Friburgo perde representantes na Alerj, mas amplia presença no Congresso

Diluição de votos entre grande número de candidatos locais reduziu representatividade do município no Legislativo estadual
sexta-feira, 01 de fevereiro de 2019
por Marcio Madeira (marcio@avozdaserra.com.br)
Friburgo perde representantes na Alerj, mas amplia presença no Congresso

Fevereiro começou, e com ele a vontade popular - expressa nas urnas em outubro passado – passa a se refletir efetivamente na composição das casas legislativas federais e estaduais. Após um mês de intensas costuras e muitos levantamentos junto à presidência da República e aos novos governadores, o Congresso Nacional e as 27 assembleias legislativas espalhadas pelo território nacional retomam suas atividades ordinárias em meio a pautas intensas discutidas por novos rostos.

No Estado do Rio de Janeiro, o desgaste da Assembleia Legislativa (Alerj) – que chegou a ter 10% de seus titulares presos em 2018 – se traduziu numa renovação da ordem de 51%: dos 70 deputados eleitos em 2014, apenas 34 retornaram para um novo mandato. Nomes tradicionais da política fluminense, como Átila Nunes (MDB), eleito para mandatos consecutivos desde 1975, Cidinha Campos (PDT) e Gilberto Palmares (PT) deram lugar a um novo desenho de forças comandado pelo PSL, do presidente Jair Bolsonaro, que terá 13 cadeiras.

Representação no Rio de Janeiro

A nova composição do parlamento significou também que Nova Friburgo, que até então vinha sendo representada com proximidade pelo deputado estadual Comte Bittencourt (PPS) e Wanderson Nogueira (à época no Psol), com impactos decisivos para o fortalecimento de setores como turismo, moda íntima e indústria metalmecânica, não terá representação própria no plenário, ao menos no início da nova legislatura.

Um cenário que se desenhou a partir da diluição dos votos entre grande número de candidatos locais, mas que pode se alterar parcialmente já nos próximos dias, caso o vereador Sérgio Louback, primeiro suplente do PSC na Alerj, venha a assumir a cadeira de Chiquinho da Mangueira, preso desde novembro de 2018 em um desdobramento da operação “Furna da Onça”.

“Semana passada eu estive com o governador Wilson Witzel, e essa pauta surgiu. O entendimento da Procuradoria é que eu devo assumir o mandato o mais rápido possível”, avaliou Louback. “Tenho sido procurado por advogados especializados em direito eleitoral, que se colocaram à disposição para entrar na Justiça. Mas entendo que não é este o caminho. Se ele [Chiquinho da Mangueira] cometeu algum erro perante a lei, ele que resolva com a lei, é a regra do jogo. Sou o primeiro suplente, mas não vou mover nenhuma palha para que ele perca o mandato. Ainda assim, o cenário é bastante positivo para que eu possa assumir uma cadeira na Alerj. O próprio governador tem se empenhado para isso, pois somos do mesmo partido e ele precisa de votos no parlamento”, declarou o vereador.

Uma decisão da Justiça tomada na última quinta-feira, 31 de janeiro, entregou ao futuro presidente da Alerj o poder de deliberar  se os deputados eleitos que estão presos -  além de Chiquinho da Mangueira, André Corrêa (DEM), Luiz Martins (PDT), Marcos Abrahão (Avante), Marcos Vinicius Neskau (PTB) e Wanderson Gimenes (SD) – poderão ou não ser empossados. Os eleitos que cumprem prisão preventiva, se assumirem o mandato, só poderão ser destituídos, caso sejam condenados com processos transitados em julgado. Se a nova presidência da Alerj negar a posse, os deputados presos perderão os mandatos em 60 dias. Nesse período, suas cadeiras devem permanecer vagas, sem poderem ser assumidas pelos suplentes.     

Representação em Brasília

Se na Alerj a expectativa é de que Nova Friburgo possa ter um representante próximo ao Poder Executivo, em Brasília esta é uma certeza desde que o ex-nadador Luiz Lima (PSL), campeão de votos no município, foi eleito deputado federal e anunciou que irá manter um gabinete em Nova Friburgo, mais especificamente no bairro Olaria, onde passou parte importante de sua infância.

Tendo fortes ligações com o senador Flávio Bolsonaro, a perspectiva é de que Luiz Lima possa desempenhar importante papel de articulação junto à presidência da República ao longo dos próximos quatro anos, representando o principal canal de comunicação de Nova Friburgo com o Palácio do Planalto.

A representatividade friburguense no Planalto Central conta ainda com Glauber Braga (Psol), eleito para seu quarto mandato na Câmara dos Deputados. Apontado repetidas vezes como um dos parlamentares mais atuantes do Congresso Nacional, Glauber, aos 36 anos, encontra-se no epicentro da bancada de oposição ao governo federal.

Apesar de ter mudado ligeiramente seu perfil de atuação ao longo do último mandato, envolvendo-se mais profundamente em questões de interesse nacional e da agenda partidária, Glauber continua a manter gabinete em Nova Friburgo, na Avenida Comte Bittencourt, e também segue com a rotina de encontros com comunidades locais, voltadas ao apontamento participativo de emendas ao orçamento.

Entre um e outro extremo do arco político, o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero (PPS) estreitou laços com a comunidade friburguense ao longo de 2018, e já declarou em diversas oportunidades que será “um representante de Nova Friburgo na Câmara Federal”. Companheiro de partido do presidente da Câmara Municipal, vereador Alexandre Cruz, Calero tem no chefe do Legislativo local um canal de diálogo aberto com a serra, e já prometeu que também irá direcionar emendas parlamentares à cidade.

Além das citadas representações diretas, Nova Friburgo também continuará a contar com apoios esporádicos de deputados estaduais, federais e senadores ligados a vereadores, integrantes do Executivo e/ou partidos de atuação na cidade. Pesados todos os fatores, num cenário que ainda admite algumas incertezas de natureza jurídica, já é possível afirmar que a cidade terá sua representação na Alerj enfraquecida, ao passo que as vias de comunicação com o centro do poder, em Brasília, foram sensivelmente ampliadas e diversificadas.

COM FOTOS EM 01-02

LEGENDAS:

Comte Bittencourt e Wanderson Nogueira muito defenderam Nova Friburgo em seus mandatos na Alerj

Glauber Braga foi reeleito para seu quarto mandato na Câmara dos Deputados, em Brasília

Publicidade
TAGS: