Friburguenses só elegeram 2 deputados federais ligados à cidade

Para a Alerj não foi ninguém. Votação de Bolsonaro chegou a 63% e Ciro foi o 2º na preferência local
segunda-feira, 08 de outubro de 2018
por Adriana Oliveira e Alerrandre Barros (redacao@avozdaserra.com.br)
Eleitores chegam à 26ª ZE, no Colégio Nossa Senhora das Dores, para votar (Fotos: Adriana Oliveira)
Eleitores chegam à 26ª ZE, no Colégio Nossa Senhora das Dores, para votar (Fotos: Adriana Oliveira)

Sob chuva fina e frio de 13 graus, marcados no relógio digital da Avenida Alberto Braune, 75,73% dos 151.943 eleitores de Nova Friburgo saíram de casa para votar no primeiro turno das eleições gerais deste ano, no domingo, 7. Ausentes, brancos e nulos totalizaram 24,27%, quase um quarto do eleitorado, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os friburguenses deram ao candidato a presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) 63.477 votos, ou seja 62,87% dos votos válidos, suficientes para eleger o capitão em primeiro turno com folga, caso o pleito fosse restrito à Nova Friburgo. Se coubesse ao município decidir sozinho a eleição presidencial e houvesse a hipótese de um segundo turno, a disputa seria entre Bolsonaro e o pedetista Ciro Gomes, que ficou em segundo lugar na preferência dos eleitores friburguenses, com 16.254 votos, 16,10% dos válidos. O candidato do PT, Fernando Haddad, recebeu dos friburguenses 10.292 votos, apenas 10,19% dos válidos.

Contudo, a eleição nacional levou Bolsonaro e Haddad para o segundo turno, a ser realizado no próximo dia 28. O candidato do PSL obteve 49,2 milhões de votos, o que representa 46,03% dos votos válidos, e venceu em quase todos os estados, com exceção do nordeste e do Pará, no norte do país. Já o petista ficou em segundo com 31,3 milhões de votos, 29,28% dos votos válidos.

Na disputa pelo governo do estado, o ex-juiz Wilson Witzel (PSC) recebeu em Nova Friburgo 41.937 votos, 47,46% dos válidos. O ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes (DEM) foi o preferido de 11.559 eleitores, 13,08% do total. Os dois seguem no embate para o segundo turno. Em todo o estado, Witzel teve 3,1 milhões de votos (41,28% dos votos válidos) e Paes, 1,4 milhão (19,56% dos total de votos).

Para o Senado, Nova Friburgo ajudou a eleger Flávio Bolsonaro (PSL) com 54.769 votos (33,85% dos válidos) e Arolde de Oliveira (PSD), com 50.505 (18,85% dos válidos).

Dois candidatos a deputado federal com relações com Nova Friburgo foram eleitos neste domingo, 7. O campeão das urnas foi o empresário e ex-nadador olímpico Luiz Lima (PSL), que recebeu um total de 115.119 votos, sendo 15.768 dos friburguenses. Ele foi o candidato a federal mais votado no município. O deputado federal Glauber Braga (Psol), que é friburguense e filho da ex-prefeita Saudade Braga, foi reeleito com 40.119 votos, sendo 10.187 de Friburgo, e também garantiu vaga na Câmara dos Deputados.

Já para a Assembleia Legislativa do Estado Rio de Janeiro (Alerj), nenhum representante do município foi eleito. O mais votado, o deputado estadual Wanderson Nogueira (Psol) obteve 19.073 votos, mas não conseguiu a reeleição devido ao quociente eleitoral, sistema proporcional em que as vagas para estes cargos são distribuídas proporcionalmente para as coligações.

Friburgo teve outros cinco pleiteantes ao cargo de deputado federal. Cinco não conseguiram votos suficientes: Dr. Luis Fernando (PRP) recebeu 9.483 votos; Marcinho (PRB) teve 8.235 votos; Adriano Pequeno (Podemos), 1.928; Flávio Pacheco (Podemos), 1.770; Zé do Mercado, 1.106 votos.

Para a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), nenhum dos 14 representantes do município tiveram êxito: além de Wanderson Nogueira, Alzimar Andrade (PSB) teve 15.733 votos; Marcio Damazio (DEM), 13.407; Sérgio Louback (PSC), 10.560; Dyonne Boy (Psol), 7.685; Marcos Marins (PP), 8.104; José Rogério Namen (Avante), 5.289; Leandro Daudt (PSL), 5.028; Fernando Sauerbronn (PSL), 2.370; Waltinho Vieira (DC), 2.225; Edson Flávio Coelho (MDB), 1.582; Gregory Combat (PCdoB), 766; Daniella Cesar (PSTU), 229; Machadão (MDB), 69 votos.

LEIA MAIS

Programa conta no total com 30 profissionais; caribenhos chegaram à cidade há 4 anos para trabalhar na atenção básica à saúde de regiões carentes

O direito de votar e ser eleita para cargos no Executivo e Legislativo

Movimentação feminina elegeu mais mulheres em todo o país

Publicidade
TAGS: eleições