Fotógrafo Fernando Braune inaugura nova exposição

“Invisíveis” entra em cartaz na Galeria Usina Cultural
quinta-feira, 06 de dezembro de 2018
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
O trabalho de Fernando Braune (Fotos: Regina Lo Bianco)
O trabalho de Fernando Braune (Fotos: Regina Lo Bianco)

O fotógrafo friburguense Fernando Braune inaugurou a exposição Invisíveis, elaborada a partir de sua percepção da presença dos garis durante o exercício de sua função, e seus sentimentos de total invisibilidade aos olhos da população. “Percebi a invisibilidade do homem frente a outro homem”, revelou.

Conversando com personagens que trabalham nas ruas, observando seu dia a dia, Braune descobriu o quanto esses indivíduos são imperceptíveis para a população que transita, cotidianamente pela cidade. Ninguém vê, sequer olha.

Nesta exposição, inaugurada há duas semanas na galeria da Usina Cultural Energisa, após encerramento de temporada na galeria do Centro Cultural dos Correios, no Rio, o artista exibe fotos-instalação concebidas pela junção de fotografias dos garis em plena rotina de seu ofício.

Desse trabalho resultou o livro-objeto “Invisíveis”, 6ª obra publicada pelo artista, lançado aqui na inauguração da exposição. Anteriormente, Braune já havia lançado “O Surrealismo”, “Estética Fotográfica”, “O Cinema e Linguagem Fotográfica”, “Temporalis” e “Querubins de Grota”.

Além de publicar artigos e matérias em várias revistas internacionais e livros de arte, Fernando faz palestras em centros culturais e participa de exposições em Nova York, Florença, Paris, Barcelona, Londres, Milão e Estocolmo, além de galerias do Rio de Janeiro, Niterói e Nova Friburgo.

Em 2014, ele recebeu o prêmio “Nápoles para Arte Contemporânea”, e o Arte Latino-Americana, em Milão (2016), ambos na Itália. Duas importantes agências o representa fora do país: a Galeria Monteoliveto, na Europa, e o Duetto Arts, em Nova York.

Sobre o artista

“Fernando Braune é fascinado pelas pessoas e seus ambientes. Ele tem como objetivo descontextualizar a realidade cotidiana através de suas influências psicológicas, sociais e culturais. Trabalhando na estreita margem entre a tradição e a contemporaneidade de arte, ele se utiliza de múltiplas camadas de imagens com efeitos tridimensionais, produzindo fortes sensações de espaço e movimento.

A pureza das cores intensas que ele estabelece sobre suas composições em preto e branco e a clareza gráfica de cada imagem potencializam os temas tratados em suas vibrantes imagens, mantendo, ao mesmo tempo, uma forte e dinâmica relação com o mundo real”, (Chantal Lora Orange, Monteoliveto Gallery).

“Palco urbano"

veia aberta que salta, ressalta em nossa cegueira

cegueira de alma, não de vista, à vista de todos.

visão conturbada, deteriorada, urdida em tecido vacilante, Lasso...

no escaldante betume resinoso, negrume amolecido

onde tudo acontece, se passa, se perde

qual resíduo de descarte, ganga sem proveito

ali se dão as relações... não se dão

se desviam, atravessam, desafinam

faz de conta, que conta, passo reto, passa a régua

tem sem unidade, em plena urbani cidade

falas sem ecos, ruídos no silêncio, leite que talha

que habita sua alma, enchafurda suas entranhas

vida embrulhada em mortalha

qual limalha de ferro, repelente ao magneto

deserto lugar, onde tudo começa, termina

de piche, de gente

visão periférica, cegueira arredia e noite

nó na garganta, na gravata, desvão e desvario

qual lixos de asfalto

reativos, corrosivos, tóxicos, patogênicos

aos corpos que limpam, invisíveis, inviáveis...

sem almas, ... só almas

no chão esgotado, coagulado de-tritos, de-composição

da matéria humana, metabólica, metafísica, metastática

artérias invadidas, fermentadas

do coalho do luxo

no limbo do lixo…” (Fernando Braune)

 

LEIA MAIS

Galeria e Espaço Saracura firmam parceria para participação em evento no Rio

Galeria de artes mantém até domingo exposição da artista plástica Beth Medeiros, com telas, máscaras e maquetes

Premiado banco Sela, de Ricardo Graham, será lançado por indústria dinamarquesa

Publicidade