Estrada Velha do Amparo tem travessia cada vez mais difícil

Alunos não conseguem chegar à escola por conta do estrago das chuvas na via, que está com trechos intransitáveis
quarta-feira, 14 de março de 2018
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Foto de capa
A situação na Estrada Velha do Amparo após as chuvas: só jipe passa (Fotos: Henrique Pinheiro)

Com a missão de dar voz a quem vem clamando já há algum tempo por melhorias na Estrada Velha do Amparo, a equipe de A VOZ DA SERRA foi até a localidade de Toledo para conferir as queixas dos moradores que procuraram a redação do jornal para denunciar o drama enfrentado para sair e chegar em casa. O acesso à localidade é através da Estrada Eugênio Gripp, a conhecida Estrada Velha do Amparo. Com as chuvas das últimas semanas o que já era ruim, piorou. E muito. Para os moradores, “Tá seco, tá ótimo. Choveu, lascou”.

Não foi preciso andar nem 50 metros para se ter uma noção do que nos esperaria mais à frente, ao longo da estrada. Logo de cara nos deparamos com uma poça de lama e tijolos largados no meio da pista. Assim que paramos o carro de reportagem para fazer o registro do primeiro obstáculo o motorista de outro veículo que passava pelo local nos abordou e fez queixas pesadas contra os maus tratos e o abandono que aquela região vem sofrendo nos últimos anos.

Logo em seguida mais dois carros passaram pela nossa equipe, um 4x4 e uma off road. Era um alerta de que as pedras que iríamos encontrar pelo caminho seriam bem grandes. Mais a frente nos deparamos com a moradora Fátima Manhães que estava indignada. “O poder público não tem feito nada. Já entramos em contato com a Secretaria de Obras e o material para melhorias na estrada foi enviado, mas ficou jogado no canto da estrada. Nada foi feito até agora”, observa ela.

Por conta das chuvas, algumas linhas de ônibus tiveram seu itinerário alterado e isso tem prejudicado crianças que estudam no distrito de Amparo. “O que mais dói é saber que o ônibus de Vargem Alta, que passa pelo Circuito Ponte Branca não vem mais até aqui. Muitos estudantes pegavam o ônibus em Ponte Branca e agora estão sem poder ir para escola devido aos buracos na estrada. Buraco tem em qualquer lugar e mesmo assim tem ônibus passando. Por que ninguém vem aqui resolver esse problema?”, revolta-se a moradora.

Mais à frente chegamos ao centro de Toledo. Por lá, a frase mais ouvida pela nossa equipe era “Vai ali na frente para você ver como está a situação”. Fomos e realmente constatamos que a situação é crítica. Em um trecho da estrada uma barreira caiu e interditou mais da metade da pista. Os motoristas que se arriscam tem que invadir o mato para poder passar pelo local. Um pouco adiante um lamaçal digno de uma prova de rally.

Nossa equipe não conseguiu prosseguir de carro. Paramos o veículo e fomos a pé. A estrada está completamente destruída. Em nota, a prefeitura, através da Secretaria de Obras, informou que está ciente dos problemas apontados no bairro Toledo e que por causa das frequentes chuvas está inviável realizar algum tipo de intervenção no local. Contudo, com a previsão de melhora das condições climáticas, a previsão é que na próxima semana sejam iniciadas lá as ações necessárias para recuperação da estrada.

A Câmara Municipal também foi acionada pelos moradores que apelaram ao vereador Aylter Maguila (PMDB) que, ontem, 13, informou que o maquinário que seria utilizado para melhoria da estrada no trecho de Toledo encontra-se em Macaé de Cima, também atingidas pelas chuvas. Segundo o vereador, a barreira em Toledo deve ser removida ainda hoje, 14.

 

LEIA MAIS

Espaços, num total de 50 em Friburgo, poderão ser ocupados por qualquer motorista, até 20 minutos e com pisca-alerta ligado

Objetivo de programa baseado na Federação Internacional de Automobilismo é reduzir em 50% mortalidade no trânsito em 10 anos

Coletivos não param mais no Km 5,5 da RJ-142

Publicidade
TAGS: Trânsito | Chuva | Clima