Em Friburgo, veículo rebocado só é liberado em dias úteis

Turistas que tiveram carros guinchados na cidade se queixam da falta de atendimento na Smomu nos fins de semana
segunda-feira, 05 de agosto de 2019
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Em Friburgo, veículo rebocado só é liberado em dias úteis

Do alto do Teleférico, a turista carioca Márcia Chagas levou um susto ao olhar para baixo e não ver o carro que o marido dela havia estacionado na Praça do Suspiro durante uma visita do casal a Nova Friburgo em junho. O veículo, alugado, tinha sido rebocado por agentes da Secretaria Municipal de Ordem e Mobilidade Urbana (Smomu). Era um sábado e, como o pátio do órgão de trânsito em Olaria só funciona nos fins de semana para receber veículos rebocados - e não para liberá-los -, a família só conseguiu reaver o veículo na segunda-feira. A família cancelou o plano de visitar pontos turísticos da cidade e, de quebra, teve um prejuízo de R$ 1.500.

“Paramos o carro na praça. Não vimos a placa de que é proibido estacionar ali. Como haviam outros carros no local, não nos preocupamos. Fomos almoçar em um restaurante próximo e, depois, decidimos andar no Teleférico. Lá de cima não víamos mais o carro. Voltamos e tivemos a surpresa: um rapaz nos contou que o veículo havia sido rebocado pelo guincho”, contou a gestora de Recursos Humanos.  

Somente com a roupa do corpo, o casal, junto com a filha de 8 anos, embarcou em um táxi e seguiu até o pátio da Smomu para recuperar o veículo, mas tiveram outra surpresa: não havia ninguém que pudesse liberar o carro, somente um segurança fazia a guarda dos veículos. “Ele deixou que pegássemos as malas, mas, mesmo dispostos a pagar todas as taxas necessárias, não conseguimos reaver o veículo naquele dia. Passamos um transtorno imensurável. Não conhecíamos a cidade”, afirmou a turista. 

Com as malas em mãos, a família seguiu de táxi para o hotel e cancelou os passeios que planejavam fazer em Friburgo. “Estávamos exaustos devido ao transtorno. Queríamos visitar o Jardim do Nêgo (na RJ-130, em Campo do Coelho), mas desistimos porque não dava para chegar lá sem carro. Queríamos jantar em um restaurante legal, mas sem carro não dava. Fomos somente a um shopping no Centro. No domingo, 16 de junho, tivemos que voltar com urgência para o Rio, de ônibus, e deixamos o carro na cidade. O veículo foi retirado do pátio por um funcionário da locadora que veio do Rio só para isso. Tivemos que pagar R$ 1.500 por todo o serviço”.  

Foi a primeira vez do marido e da filha de Márcia na cidade. Ela já havia vindo outras vezes. “Não questiono nosso erro, pois paramos em local proibido. Infelizmente, não vimos a placa de proibido estacionar. Mas como viram que o carro era de uma locadora, e com placa de outra cidade, deveriam ter considerado somente multar. Aí eu pergunto: por que há gente para rebocar no fim de semana, mas não para devolver o carro? Fiquei decepcionada com a atitude”, desabafou ela.

Em julho, durante o Festival Sesc de Inverno, que elevou a ocupação hoteleira da cidade a quase 100%, outra família carioca passou por situação semelhante à de Márcia. O assistente operacional Alessandro Ferreira da Silva veio curtir o frio com a esposa, o sogro, a sogra, o filho e o cachorro em Friburgo. Hospedados em uma pousada no distrito de Mury, no sábado, 20, vieram ao Centro da cidade e estacionaram o carro próximo à Praça do Suspiro. Quando voltaram, o veículo não estava mais lá. 

“Eu não sabia que não podia estacionar no local. Vi um carro saindo da vaga, então, coloquei o meu no mesmo lugar”, contou Alessandro. “Pedimos ajuda a funcionários da pousada onde nos hospedamos, mas, como era sábado, não conseguimos retirar carro do pátio. Voltamos para a pousada e passamos o restante do fim de semana em Mury. Cancelamos passeios. Perdemos, inclusive, o show do Cidade Negra, que queríamos assistir (no Festival de Inverno, na Praça do Suspiro)”, disse o turista.

Os sogros de Alessandro retornaram ao Rio no domingo, mas o casal ficou na cidade mais um dia para retirar o carro do pátio. O sócio da pousada onde família ficou hospedada, Roberto Monteiro, foi solidário ao casal e não cobrou a diária extra. “Na segunda, levei os dois ao Detran para emissão do Nada Consta e depois fomos ao pátio da Smomu. Pagaram as taxas e tiraram o veículo”, contou. Para o empresário, situações como essa prejudicam o turismo na cidade. “Eles provavelmente não voltarão ao município tão cedo. Uma cidade turística precisa estar mais bem preparada para receber visitas. O pátio deveria funcionar todos os dias, como ocorre em outras cidades”, disse Roberto.  

120 veículos por mês

No Rio de Janeiro, por exemplo, o depósito de veículos rebocados funciona todos os dias, incluindo sábados, domingos e feriados, das 8h às 17h. Já em Nova Friburgo, o pátio da Smomu, na Rua Vicente Sobrinho, 80, em Olaria, atende proprietários de veículos de segunda a sexta-feira, de 9h às 17h, e aos sábados, de 9h às 12h. Segundo a Prefeitura de Nova Friburgo, cerca de 120 veículos são removidos das ruas da cidade por alguma infração de trânsito todo mês. 

Para retirar o veículo do depósito, o proprietário precisa pagar multa de R$ 176, apresentar carteira de motorista e o documento do carro e também a Certidão de Nada Consta de Infração de Trânsito junto ao Detran. Deve ainda pagar diária pelo dias em que o veículo ficou no pátio. O valor não foi informado. “A Secretaria de Ordem e Mobilidade Urbana (Smomu) só realiza o reboque em casos de não identificação do dono e quando o veículo está parado em locais inapropriados, muitas vezes causando transtorno e impedindo fluidez do trânsito”, disse a prefeitura em nota.

 

LEIA MAIS

Instalação de proteção ao longo de trecho de 300 metros não evitou acidente

Secretaria de Mobilidade Urbana avisa que vai intensificar fiscalização

Operação vai das 9h até a meia-noite, para rodar o filme “O Jardim Secreto de Mariana”

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: Trânsito