se fechou e praticamente abriu mão do ataque. O Frizão tentou na base do abafa, mas não encontrou o gol.

Mais protestos

Além dos protestos com faixas e gritos nas arquibancadas, um grupo de cerca de cinco componentes de uma torcida uniformizada do Friburguense foram até as sociais ao final do jogo e voltaram a protestar. Alguns atletas e membros da comissão técnica desaprovaram a ação do grupo, que foi contido por policiais e alguns torcedores do Americano – em maioria no estádio, diga-se de passagem. Algumas pichações também foram feitas em uma parte do muro e em um dos portões do Eduardo Guinle. Atitudes lamentáveis, que em nada mudarão a situação tricolor ou ajudarão a mudar a realidade de dificuldades financeiras.

Ficha técnica - Friburguense 0x0 Americano

Campeonato carioca série B 2017

Taça Corcovado – 10ª rodada (2º turno)

Estádio Eduardo Guinle, Nova Friburgo-RJ

26/08/2017 – 15h

Renda: R$ 5.200,00

Público: 400 pagantes / 541 presentes

Árbitro: Carlos Eduardo Nunes Braga

Assistentes: Daniel do Espírito Santo e Marcio de Queiroz

 

Friburguense: Leon, Yan, Bruno, Roberto Júnior (Jefferson) e Gabriel; Bidu, Everton, Rafael (Lucas Sales) e Gleison; Ziquinha (Jarles) e Ricardo.

Técnico: Cadão

 

Americano: Adilson; Ferrugem (Carlos André), Henrique, Espinho e Rafinha; Abuda, Flávio, Wander e Paulista (Paulo Roberto); Geovane (Daniel) e Jairo Paraíba.

Técnico: João Carlos Ângelo

 

LEIA MAIS

Área total de 50 mil metros quadrados em Conselheiro deve receber mais dois campos e outras obras

Mais de 1.300 torcedores testemunharam o maior clássico do interior do Rio

Após auxiliar Merica do banco, zagueiro não descarta retorno aos gramados nem aposentadoria

Publicidade
Agora Faz
TAGS: futebol