Friburguense inicia trilha que integrará a maior travessia do Brasil pelas montanhas

Trecho TransCaledônia, de Lumiar a Teresópolis, compõe o Caminho da Mata Atlântica, que vai desde Madalena até Aparados da Serra (RS)
quarta-feira, 25 de setembro de 2019
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
Thomaz Morett: 120 km em 4 dias (Arquivo pessoal)
Thomaz Morett: 120 km em 4 dias (Arquivo pessoal)

O geógrafo e trilheiro friburguense Thomas Morett iniciou nesta quinta-feira, 3, sozinho, a  travessia TransCaledônia, de Lumiar a Teresópolis. A intenção é, ao longo dos 120 km de caminhada, prevista para durar quatro dias, percorrer sozinho um dos trechos fluminenses do Caminho da Mata Atlântica, uma megatrilha de mais de 3,8 mil km - a maior do Brasil e uma das maiores do mundo - que corta cinco estados e está sendo mapeada e sinalizada, ligando toda a cadeia montanhosa da Serra do Mar, desde o Parque Nacional dos Aparados da Serra, no Rio Grande do Sul, até o Parque Estadual do Desengano, no Estado do Rio.

O trajeto da TransCaledônia começa em Lumiar, passando por Macaé de Cima, Debossan, Cascatinha, São Lourenço, Três Picos e Vale dos Frades, já em Teresópolis. “Esse trajeto terá vários aspectos: temáticas ambientais, históricas e sociais, além do ecoturismo e da consciência espiritual que está envolvida nesse tipo de caminhada”, diz Thomas.

Com a proposta de conectar trilhas, muitas delas já existentes, o Caminho da Mata Altântica, onde a TransCaledônia está inserida, tem como objetivo oferecer opções de lazer ao ar livre, aproximar as pessoas da Mata Atlântica e promover a importância das áreas protegidas para a economia, o lazer e a saúde. A iniciativa, inspirada na Appalachian Trail americana, partiu do Movimento Borandá do WWF-Brasil e envolve a participação de áreas naturais protegidas públicas e privadas, clubes e federações de montanhismo, grupos de trilheiros, guias e empresas de ecoturismo e de turismo de aventura e voluntários (saiba como atuar no site caminhodamataatlantica.org.br).

Na região de Nova Friburgo o Caminho já está se formando a partir do Parque Estadual do Desengano, em  Santa Maria Madalena, seguindo para os municípios de Trajano de Morais e Bom Jardim, passando pelas localidades do Alto do Tirol, Sana, Lumiar, Macaé de Cima, Debossan, Caledônia, Parque Estadual dos Três Picos e na direção do município de Teresópolis. Um bom trecho a partir de Santa Maria Madalena já está sinalizada. Também existe um núcleo atuante em Sana, Lumiar e Macaé de Cima. Em Friburgo está começando a se formar um núcleo que atuará no trecho Debossan, Caledônia e Parque Estadual dos Três Picos.

Segundo Anna Carolina Lobo, coordenadora do Programa Mata Atlântica e Marinho da ONG WWF-Brasil, cerca de 80% do Caminho da Mata Atlântica já podem ser percorridos. 

 

LEIA MAIS

Tigre d'água é animal da fauna silvestre e sua comercialização só pode acontecer com licença do Ibama

Proposta será submetida a consulta pública para mais contribuições da sociedade

Prêmio Firjan Ambiental reconhece práticas de negócios sustentáveis adotadas em todo o estado do Rio

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra