Estudantes vão plantar mudas para o projeto Vamos Florir

Parceria entre Colégio Municipal Ceffa Flores, Ibelga e Acianf visa a por em prática o que os alunos aprendem na teoria
sexta-feira, 30 de novembro de 2018
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)

Os alunos do Colégio Municipal Ceffa Flores de Nova Friburgo, em Vargem Alta, estiveram na última semana no horto municipal para conhecer a produção de flores envasadas. A visita guiada foi uma ação da Associação Comercial, Industrial e Agrícola do município (Acianf), para marcar a parceria com a instituição que resultará no plantio de mudas para o projeto “Vamos Florir”.

O Ceffa Flores é uma unidade de ensino da rede pública municipal, criada em 2002, junto ao Instituto Bélgica - Nova Friburgo (Ibelga), que oferece uma pedagogia de alternância do segundo segmento do ensino fundamental. A maioria dos alunos que frequentam a unidade são filhos de produtores rurais, que através da instituição recebem suporte de formação profissional voltado para o setor agrícola.

“O projeto Vamos Florir tem tudo a ver com esses alunos, que têm aulas na escola com esse viés de produção rural. Essa parceria é uma oportunidade de ampliar a parte prática da educação, promovendo o desafio de gerir um empreendimento desde o plantio até a venda, e também uma forma encontrada pela Acianf de fomentar o Ibelga, considerando que a instituição precisa de recursos para dar continuidade aos cursos de extensão e profissionalizantes”, conta o presidente da Acianf, Júlio Cordeiro, que guiou os alunos no passeio.

Com a parceria, as mudas usadas no projeto Vamos Florir serão adquiridas do horto municipal e do Ceffa Flores. O projeto é uma ação da Acianf com a Prefeitura de Nova Friburgo, por meio da Secretaria Municipal de Serviços Públicos, que teve início em maio e visa a revitalização das praças e áreas de lazer do município com o plantio de flores e plantas ornamentais.

“Os recursos adquiridos na comercialização dessas mudas será todo voltado para melhoria e manutenção da estrutura do colégio. Nossa primeira ação será transformar a estufa que temos na unidade em um viveiro. Esse é um investimento que volta em forma de benefícios para os alunos. Com esse dinheiro vamos poder contratar mais oficinais, manter os professores e até colaborar com a formatura das turmas. Esperamos conseguir outras parcerias, com demais instituições locais e ampliar cada vez mais esse projeto”, afirma a professora de agricultura, Camila Porto, que junto com os docentes Maria Clara Estoducto e Gabriel Violento, acompanharam a comitiva de 23 alunos.

Do plantio à venda, produção de flores será responsabilidade de todos os alunos

Tudo o que é aprendido na teoria pelos mais de 80 alunos do Ceffa Flores será colocado em prática. Segundo os professores, a estruturação do plantio de flores envasadas será de acordo com a série cursada pelos alunos, por exemplo, os estudantes do 6º ano, que estão começando as aulas de produção agrícola, cuidarão da parte de compostagem, preparação das mudas, entre outras tarefas, enquanto os do 7º e do 8º ano, tratarão de questões mais específicas, como manejo, controle de doenças e pragas. Já o 9º ano será responsável pela parte administrativa, já que eles estão na fase de desenvolvimento de um empreendimento.

“Dentro do conteúdo programático das disciplinas já se faz essa divisão. Nos anos iniciais os alunos aprendem sobre o solo e conforme as séries vão passando, são abordados temas mais específicos. O pós-colheita, por exemplo, faz parte da aprendizagem do 7º e 8º ano. E dentro das disciplinas do 9º ano está a questão administrativa, mais profissional. Os estudantes aprendem matemática financeira, planejamento de um negócio e tem como avaliação a criação de um empreendimento. Essa produção de flores será uma ferramenta prática no desenvolvimento da educação”, afirma Camila.

“Os professores estão entusiasmados em trabalhar esse planejamento junto com os alunos. Porque não é só plantar, é também colher, vender, receber e manter para começar o ciclo novamente. Nossa ideia é auxiliar nesse início da produção e depois deixar que os alunos, junto com o Ibelga, caminhem sozinhos, deem continuidade ao negócio e que este prospere”, destaca o presidente da Acianf.

Flores serão usadas no projeto de revitalização e vendidas para a população

Além de usar as mudas produzidas pelos alunos na revitalização dos canteiros da cidade, a Acianf também planeja montar um quiosque, na Avenida Alberto Braune, para comercialização das flores. Segundo Júlio Cordeiro, a instalação do equipamento já foi solicitada à prefeitura, que aprovou a ideia. No entanto, ainda não há previsão sobre quando o quiosque será construído, mas sua localização já está definida: próximo à sede da Acianf.

De acordo com o presidente da associação, o local funcionará como um polo de informações turísticas e comercialização de produtos locais: “Pretendemos reunir neste quiosque produtos daqui do município, como cervejas, flores, morangos. Fornecer informações do produtor, estreitar esses laços”, diz Júlio.

Visita terminou com abraço simbólico ao chalet e visita guiada no Country Clube

Como além de presidente da Acianf, Júlio Cordeiro é também um dos diretores do Nova Friburgo Country Clube, ele aproveitou a visita dos alunos para levá-los a conhecer o espaço, que é tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. No clube, eles fizeram uma breve visita, guiada pela historiadora Vanessa Melnixenco.

“Foi muito interessante receber estudantes que se dedicam ao aprendizado da agronomia, do paisagismo. Aproveitei para destacar as características do jardim romântico, que foi projetado pelo paisagista francês Glaziou, e também do jardim francês, que é o tipo que emprega mais flores no paisagismo. Percebi que eles ficaram muito interessados nestas questões teóricas e também observaram com muita atenção sobre as árvores que temos plantadas aqui”, ressalta Vanessa.

Os alunos também se reuniram nas escadarias da Chácara do Chalet, patrimônio histórico de Nova Friburgo que está sendo recuperado: “Esse é um gesto simbólico para a nossa campanha de recuperação de um bem tão importante para a cidade. Faz parte da educação deles a questão da preservação ambiental e aqui eles podem compreender que preservar o patrimônio também é importante”, diz Júlio. Depois do clube, os alunos ainda visitaram a prefeitura e a Praça do Suspiro, um dos primeiros locais onde foi implantado o projeto “Vamos Florir”.

 

LEIA MAIS

Intervenção é continuidade do trabalho iniciado em setembro pela prefeitura

População quer que futuro governador se comprometa a reiniciar e finalizar projeto

Clube espera iniciar recuperação do interior do imóvel com recursos da campanha lançada para sócios e não-sócios

  • Durante a visita, os alunos puderam conhecer e apreciar a beleza da fauna e flora dos jardins do NFFC (Fotos: Henrique Pinheiro)

    Durante a visita, os alunos puderam conhecer e apreciar a beleza da fauna e flora dos jardins do NFFC (Fotos: Henrique Pinheiro)

Publicidade
TAGS: obra