Em Friburgo, só 1% dos 151 mil eleitores já baixou o aplicativo e-Título

Documento digital substitui documento de papel e, para quem tem biometria, serve como identificação na hora de votar
sábado, 23 de junho de 2018
por Paula Valviesse
Foto de capa
O aplicativo fornece o documento digital (Foto: Reprodução TRE-SP)

Em dezembro de 2017 a Justiça Eleitoral lançou o aplicativo e-Título, que permite ao eleitor o acesso à via digital do documento através de smartphones (iOS ou Android) e tablets. Apesar disso, a quatro meses das eleições,  do total de 151.918 eleitores em Nova Friburgo, só 1.592 já baixaram o aplicativo (1,05% da população votante), segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Para as eleições de outubro, o programa pode ser instalado a qualquer momento, até mesmo no dia da eleição, a tempo de se usar o título digital na hora de votar.

Apesar do baixo percentual de usuários na cidade, em dados gerais os números são otimistas. Segundo o TSE, no Estado do Rio já foram feitos 264.138 downloads, sendo cerca de 141 mil por pessoas com cadastro biométrico. No âmbito nacional são 3.943.146 de usuários. A expectativa da Justiça Eleitoral é que a facilidade de acesso ao programa, benefícios como o uso de um único documento na hora de votar (para quem tem cadastro biométrico) e o acesso rápido aos dados eleitorais, sem problemas com emissão de segundas vias por perda ou dano ao título de papel, incentivem a utilização do e-Título. Além da comodidade, existe ainda a previsão de que iniciativa agilize o processo eleitoral e traga economia com relação à diminuição da emissão do documento em papel.

Disponível no Google Play e na Apple Store, o e-Título é um aplicativo pequeno (12,88 MB) e simples de usar. Para gerar o documento digital, primeiro o eleitor deve preencher um cadastro, com nome, data de nascimento, número de inscrição do título de eleitor e nome completo dos pais. O programa dá, inclusive, a opção de deixar o campo com o nome dos pais em branco, para casos específicos onde a informação não conste do registro de nascimento.

Sobre o preenchimento, a Justiça Eleitoral ressalta que é fundamental que os dados sejam informados exatamente como estão registrados no Cadastro Eleitoral, caso contrário haverá discordância nas informações, não sendo possível a validação do cadastro. E o uso não se limita a votação: o e-Título traz informações sobre data do pleito e o domicílio eleitoral, mas também permite também a emissão de certidão de quitação eleitoral e de certidões de crimes eleitorais. Os documentos são gerados por meio de um QR Code, que é um código com alta capacidade de armazenamento de dados e que pode ser acessado por celulares, com a câmera, e outros aparelhos com leitor de código bidimensional.

Biometria

Para quem realizou o cadastro biométrico, a apresentação de um documento de identificação junto com o e-Título não é necessária. Basta levar o dispositivo móvel com o documento digital para votar. Em Nova Friburgo, por exemplo, 9,45% dos eleitores podem usar apenas a via digital, que, para quem é cadastrado, já vem com foto. Mesmo quem não cadastrou as digitais pode usar o aplicativo: basta levar junto, no dia da votação, um documento oficial com foto.

O prazo para os eleitores realizarem o cadastro biométrico, ainda não obrigatório em Nova Friburgo, terminou no último dia 9 de maio e será retomado a partir de 5 de novembro. Vale lembrar que as eleições gerais deste ano acontecerão nos dias 7 de outubro (1º turno) e 28 de outubro (2º turno).

LEIA MAIS

Batista foi condenado por abuso de poder político em posto de saúde

Niteroiense tem estreitos laços com Nova Friburgo, de onde vem sua família

Total de aptos a votar subiu de 149 mil para 152 mil desde as últimas eleições; perfil foi divulgado pelo TSE

Publicidade
TAGS: eleições