Estrela do Mar bate o Corujão nos pênaltis e fatura a Supercopa SAF

Time de São Pedro da Serra levanta sua primeira taça no maior torneio friburguense do futebol amador
terça-feira, 16 de julho de 2019
por Vinicius Gastin (esportes@avozdaserra.com.br)
Festa no sétimo distrito: Estrela levanta a primeira Supercopa de sua história
Festa no sétimo distrito: Estrela levanta a primeira Supercopa de sua história

Os times já estavam perfilados para a execução do hino nacional e Webyster ainda ajeitava meiões, luvas e acessórios. O carro com o qual foi até a decisão teve problemas na viagem entre São Sebastião do Alto e Nova Friburgo e por muito pouco o goleiro não entraria em campo. Mas ele teve estrela e contribuiu de forma decisiva para que o time que carrega este mesmo símbolo no lado esquerdo do peito pudesse brilhar mais forte na Supercopa SAF de futebol amador.

Após o empate por 2 a 2 no tempo normal, o Estrela do Mar bateu o Corujão, nos pênaltis, pelo placar de 3 a 2. Webyster defendeu três cobranças, e fez explodir em azul e branco a maioria das arquibancadas do estádio Márcio Branco, no Stucky. Centenas de pessoas compareceram à final na tarde do último domingo, 14, e puderam assistir ao primeiro título do time do sétimo distrito na história da competição.

“Essa conquista premiou o esforço e a garra da equipe até o final. Deus me abençoou para que eu pudesse pegar três pênaltis. Eu fico olhando para o pé do batedor até o final, esse é o segredo. Esse foi o meu primeiro ano de Supercopa, e já sendo campeão. Isso abre várias portas pra gente”, destaca o goleiro, natural de São Sebastião do Alto.

Levou a taça o time que mais teve coração durante as fases decisivas da Supercopa. O clube que conseguiu montar o elenco a partir do investimento de cada apaixonado, pouco a pouco, até fechar a conta do título. O Estrela merece a taça, e o Corujão todo o mérito e respeito. Das sete decisões da competição, esteve em cinco e levou três. É gigante como Nazareth. Ganha o Estrela, mas vence toda Nova Friburgo.

A decisão

Qual a fórmula ideal para vencer uma decisão? A tática perfeita, o coração mais forte, a força de vontade maior, a inspiração. O time mais valente ou eficiente? O que erra menos ou que consegue, dentro das adversidades, encontrar forças para reagir? Se não há uma regra para se ganhar uma partida final, talvez as respostas para algumas das perguntas acima a contar a história de um time campeão.

Ao contrário do que havia acontecido na semifinal, o Estrela do Mar não teve que correr atrás do prejuízo no primeiro momento. Isso porque o gol de Alef, logo no começo de partida, após cobrança de escanteio, deu ao time de São Pedro da Serra a vantagem que todo time sonha. E obrigou o Corujão a buscar alternativas para reagir. Nada complicado para um time frio, acostumado às decisões e repleto de jogadores tarimbados.

Foram esses jogadores que fizeram a diferença: o empate veio na cobrança de falta de Daniel, surpreendendo o goleiro Webyster. Pouco depois, o gol da virada a partir da jogada de Ricardinho. Lenilson tentou o chute, e a bola sobrou limpa para Marcinho empurrar para as redes.

O Estrela sentiu os dois gols do Corujão, mas não desistiu. A bola alta sempre perigosa do time do sétimo distrito foi decisiva no último lance do primeiro tempo, quando Luiz Humberto, o Bregueth, apareceu para completar o cruzamento e igualar novamente o marcador. Foi o sétimo gol do atacante, artilheiro da edição deste ano da Supercopa.

O segundo tempo foi tenso, aberto, e os dois times produziram alguns lances de perigo no ataque. Na metade final, o Estrela do Mar parecia mais encaixado e fisicamente superior, mas a defesa do Corujão se manteve firme.

Jogadores como Sérgio Gomes, Daniel e Lenilson já haviam deixado o campo, numa clara demonstração de que a ideia do time de Olaria era tentar resolver no tempo normal, abrindo mão de possíveis cobradores de pênaltis. Já a equipe da zona rural manteve as principais peças, e continuou dando trabalho com a movimentação de Luis Felipe, as descidas de Yago e a dupla Bruno e Bregueth. Nada suficiente para que o terceiro gol de alguma equipe pudesse pintar.

Na disputa por pênaltis, o Estrela cobrou o primeiro, na trave, mas Webyster também brilhou e pegou a primeira cobrança do Corujão. O time do sétimo distrito balançou as redes na sequência, e o goleiro garantiu a vantagem. Felipe defendeu o terceiro pênalti e a equipe de Olaria converteu, empatando novamente a série.

Os dois times foram às redes na quarta cobrança, e na quinta, Bruno fez para o Estrela. Foi então que Webyster cresceu mais uma vez, defendeu sua terceira cobrança e garantiu o primeiro troféu de Supercopa SAF da história do Estrela do Mar.

Além da artilharia, com Bregueth, o time campeão também teve o meia Luís Felipe eleito a revelação do torneio, e Alef considerado o craque da final. O goleiro do São Pedro foi o menos vazado da competição.

 

Raio-x do campeão

Jogos: 7

Vitórias: 2

Derrotas: 1

Empates: 4

Gols pró: 22

Gols contra: 11

 

A campanha

Estrela do Mar 2 x 2 Unidos do Alto

Estrela do Mar 2 x 3 Vargem Alta

SB City 0 x 8 Estrela do Mar

Amparo 2 x 6 Estrela do Mar

Estrela do Mar 0 x 0 São Luiz

Estrela do Mar 2 x 2 São Pedro

Estrela do Mar 2 x 2 Corujão

 

Finais da Supercopa

2013 - Corujão 2 x 2 Vargem Alta

2014 - Corujão 1 x 2 Vargem Alta

2015 - Corujão 3 x 2 Vargem Alta

2016 - Vargem Alta 3 x 0 Tio Dongo

2017 - Unidos do Alto 1 x 0 São Lourenço

2018 - Corujão 2 x 0 Estrela do Mar

2019 – Corujão 2 x 2 Estrela do Mar

Campeões da Supercopa

2013 - Corujão

2014 - Vargem Alta

2015 - Corujão

2016 - Vargem Alta

2017 - Unidos do Alto

2018 - Corujão

2019 – Estrela do Mar

 

Publicidade
TAGS: