Folia de Reis, uma tradição que resiste em Friburgo

Além de se apresentarem nas praças, grupos percorrem as casas com cantorias e demonstração de alegria
segunda-feira, 08 de janeiro de 2018
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa
Apresentação da Folia de Reis no sábado, 6, em Conselheiro Paulino (Foto de leitor)
Neste sábado, 6, na Praça Lafayette Bravo, em Conselheiro Paulino, foi realizada a tradicional festa de Folia de Reis. Em Nova Friburgo, a tradição possui características próprias. Cada grupo possui uma bandeira dedicada ao santo de devoção, formada pelo mestre de folia, o contramestre, os músicos, cantadores e palhaços. Todos são integrantes da Associação de Grupos de Folias de Reis. As folias levam as ruas a representação da caminhada dos três reis magos até o local onde o menino Jesus nasceu. Alertados por uma estrela, os reis se dirigiram para encontrar a sagrada família de Jesus, em Jerusalém.

"A folia tem a missão de levar a harmonia e a palavra de Deus”

João Batista Braga

Presidida pelo folião João Batista Braga, a Associação das Folias de Reis, com pelo menos 18 anos de fundação e sem fins lucrativos, tem como objetivo manter viva a tradição cultural e religiosa. Mesmo com a diminuição no número de adeptos do folclore, vale destacar que Nova Friburgo tem uma das maiores representações de folias de reis do estado e os grupos locais — sediados em diversas localidades como Olaria, Conselheiro Paulino, Alto do Floresta, Varginha e Jardinlândia — são sempre convidados para encontros e jornadas em outras cidades. Nos próximos dias 20 e 21 haverá um festival de folias na Praça Lafayette Bravo.

 Em Nova Friburgo, a tradição, que já se concentrou por anos no bairro de Olaria, possui características próprias. Por aqui, cada grupo possui uma bandeira dedicada ao santo de devoção, formada pelo mestre de folia, o contramestre, os músicos, cantadores e palhaços.

“Sou filho de rezador, meu pai cantou por mais de 50 anos nas Folias de Reis da cidade e sempre me levava para acompanhar as apresentações. Comecei a me interessar pelo tema e hoje estou como presidente da associação. Este é meu quinto mandato à frente da entidade, hoje nós temos dez grupos participantes, mas só neste tempo que estou aqui, já tivemos 23 folias de reis”, conta João Batista. “Infelizmente o folclore está se perdendo, mas precisamos perseverar e divulgar a cultura. A folia tem a missão de levar a harmonia e a palavra de Deus”, acrescenta.

Com cerca de 20 participantes em cada grupo, as folias são responsáveis por levar às ruas da cidade a representação da longa caminhada dos três reis magos para encontrar a sagrada família de Jesus em Jerusalém. Além de se apresentarem nas praças, os grupos também percorrem as casas com canto e demonstração de alegria.

Segundo a tradição, quem acolhe os reis visitantes e oferece comida e bebida aos foliões é abençoado. As visitas acontecem em quatro ou cinco casas por noite, onde levam as rezas de profecia, através dos cânticos, e os ensinamentos de fé. “Todo mundo pode participar da folia, basta entrar em contato com um dos grupos e participar dos ensaios. Os menores de idade devem ter autorização dos responsáveis. Para receber a visita da folia, basta nos convidar”, explica João Batista.

 

Jornadas

A festa de Folia de Reis começa oficialmente no dia 25 de dezembro, quando os grupos saem às ruas cantando e tocando em louvor ao nascimento de Jesus, e lembrando os reis magos, que viajavam guiados pela estrela de Belém. Apesar do ápice dos festejos ser o dia 6 de janeiro, quando terminam as comemorações natalinas, em Conselheiro Paulino o evento é organizado de forma a ser apresentado também nas proximidades do dia do padroeiro do estado, São Sebastião, em 20 de janeiro.

“Neste período do ano, temos folia na praça de Conselheiro todos os sábados, a partir das 20h. Este ano, nos dias 20 e 21 de janeiro, sábado e domingo, nós teremos várias folias daqui da cidade encerrando as festividades também no mesmo local. No domingo, 21, inclusive, a festa começa às 9h e não tem hora para acabar. As apresentações desse dia costumam atrair até duas mil pessoas”, afirma o presidente da Associação.

