A força da agricultura familiar na região mais fértil do estado

Vida saudável, união e apego à terra mantêm tradição que ultrapassa gerações
sábado, 25 de maio de 2019
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
A força da agricultura familiar na região mais fértil do estado

Nova Friburgo é uma das maiores produtoras de água do estado do Rio. Tem a maior biodiversidade do Brasil - algo em torno de 3.500 espécies por hectare, e ainda: 40% de seu território é coberto por mata atlântica. Portanto, não admira que a agricultura tenha sido a primeira atividade econômica registrada no município, inicialmente praticada por imigrantes. Com o tempo o cultivo de inúmeras variedades de frutas, legumes, verduras e flores acabou por transformar o município em referência estadual da agroindústria.

A cidade detém o título de maior produtora de morango, couve-flor e flores de corte do estado, além de produzir tomate, inhame, truta, alface, olericultura - hortaliças, de modo geral. É fartura que dá gosto de culturas folhosas, raízes, bulbos, tubérculos e frutos. Enfim, o friburguense é rodeado de um vistoso cinturão verde, fato que enche de orgulho seus moradores.

Fazemos parte de uma região, a serrana fluminense, que continua sendo a maior produtora de hortaliças do estado e o principal fornecedor para o Ceasa-RJ, no Grande Rio. Apesar das perdas causadas pela tragédia climática que atingiu vários municípios em janeiro de 2011, após muita luta e perseverança do trabalhador rural a região recuperou o título de ‘polo de produção agrícola’ do Estado. Nosso homem do campo resiste às intempéries da natureza, e não desiste.

Verde que te quero verde

Respirando o ar impregnado de cheiros de folhas, flores e terra, atravessamos vales, campos e plantações ao longo da rodovia RJ-130, a conhecida Tere-Fri. Assim é Campo do Coelho, o 3º distrito que abrange localidades como São Lourenço, Três Picos, Centenário, Santa Cruz, Salinas, Barracão dos Mendes, Conquista e Alto do Vieira, com suas montanhas cobertas por inacreditáveis tons de verde.

A agricultura familiar predomina na região e uma delas é formada por uma delicada e variada ‘colcha de alfaces’. No meio dos pés de alface, encontramos Taqueu Nunes Soares, 43 anos, preparando a irrigação. Do outro lado da estrada que corta suas terras, estão as sementeiras - no berçário -, algumas já brotando num verde aquarela, quase prontas para o plantio. Um caminhão chega e se abastece de 30 caixas de alface com destino ao Rio. Faz isso três vezes por semana.

Taqueu, como todo o povo que lida na terra, pula da cama às seis horas da manhã, ou com o canto do galo. Dos oito alqueires de terra arrendada, ele usa quatro para plantar quatro tipos de alface: americana, lisa, crespa, roxa, além do brócolis. Despacha cerca de 20 caixas por caminhão, mas a quantidade pode variar de acordo com a produção que depende basicamente de cada estação, do clima, do tempo. Além disso, depende da demanda do comércio: feiras, supermercados e restaurantes.

“No inverno, por exemplo, o consumo de hortaliças diminui. Por enquanto temos vendido toda a safra, a procura é diária, tem gente que vem três vezes por semana, ou uma vez ou duas. A maior parte desses clientes é fixa, o que dá uma ideia do quanto vamos vender. Só em época de chuva, quando a gente não tem certeza de como o tempo vai ficar é que pode atrapalhar um pouco nossos planos”, conta Taqueu, que trabalha até 11 horas da manhã, quando para para almoçar. Uma hora depois, está de volta.

A plantação de Célia Maria Fonseca Ribeiro, 57 anos, viúva, uma pequena agricultora de alface, brócolis e cebolinha na localidade de Centenário, garante não só a sua sobrevivência, como a do filho, da nora, filha e netos.  Só de alface ela tira uma média de 40 caixas por dia, num total de 600 pés. Mas não esquece de citar também o desperdício, que ficou em torno de 20%. O descarte é significativo mas Célia vê o lado positivo: o que não presta para consumo vira adubo.

