Emocionantes reencontros

Famílias inteiras e primos que nunca se viram trocam vivas e choros de emoção
sábado, 16 de fevereiro de 2019
por Girlan Guilland (girlan.guilland@gmail.com)
Emocionantes reencontros

Os anos de 1977 e 1981 - quando aconteceram os dois primeiros encontros suíço-brasileiros, respectivamente, no Brasil e na Suíça - foram marcos significativos de muita emoção. Não que os demais encontros não tenham repetido o roteiro de grande enlevo.

O sentimento se tornou marca registrada do movimento. A cada evento choro e lágrimas de primos distantes, que nunca se viram, nem mesmo falavam o mesmo idioma, mas acabaram se reencontrando. Nos desfiles e festas de confraternização, sempre regados a muita música, comidas e bebidas, sem faltar, a tradicional e tão brasileira caipirinha, indispensável para temperar cada momento de tamanho encantamento.

Se nenhum outro ganho tivesse sido auferido - desde o resgate das raízes de ambos os povos, além da construção da Queijaria Suíça (1987), do Memorial da Colonização e da Chocolataria Escola (1996) e outras contribuições dos suíços a escolas e instituições locais - certamente a maior conquista terá sido a satisfação de tantos parentes em rever pessoas tão próximas, quanto ao mesmo tempo distantes, que o próprio tempo e a história separaram, mas o destino as reuniu.

Outubro de 2009. Na Praça do Suspiro, um desses momentos ficaria impregnado na retina: terminava o encontro, 331 suíços participaram do evento, cuja tema ‘Ver 200 ans’ (Rumo aos 200 anos), antecipava o bicentenário e celebrava, então, os 30 anos da Associação Fribourg - Nova Friburgo, AFNF.

Com seu inseparável chapéu Panamá em punho, acenando aos ônibus que retornavam com os visitantes para embarque no Rio, o então prefeito Heródoto Bento de Mello, feliz e emocionado, respirava com alívio por mais aquele êxito.

Certamente, seus pensamentos reproduziam um filme, desde abril de 1981, ao chefiar a primeira delegação de friburguenses na Suíça para retribuir a visita de 1977. Ele sempre dizia que aquela fora a mais difícil missão de sua vida: substituir o irmão na empreitada, pois Ariosto falecera enfartado cinco meses antes, em 19 de novembro de 1980.

Curiosamente, no ano seguinte ao sexto encontro, o ex-prefeito viajou à Suíça como desdobramento da ligação entre as cidades gêmeas. Foi o seu desfecho político: vítima de um tombo na estação ferroviária de Lausanne, não pode completar seu quarto mandato e nem mesmo ver os festejos de 16 de maio do ano passado, tendo falecido 15 dias antes do acontecimento, depois de estar morando fora da cidade há oito anos.

 

LEIA MAIS

Atletas refizeram parte do caminho pecorrido a pé pelos primeiros colonos suíços

No mesmo dia também será realizada a 4ª edição do Route MTB, tradicional competição de mountain bike em homenagem à colonização suíça

Programação começa às 10h, com hasteamento de bandeiras na Praça das Colônias; às 21h, haverá Cortejo de Lanternas

Publicidade
TAGS: 200 anos