Feira de Olaria: possível mudança de local divide opiniões

Novo destino seria o pátio da Secretaria de Mobilidade Urbana
sábado, 02 de novembro de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)

 

Domingo é dia de feira em Olaria. E A VOZ DA SERRA voltou à maior feira livre da cidade para dar voz aos feirantes, moradores do bairro e consumidores. A polêmica sobre a mudança do local da feira que há mais de 50 anos acontece na Rua Manoel Lourenço Sobrinho – às quintas-feiras – e na Rua Presidente Vargas – aos domingos, voltou.

Apesar do martelo ainda não ter sido batido e haver opiniões distintas sobre o assunto, ao que tudo indica, em breve a prefeitura deverá transferir a feira livre de Olaria para o pátio da Secretaria de Ordem e Mobilidade Urbana (Smomu), na Rua Vicente Sobrinho.

Por um lado, há quem esteja do lado da prefeitura, como Walter Thile que mora há 40 anos em Olaria. Segundo ele, a mudança vai organizar melhor o espaço e desimpedir o trânsito na região. Walter também sugere que, caso a feira não vá para o pátio da Smomu, vá para outras rua menos movimentada.

“A feira é mais velha do que eu (risos). Frequento principalmente aos domingos em que a quantidade de barracas é maior. Acho uma ideia boa a feira ir para lá (pátio da Smomu), inclusive seria mais organizada, teria banheiro, as barraquinhas seriam padronizadas e com uma estrutura bem melhor do que aqui. Se decidirem que a feira deve ser na rua, então eu acho que deveriam utilizar as ruas transversais do bairro, para desimpedir a Presidente Vargas, que é uma das principais vias do bairro e é caminho utilizado por ambulâncias, polícia, bombeiros, em caso de emergência”, sugeriu.

As situações de emergência também são pontos importantes para o casal Dercílio e Maria Cenira Sinder. Idosos, o principal argumento deles para que a feira mude de local, se baseia na segurança e facilidade para que as viaturas possam transitar pelo bairro. Dona Cenira, por exemplo, já precisou ser atendida por uma ambulância, que foi impedida de chegar até a casa dela por conta do bloqueio da rua. O casal mora na Rua Manoel Lourenço Sobrinho.

“Eu estava passando mal e era dia de feira, precisei chamar uma ambulância e tive que ir andando, sem condições, até a esquina para entrar na ambulância. Se não tivesse a feira, o carro poderia ter estacionado em frente a nossa casa. O barulho também incomoda”, reclamou dona Cenira.

Do lado de quem é contra a mudança está Jair Rodrigues, feirante há 40 anos. Para Seu Jair, o espaço será pequeno. “A comunidade de Olaria depende dos feirantes que vem aqui para vender seus produtos a um preço acessível. Agora vem a prefeitura com a ideia de colocar a feira no pátio da Smomu, ali é um espaço limitado”, avalia.

Dono de um comércio na localidade, Celso Faustino, conhecido como Pezão, não vê problema na feira permanecer na localidade. De acordo com o comerciante, a conversa sobre a mudança é antiga, mas nunca saiu do papel. “Pelo que eu ouço falar dos feirantes, é mais viável a feira ser na rua, por conta do espaço que é maior. Para mim tanto faz, porque o meu comércio é local e não me atrapalha. Para mudar e ficar tudo imprensado, o pessoal não vai gostar. Se for para mudar, tem que ser para melhor. Vários prefeitos já falaram em melhorar, mas até agora nada. Não tem um banheiro químico, algo que deixe os cliente confortáveis”, reclama o comerciante.

Ainda de acordo com Celso, uma possível solução seria desapropriar o campo de futebol do Serrano F.C. e transformar o espaço na nova feira livre. “O campo só é usado pra pelada, tem se tornado uma área inútil. O espaço é grande e dá para estruturar bem”, sugeriu.

O que diz a prefeitura

Após diversas reuniões com a Associação dos Feirantes, o projeto do espaço multiuso está sendo finalizado pela Prefeitura de Nova Friburgo com as solicitações pertinentes.

 

LEIA MAIS

A pedido de moradores, temendo pela segurança, coreto foi retirado do local

Órgão de preservação do patrimônio solicitou alguns dias para emissão e formalização de um parecer

Assunto será a paralisação das obras de remodelação da antiga rodoviária urbana

Publicidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: obra