A história dos três reis magos e curiosidades sobre a folia em outros países

Diz a tradição cristã que foi num 6 de janeiro que os três reis magos levaram presentes para o menino Jesus. Cada um deles saiu de sua localidade de origem, ao contrário do que pensamos, de que teriam viajado juntos. Não: Baltazar saiu da África, levando para o menino a mirra, um presente ofertado aos profetas. A mirra é um arbusto originário daquele país, onde é extraída uma resina para a preparação de medicamentos. Gaspar partiu da Índia e levou de presente o incenso, em alusão à sua divindade. Os incensos são queimados há milhões de anos para aromatizar os ambientes, espantando insetos e energias negativas, além de representar a fé e a espiritualidade. Já Melchior, ou Belchior, partiu da Europa, levando ouro ao Messias. O ouro simbolizava a nobreza e era oferecido apenas aos deuses.

Em homenagem aos três magos, os católicos realizam a folia de reis, que se inicia em 24 de dezembro, véspera do nascimento de Jesus, indo até 6 de janeiro, dia em que, supostamente, encontraram o menino.

Durante os festejos, os grupos saem caminhando pelas ruas das cidades, levando as bênçãos da criança anunciada para as pessoas que os recebem. É tradição que as famílias recebam os integrantes do grupo, para que deem e levem bênçãos por todo o trajeto. Eles passam de porta em porta, em busca de oferendas, que podem variar desde um prato de comida a uma simples xícara de café.

Simpatia das romãs

No Dia de Reis, 6 de janeiro, pegue uma romã e retire nove sementes pedindo aos magos Gaspar, Melchior e Baltazar, que nesse ano que se inicia você tenha muita saúde, amor, paz, dinheiro. Depois pegue três das nove sementes e guarde num saquinho, papel, o que der. Essas sementes ficarão dentro da carteira para nunca faltar dinheiro. As outras três você engole e as últimas três que sobraram você joga para trás fazendo o pedido que desejar. É infalível. Você pode não ficar rico, mas na sua carteira vai ter sempre algum dinheiro. Oba!

Principais personagens
  • Reis Magos: representam Gaspar (Índia), Melchior (Europa) e Baltazar (África), que presentearam Jesus com incenso, ouro e mirra.
  • Mestre (ou embaixador): responsável pela organização da festa.
  • Mestre-palhaço: responsável pela animação da festa, através de danças, saltos e brincadeiras.
  • Coro: canta as músicas, espécie de louvores e entoações de cânticos religiosos.
  • Bandeireiro: espécie de porta-bandeira da festa.
  • Festeiro: é em sua casa que geralmente ocorre a cerimônia da “tirada da bandeira”.
  • Banda musical: músicos uniformizados tocando violão, sanfona, zabumba, pandeiro, surdo, caixa, triângulo e flauta.

Alvorada
  • É o primeiro ato da folia, o início. É o momento em que o guia e seus acompanhantes passam as obrigações para cada pretendente. Desde os alferes até as cozinheiras. Na alvorada cantam-se todos os componentes da folia: a divindade, os participantes e os instrumentos.

Palhaço
  • Usando vestimentas colorida deve proteger o Menino Jesus confundindo os soldados de Herodes, sendo o seu jeito alegre e descontraído motivo de distração e divertimento do público.

Elementos que compõem a Folia de Reis
  • Altar: é o local mais sagrado, onde acontece a alvorada, a despedida, as ladainhas, pagamento de promessas etc.
  • Bandeira: é o símbolo de um povo e traz em si os seus signos e significados, sendo a bandeira o símbolo maior da folia.
  • Coroa: símbolo da realeza, na folia a coroa é confeccionada em cobre e encrustada com miçangas.
  • Alferes: responsável pela alvorada e entrega da bandeira ao novo pretendente, além da coroa e instrumentos.  É o festeiro- -peregrino que leva a palavra de Cristo de casa em casa.
  • Guia da folia: determina quem deverá fazer as obrigações, sendo a pessoa de reverência que aprendeu a guiar a folia com a geração passada e ensina a geração que virá.
  • Contra-guia: ajuda o guia no cumprimento das suas obrigações.
  • Regente: responsável pela organização dos foliões no giro e pouso da folia. Os foliões que não atendem às suas obrigações são multados pelo regente e pode até ser desligado da companhia.
  • Procurador: pessoa de respeito e honesta, responsável pelas oferendas dos devotos. Folião antigo, de destaque.
  • Violeiro: responsável pelos cantorias, saudações e rezas.  
  • Caixeiro: reúne os foliões que, ao som da caixa, são chamados para as suas obrigações. É a pessoa que acorda seus companheiros (uma brincadeira para os foliões).

 

LEIA MAIS

Ocupação durante as festas de fim de ano superou as expectativas dos empresários do setor

Enquanto alguns aprovam redução do movimento, outros criticam excesso de lojas e serviços que interrompem atividades

Dados da CDL e do Sincómercio são fundamentados nas consultas ao SPC

Publicidade
Agora Faz
TAGS: Natal