Friburgo perde o padre e ex-reitor Luiz Pecci, aos 91 anos

Missa de 7º dia será celebrada na Capela do Colégio Anchieta, no dia 14, às 19h
quinta-feira, 08 de março de 2018
por Jornal A Voz da Serra
Padre Pecci abriu o Anchieta às meninas (Reprodução da internet)
Padre Pecci abriu o Anchieta às meninas (Reprodução da internet)

O padre Luiz Pecci, um dos mais conhecidos e queridos de Nova Friburgo, faleceu na manhã desta quinta-feira,  8, na comunidade dos Jesuítas, na Residência de Saúde e Bem-Estar Irmão Luciano Brandão, em Belo Horizonte (MG). O corpo do padre Pecci, que tinha 91 anos, será sepultado nesta sexta, 9, às 11h, no Bosque da Esperança, na capital mineira, após missa de corpo presente. A missa de sétimo dia será celebrada na Capela do Colégio Anchieta, em Nova Friburgo, no próximo dia 14, às 19h. A causa da morte não foi divulgada.

Conhecido pelas inúmeras demonstrações de bondade, amor ao próximo e sorriso acolhedor, padre Pecci foi secretário-geral da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro; reitor dos Colégios Santo Inácio, no Rio; dos Jesuítas, em Juiz de Fora; de São Francisco Xavier, em São Paulo; e Anchieta, em Nova Friburgo, por dois períodos: 1966 a 1969 e 1989 a 1992. Na instituição ele foi também orientador espiritual e, nos anos 70, responsável pelo ingresso de meninas no colégio.

Além de sua enorme contribuição na educação e na vida espiritual de dezenas de crianças, jovens e adultos, padre Pecci celebrou muitos casamentos e batizados na região. Em cada ato que realizava, proclamava a existência de Deus, o qual servia incondicionalmente. Por inúmeras vezes, esteve à frente do Encontro de Pais com Cristo (EPC), atendendo em diversos momentos a várias paróquias do município e do Rio de Janeiro.

O sacerdote era friburguense, nasceu em 2 de abril de 1926, em Duas Pedras,  e foi batizado na igreja de São Pedro e São Paulo, no mesmo bairro. Seus pais, Alberto Pecci e Carmela Grippi, tiveram outros dois filhos: Carlos Alberto e Osmar.  Descendente de imigrantes italianos, Pecci vinha de uma família muito religiosa e, por isso, desde cedo aprendeu a devoção à Nossa Senhora. Também muito jovem, o padre entregou-se à Companhia de Jesus. Assim que terminou o magistério, ele deu início ao curso de Teologia, para se preparar para a ordenação sacerdotal. Estudou dois anos, dos quatro do curso, na Argentina e terminou a sua formação em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul. Em 22 de dezembro de 1956 ele recebeu a ordenação sacerdotal.

Padre Luiz Pecci dedicou-se com muito afinco às ações pastorais. Gostava de escrever textos teológicos sobre temas que necessitavam de aprofundamentos e reflexões. Durante sua existência realizou diversos trabalhos que o deixaram um grande legado de amigos, admiradores e seguidores de seus conselhos e ensinamentos. A equipe e a direção de A VOZ DA SERRA se solidarizam com os familiares, a equipe do Colégio Anchieta e toda a comunidade católica neste momento doloroso, manifestando os votos do mais profundo pesar.

LEIA MAIS

Acervo do Pró-Memória só existe graças ao seu trabalho de catalogar, desde 1975, todos os documentos da cidade que julgava importantes

Cantora, compositora e artesã de prestígio nacional tornou-se uma das mais queridas agitadoras culturais de Lumiar

Editorialista e colunista faleceu aos 69, após anos lutando contra as complicações decorrentes de uma cirurgia

Publicidade