Em busca do tri, Imperatriz contará história de Dandara, mulher de Zumbi

De Conselheiro para Olaria, carnavalesco Juan Diniz confere os últimos detalhes no barracão
terça-feira, 26 de fevereiro de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)

Atual bicampeã do carnaval friburguense, a vermelho e branco vem que vem em busca do tricampeonato. Uma das mais vitoriosas e tradicionais escolas de samba da cidade promete defender o título com muita garra.

No barracão da escola estão em andamento os últimos preparativos para o grande dia. A VOZ DA SERRA fez uma visita rápida guiada pelo carnavalesco Juan Diniz, de 34 anos, que no ano passado assinou o carnaval do Alunos do Samba, e agora tem a responsabilidade de manter a Imperatriz no topo.

“A Imperatriz é uma escola que sabe desfilar, tem motivação, tem uma comunidade atuante e que apoia, e está bem preparada para a edição deste ano”, disse o carnavalesco.

Em 2019, a Imperatriz vai contar a história de Dandara, mulher de Zumbi. “Vendo seu sofrimento, agonia e dor, a escola quis mostrar que não só Zumbi era uma pessoa forte e valente para comandar o Quilombo de Palmares, mas que Dandara, sua mulher, teve uma participação muito forte. Criamos uma utopia no desenvolvimento de mostrar sua ancestralidade para o desenvolvimento do desfile, dentro da sua religião, crença, arte e cultura, da África trazida para o Brasil”.

Manter-se no topo é complicado, afirma Juan, mas mesmo em meio a dificuldades, a agremiação está preparada. O carnavalesco diz que o desafio é o principal combustível para um bom trabalho e que, se não fosse difícil não seria prazeroso.

“Ganhar talvez seja fácil, manter o título é que é complicado. Nós estamos preparados para desfilar e ir em busca do tri. Temos total apoio da diretoria e dos segmentos da escola. O bom disso tudo é a correria e dificuldade. Se fosse tudo fácil não teria graça. Sem o desafio de fazer algo impecável não teria motivação e não seria prazeroso. Cada ano a emoção é diferente. Já passei por algumas escolas de samba aqui de Friburgo e sempre aprendi muito. Cada desfile, cada pessoa com quem a gente convive, vale a pena”, ressaltou.

Juan conta que seu começo no carnaval friburguense veio através de Elói Machado, figura conhecida e querida pela comunidade carnavalesca da cidade.  Estar na Imperatriz de Olaria, segundo Juan, é o reconhecimento de um trabalho bem feito em anos anteriores.

“A Alunos do Samba foi uma escola muito importante na minha carreira. Estava lá no ano passado e hoje, defender a Imperatriz, tentar o tricampeonato, é o reconhecimento de que o trabalho feito anteriormente foi valorizado”.

Ficha Técnica

G.R.E.S. Imperatriz de Olaria

Fundação: 29/03/1976

Cores: vermelho e branco

Símbolo: Coroa

Presidente: Humberto Damasceno

Diretor de carnaval: Carlos Augusto Veiga Viana

Diretor de harmonia: Sirley, Pretinho, Fabrício, Gilda e Sinezia

Endereço: Rua Manoel Lourenço Sobrinho, s/n, Olaria

Enredo: “Dandara, a luta sob o sol de um povo sonhador”

Compositores: Ezequiel do Cavaco e Marlon Caetano

Carnavalesco: Juan Diniz

Intérprete: Bruno Ribas

Samba de enredo: Ezequiel do Cavaco e Marlon Caetano

Títulos: (10) 1980, 82, 83, 85, 88, 92, 94, 2007, 2017, 2018

1° Casal: Paulo Erick e Dandara.

2° Casal: Alessandro "Testão" e Karol Knupp.

3° Casal: Mateus e Raíssa.

4°Casal Mirim: Kaique

Comissão de Frente: A Majestosa. Responsável: Mateus.

Comissão de Carnaval: Carlos Augusto Veiga Vianna, Antônio e George.

Bateria Swing Total

Ritmistas: 120

Mestre: Fred

Rainha: Cristina Féu

Componentes: 1.000

Alas: 22

Alegorias: 06

Classificação em 2018: 1º

Ordem do desfile de 2019: 2º

Concentração: 20h

Desfile: 22h45 – 00h

Posição: Portão social da PMNF

 

LETRA DO SAMBA

“Dandara, a luta sob o sol de um povo sonhador”

Compositores: Ezequiel do Cavaco e Marlon Caetano

 

Ôôôôô mãe África

Terra sagrada dos meus ancestrais

Guiada na força dos seus orixás

Que olorum abençoou

Surge Dandara, a menina negra

Trazida pelas águas de Obá

Fez do Quilombo sua morada

Traçando seu destino em uma noite enluarada

Casou-se com Zumbi, guerreiro!

Em um refúgio de riquezas naturais

Um canto ecoou pra amenizar a dor

Causada pelo malfeitor...

 

Tá no rufar dos tambores africanos

Alegria desse povo sofredor

Suor e lágrimas em busca de liberdade

Para exaltar Dandara dos Palmares

Presa ela foi, rebelião se fez

Sangrou mais uma vez, jamais se entregou

Meu Deus, por que? O homem em sua crueldade

Promoveu tanta maldade em busca do poder

Oh! Meu Brasil, mais respeito e tolerância

Ainda tenho esperanças e forças pra lutar

Um ser mutante a nos guiar

A pantera negra agora assume o seu lugar

Ôôô lendas de um baobá

Maracatu dança de roda herança

Que veio de lá

Sou quilombola e piso forte nesse chão

O samba faz a nossa união

“ESCOLA GUERREIRA”

Orgulho de ser Imperatriz

Resistência e cultura popular

A nossa batucada é de raiz

A swingueira vai te arrepiar

 

LEIA MAIS

A roxo e branco do bairro Ypu escolheu um tema africano para seu próximo desfile

No ano em que completará 10 anos no carnaval carioca, ele fará jornada dupla no Sambódromo, primeiro com a Acadêmicos do Sossego

Curiosa para saber quem era o sambista friburguense, jurada da atração do SBT usou jornal como fonte de pesquisa

Publicidade
TAGS: carnaval