Falta d’água em Friburgo: Câmara cobra fiscalização

Documento gerado em audiência pública revela, segundo vereador, que desabastecimento chegou a durar 30 dias em alguns bairros
quarta-feira, 24 de outubro de 2018
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
A estação de tratamento de água de Debossa (Arquivo AVS)
A estação de tratamento de água de Debossa (Arquivo AVS)

A Câmara de Nova Friburgo começou a debater na última segunda-feira, 22, o desabastecimento causado por um problema na Estação de Tratamento de Água (ETA) de Debossan, que deixou vários bairros da cidade com o abastecimento comprometido na semana passada. No encontro, foi preparado um documento em que o Legislativo cobra da prefeitura o cumprimento de itens previstos no contrato de concessão com a Águas de Nova Friburgo.

De acordo com o vereador Professor Pierre (Psol), no documento é exigido ao governo que cobre da concessionária o plano de contingência para atender a população abastecida pela adutora de Debossan. Também foi exigida a aplicação de multa à empresa pela quebra da continuidade dos serviços, sob pena de o município ser acionado legalmente por omissão.

A prefeitura também deve solicitar à concessionária todos os protocolos acerca da falta de água por vários dias, chegando a 22 e 30 dias, em bairros como Cordoeira e Bela Vista, respectivamente, segundo o vereador Pierre. Segundo os vereadores, o governo tem ainda que cobrar da concessionária um plano para disposição de carros-pipa para assegurar a continuidade do serviço de fornecimento de água à população.

No documento, foi proposto que a revisão da tarifa residencial e comercial, realizada a cada quatro anos, seja feita preferencialmente por órgão público especializado, como as universidades UFRJ, UFF e USP, entre outros, ou seja, diversamente de instituição que já tenha prestado o serviço em oportunidade anterior.

A Câmara de Vereadores também cobra da Prefeitura de Nova Friburgo o cumprimento da Lei Orgânica municipal quanto ao estabelecimento de órgão de fiscalização das concessões com devida infraestrutura e recursos. Cobra ainda a aplicação de penalidades quanto às demais infrações e aos descumprimentos de atos que a empresa já deveria ter tomado.

Todos os termos do documento foram apresentados ao subsecretário municipal de Serviços Concedidos, Nader Pedro, que participou da audiência pública. O documento também será enviado, oficialmente, à prefeitura. A audiência ocorreu no plenário e contou com a participação de representantes da população que ficaram sem água e dos vereadores Johnny Maycon (Psol), Isaque Demani (MDB) e Luiz Carlos Neves (PP) e Zezinho do Caminhão (Psol).

A Águas de Nova Friburgo não enviou representante porque no mesmo dia o superintendente da concessionária, João Henrique Tebyriça de Sá, teve um compromisso agendado no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio. A continuação da audiência pública com a presença dele foi solicitada pela concessionária e, segundo a Câmara, remarcada para a próxima segunda-feira, 29, quando o assunto continuará em debate.

O que dizem a concessionária e a prefeitura

A interrupção do fornecimento de água em Nova Friburgo começou no dia 11 e se estendeu pela última semana, afetando cerca de 17 bairros. Em nota, a Águas de Nova Friburgo informou que o sistema de abastecimento foi retomado. Disse ainda que na audiência pública que será realizada no dia 29, o superintendente João Henrique de Sá fará a explicação do ocorrido no sistema da Estação de Tratamento de Água (ETA) Debossan no mês de outubro e, na ocasião, apresentará também o projeto de remodelação da ETA para solução dos problemas de tratamento durante os períodos de chuvas fortes.

Procurada, a prefeitura afirmou que o subsecretário de Serviços Públicos, Nader Pedro, esclareceu durante a sua participação na audiência pública que a prefeitura exigiu da concessionária a realização de obras de modernização na estação de tratamento do Debossan e a implantação de um plano de contingência que, inicialmente, pode incluir a utilização de uma estação móvel que possa manter o abastecimento de água à população nos períodos de chuvas fortes, entre outras medidas administrativas.

 

LEIA MAIS

Manutenção na rede elétrica interrompeu operação da maior estação de tratamento de água da cidade

Motivo é serviço de manutenção na Estação de Tratamento do Rio Grande de Cima

“As interrupções que ocorriam em períodos de chuvas torrenciais não irão mais acontecer”, garantiu superintendente de concessionária

Publicidade
TAGS: água