Escola de Mury interditada pode ter muro construído e voltar a funcionar

Assunto foi discutido em audiência na Câmara Municipal com participação das secretarias de Obras, Educação e Defesa Civil
terça-feira, 14 de maio de 2019
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
O público participante da audiência
O público participante da audiência

A audiência pública realizada na Câmara de Vereadores de Nova Friburgo na semana passada, sobre a interdição da Escola Municipal Maximilian Falck, no distrito de Mury, levantou a possibilidade de ser construído um muro de contenção no local para restabelecer o funcionamento da unidade escolar. Segundo o vereador que propôs a discussão no plenário, Wellington Moreira (MDB), a participação na audiência dos secretários de Obras e Defesa Civil, que colocaram em pauta a realização da obra, foi bem recebida pelos participantes, já que todos desejam que a escola volte a funcionar naquele espaço.

“As pessoas foram para a reunião com cartazes pedindo que a escola seja mantida. Contamos também com a presença do secretário de Educação, Igor Pinto, que falou sobre o planejamento da prefeitura para construir uma nova unidade escolar, mas existe toda uma questão de tradição, como pais que estudaram quando crianças na Maximilian Falck e agora desejam que seus filhos também tenham a oportunidade de estudar lá”, contou o vereador.

Ainda de acordo com Wellington Moreira, o relatório informado pelos secretários de Obras e Defesa Civil, que relataram os riscos encontrados no local, assim como a ideia da construção de uma contenção, era a resposta esperada. Ele explica que, a estimativa de R$ 1 milhão para realização da obra talvez permita uma maior economia para o município do que a construção de uma nova escola.

“O relatório em si não foi apresentado como gostaríamos, mas os secretários Jeferson Aragão (Obras) e o coronel João Paulo Mori (Defesa Civil) explicaram a situação e deram o parecer favorável à contenção. Tivemos relato de um morador próximo ao local onde está construída a unidade sobre uma contenção feita em seu terreno e isso nos traz uma certa esperança de que a escola possa ser protegida”, diz Wellington.

Câmara vai aguardar posicionamento da prefeitura por um mês

Os participantes da audiência pública decidiram conceder o prazo de um mês para que a Prefeitura de Nova Friburgo se posicione sobre a questão da contenção: “Solicitamos aos secretários que passassem as informações ao Executivo e estabelecemos que vamos aguardar até o dia 6 de junho para saber qual foi a decisão, se existe a possibilidade da obra ou se eles vão manter o projeto de construção de uma nova escola. Reforçamos que o desejo dos moradores é de que a escola permaneça no mesmo local ”, informou o vereador.

O secretário municipal de Obras, Jeferson Aragão, reiterou em nota que “são necessárias outras intervenções técnicas de engenharia e não somente a construção de um muro de contenção para estabilizar a encosta da Escola Municipal Maximilian Falck”.

Segundo o secretário, é necessário um estudo mais detalhado para garantir a segurança da escola. “Isso inclui serviços de drenagem, proteção de talude com concreto projetado, sondagem do solo e levantamento topográfico, entre outros”, informou Jeferson. É uma obra com alto valor de execução estimado, contudo, é necessária a realização do projeto, constando todos os serviços apontados para mensurar o custo real da obra”, completou Aragão.

Escola está interditada desde dezembro de 2018

A Escola Maximilian Falck foi interditada em dezembro do ano passado. Segundo a prefeitura, após vistorias da Defesa Civil e das secretarias de Meio Ambiente e Educação, foi decidida a interdição e a realocação dos alunos da unidade devido aos riscos encontrados.

A avaliação foi feita pela gerência de Geomática da Secretaria Municipal de Meio Ambiente: “Após visita de campo e uso do manual de mapeamento a movimentos gravitacionais de massa, a área mapeada foi considerada como de perigo crítico a deslizamento planar, conferindo um risco alto à escola. Com base neste laudo, prezando pela segurança dos alunos, a Secretaria de Educação transferiu os alunos para o Colégio Estadual Padre Franca, que passou a funcionar com gestão compartilhada”, informou anteriormente a prefeitura em nota.

Ainda de acordo com a prefeitura, os alunos foram alocados no Padre França de forma efetiva e estão sendo beneficiados por um serviço de transporte gratuito para os alunos que embarcam em frente a Maximilian Falck e ao término do turno escolar retornam para o mesmo local. A prefeitura informou ainda que está avaliando um terreno nas proximidades para a construção de uma nova escola.

LEIA MAIS

A VOZ DA SERRA mostrou em junho que motoristas trafegavam na estrada a 20 km/h para não danificar os veículos

“As interrupções que ocorriam em períodos de chuvas torrenciais não irão mais acontecer”, garantiu superintendente de concessionária

Prefeitura não reconhece representatividade do Sepe. Sindicato contesta e tem até 10 dias para apresentar defesa ao TRT

Publicidade
TAGS: Educação | obra