Friburgo já fez parte da preparação brasileira para Copas do Mundo

Em 1954 seleção disputou 3 amistosos no Eduardo Guinle e, em 1962, ainda sem Granja Comary, se concentrou aqui
sexta-feira, 01 de junho de 2018
por Vinicius Gastin (esportes@avozdaserra.com.br)
Foto de capa
Registros da época exaltaram o time de Nova Friburgo: melhor “sparring” para a seleção

A estreia do Brasil na Copa do Mundo deste ano, na Rússia, terá um gosto especial: afinal de contas, o primeiro adversário será a Suíça. Exatamente no ano do bicentenário de Nova Friburgo. Desta forma, um telão será colocado no centro da cidade, para que os friburguenses e visitantes possam acompanhar, juntos, o duelo inaugural para o time de Tite.

Apesar das poucas perspectivas atuais, o município já recebeu a Seleção Brasileira em preparação para uma Copa do Mundo, e curiosamente em um dia 16 de maio (aniversário de Nova Friburgo), no ano de 1954. Os 138 anos da cidade, à época, foram comemorados no estádio Eduardo Guinle, onde o Brasil encerraria a preparação para a Copa do Mundo daquele ano. A partida foi uma espécie de tira-teima de outros dois encontros. No primeiro, o Brasil venceu por 3 a 2. Miguel Ruiz (foto) e Otacílio marcaram para o time de Nova Friburgo. No segundo treino, nova derrota por 1 a 0 (gol de pênalti, cobrado por Brandão).

A vitória de Nova Friburgo por 1 a 0, com gol de Jael aos 38 minutos do primeiro tempo, na meta à esquerda da Tribuna de Honra, fechou o ciclo de amistosos (alguns historiadores e pessoas presentes ao Eduardo Guinle contestam, e afirmam que o tento foi marcado por Jorge). "Ainda me lembro de muitas coisas. Eu já havia jogado no Botafogo, mas essa foi uma grande experiência. Para os colegas era a grande oportunidade, e nós fizemos frente à Seleção Brasileira," relembra Miguel Ruiz.

 De acordo com os registros históricos, 25 mil pessoas estiveram presentes ao estádio do Friburguense. A renda foi de 90 mil cruzeiros. Durante a passagem da seleção por Nova Friburgo, inclusive, Miguel foi convidado por Zezé Moreira e participou do segundo treino do time verde e amarelo na vaga de Luizinho. Os grandes jornais do país na época consideraram Nova Friburgo como o melhor "Sparring" (uma espécie de parceiro de treinos) para o Brasil. A Seleção Brasileira ficou hospedada no Hotel Sans-Souci, e contava com regalias como alimentação, concentração e estrutura de um clube profissional.

Os atletas da seleção friburguense, ao contrário, trabalharam durante os dias das partidas e foram liberados antes do horário para estarem em campo. "Eu mesmo trabalhei durante o dia inteiro na Única, saí às 14h, fui para o campo e mudei a roupa. Muitos jogadores trabalhavam em fábricas e no comércio", relembra Miguel.

Em 1962 a seleção brasileira retornou a Nova Friburgo, desta vez em preparação para o Mundial do Chile, que seria disputado naquele mesmo ano. A seleção de Garrincha, Pelé, Didi, Nilton Santos e outros craques se concentrou em Nova Friburgo. O Centro de Treinamento da Granja Comary, em Teresópolis, só foi construído anos depois, em 1987. Segundo publicação na sessão Acervo, do jornal carioca O Globo, “na chegada à cidade, no dia 9 de abril (de 1962), os jogadores foram recebidos com aplausos pelos moradores durante desfile do ônibus que levava o grupo”.

Além da Seleção Brasileira, Nova Friburgo também recebeu os grandes clubes do Rio de Janeiro para as chamadas pré-temporadas. No entanto, desde o final da década de 90 e início dos anos 2000, o município dificilmente é especulado como destino provável de algum time carioca. Este ano, o Botafogo até cogitou a hipótese de realizar parte da preparação na cidade. Torcedores friburguenses do alvinegro mantêm boa relação com os atuais dirigentes do clube, que receberam a proposta e gostaram da ideia. Entretanto, alguns detalhes impediram a concretização.

Entre as exigências dos cariocas estava a proximidade de estruturas de hospedagem, campo para treinamento, academia, dentre outras. À época, Nova Friburgo concorreu com um resort, em Domingos Martins, no Espírito Santo, que oferecia melhores condições, reunidas em um único espaço. A proximidade com a capital fluminense poderia até ter sido um diferencial, caso as outras exigências fossem cumpridas. No fim das contas, o Botafogo desistiu da viagem para o estado capixaba e fez toda a preparação no próprio Rio de Janeiro.

Ficha Técnica

Nova Friburgo 1 x 0 Brasil

Data: 16/05/1954 – 15h

Estádio Eduardo Guinle

Público: 25 mil pessoas

Renda: CR$ 90 mil

Nova Friburgo: Horst (Esperança), Ivan (Esperança), Leoni (Friburgo), Nilton (Fluminense) e Ivair (Conselheiro); Cléo (Esperança), Arley (Serrano), Otacílio (Fluminense) e Paulo Banana (Friburgo); Miguel Ruiz (Friburgo) e Jorge (Serrano).

Técnico: Virgílio Laginestra (Binha)

Brasil: Veludo (Fluminense), Djalma Santos (Portuguesa), Pinheiro (Fluminense), Salvador (Internacional) e Nilton Santos (Botafogo); Bauer (São Paulo), Julinho Botelho (Portuguesa-SP), Humberto Tozzi (Palmeiras) e Didi (Fluminense); Índio (Flamengo) e Maurinho (São Paulo).

Técnico: Zezé Moreira

 

LEIA MAIS

Chances de brigar pelo acesso, que já eram remotas antes da partida, ficaram ainda menores

Jogo de volta, dia 22, definirá quem avança às quartas de final da Copa Rio

Tricolor da Serra encara o Bangu, e o primeiro jogo acontece nesta quarta no Eduardo Guinle

Publicidade
TAGS: futebol | Copa