“Nenhum pé de alface sai daqui do jeito que é colhido. As folhas que ficam em contato direto com a terra, em volta do pé, costuma estragar, amolecer, rasgar. Então, a gente tem que arrancar até chegar nas folhas que estão firmes, inteiras e bem verdinhas”, explica, mostrando um pé com algumas folhas machucadas, alguns furos, nada demais. “Mas não pode ser vendido assim. O pé tem que estar perfeito”, insiste, jogando as folhas ‘estragadas’ ali mesmo no meio da plantação, onde acabou de cortar dezenas de pés de alface, junto com a família.

Ao sabor do tempo

Em São Lourenço encontramos famílias compostas de três, quatro gerações trabalhando na lavoura. É o caso da família Pereira de Souza, que está na 5ª geração de agricultores que cultivam tomate, feijão de vara, couve-flor, salsa, cebolinha, coentro, entre outras hortaliças, em cinco alqueires. A matriarca é Helena Alves Pereira de Souza, viúva, já bisavó, apesar de sua aparência jovial. Ali ela nasceu, cresceu, casou, teve quatro filhos. Adelan, de 38 anos, é um deles. Junto com os irmãos, primos, cunhados e demais parentes - a família é enorme - cuida dos cinco alqueires de plantação. É muita coisa para cuidar, mas ninguém ali troca aquela vida por nenhuma outra.

No galpão onde enchem caixas e caixotes que vão para o Ceasa-Rio, o ambiente é animado, nem parece que estão trabalhando. Todo mundo fala ao mesmo tempo, crianças e adultos, riem das histórias mas não param de encaixotar a produção recém colhida. O cheiro de coentro predomina. A salsa e a cebolinha brilham de tanto frescor. Dali saem oito caixas só de cheiro verde, diariamente. É gente acostumada com a lavoura, plantio, tempo bom, tempo ruim, preço que sobe, preço que desce, e lá se vai o povo da roça ao sabor do tempo:

“Agora , tô achando que os preços vão subir de novo porque a produção vai começar a cair, é tempo de semear. A colheita foi boa, mas não foi assim grande coisa por causa da chuvarada que não parava, então muita coisa estragou, porque folha é delicada mesmo. Em certas ocasiões a gente prefere vender barato do que insistir num preço que vai dificultar a venda. É melhor do que perder tudo. Mesmo assim, como temos uma produção farta, sempre vale a pena”, diz Helena, cujos filhos se preparavam para iniciar no dia seguinte a semeadura de 60 mil pés de couve-flor.

Atravessamos os canteiros e nos dirigimos para a plantação de tomate, onde a colheita também já foi feita. O tomate tem sabor, cor e cheiro de tomate. Coisa rara, hoje em dia. Lá, é o Márcio (Marcinho, como prefere) outro filho de dona Helena que, juntamente com o tio-avô João, ainda recolhe as últimas unidades suficientes para encher mais um caixote. Ali, o problema foi a falta de chuva.

“Com a seca a gente não teve como plantar no tempo certo. Aí tivemos que esperar, atrasar a semeadura, o que provocou o aumento do preço do tomate que já estava no mercado. Logo veio a chuva, deu tempo de trabalhar mas mesmo assim tivemos perda. Na seca o preço subiu, com a chuva, caiu. Quer dizer, quem trabalha na terra sabe que nem sempre as coisas saem como a gente imagina. Domingo passado eu vendi feijão de vara a R$ 70 a caixa, na quarta-feira seguinte, vendi a R$ 20. É assim, mas não troco isso por nada nesse mundo”, enfatiza Marcinho, sorrindo, de bem com a vida.

Assim é esse povo que põe cor e sabor nas refeições nossas de cada dia.  

 

LEIA MAIS

Veículos reforçarão frotas das oito Unidades de Policiamento Ambiental (UPAm) para operar em todas as regiões do estado

Leitores denunciam descarte irregular próximo à Igreja de São Bento Abade

Relatório do Instituto Trata Brasil considera volume de investimentos, acesso a água tratada e a coleta de esgoto

Publicidade