Donos de animais reclamam de falta de lixeiras

Recolher as fezes dos cães é ato de educação e higiene; problema é onde jogar depois
sábado, 05 de outubro de 2019
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Maria de Fátima Wermelinger e Tod (Arquivo pessoal)
Maria de Fátima Wermelinger e Tod (Arquivo pessoal)

Há alguns anos ver alguém recolhendo as fezes deixadas nas ruas pelo cachorrinho de estimação era uma cena incomum. No entanto, com o passar dos anos, a consciência coletiva foi mudando e hoje esse ato é até corriqueiro para quem costuma passear com seu pet pelas ruas. Recolher as fezes do seu cãozinho é fácil, rápido, higiênico, não dói e ainda contribui para o bem estar coletivo.

A dona de casa Maria de Fátima Wermelinger tem um Jack Russell Terrier, de sete anos. Ele foi adestrado a só fazer suas necessidades no jornal, em um local específico da casa. No entanto, praticamente todos os dias ela passeia pelas ruas com o Tod e o que não pode faltar é uma bolsinha cheia de sacolinhas plásticas para recolher as fezes do animal.

“Eu sempre recolho as fezes do meu cachorro. Por uma questão de educação e higiene. Entendo que a sujeira dele passa a ser minha, por isso acho que tenho o dever de recolher. Sei que nem todo mundo age dessa maneira, mas seria o ideal”, disse Maria de Fátima, que se queixa apenas de um problema, após recolher as fezes do seu pet: “Onde jogar é que é complicado. Quando tenho a sorte de achar uma lixeira na rua eu jogo, mas na maioria das vezes levo para casa e jogo no meu próprio lixo. A cidade está precisando de mais lixeiras”, ressaltou.

Como resolver

Você sabia que um cão de porte médio evacua aproximadamente 300 gramas de fezes por dia? Nas fezes dos cães há muitas bactérias, além de poder conter também giárdia e vermes. As fezes deixadas no solo podem contaminar lençóis d`água, poços artesianos, lagos e lagoas, além de poder causar aquela situação desagradável que é pisar na sujeira deixada pelo animal.

O ideal é reutilizar sacos plásticos de compras para remover as fezes. É a opção mais fácil, barata e prática. O problema é que eles demoram mais de 200 anos para se decompor na natureza. A melhor opção são os sacos biodegradáveis vendidos em pet shops. Na maioria das vezes são guardados numa caixinha, acoplada à guia do cão, para facilitar. O saco com as fezes pode ser depositado na lixeira comum, bem fechado.

Já os gatos…

Esses não precisam ir à rua para fazer as necessidades. Os felinos sabem desde pequenos o lugar correto onde devem defecar e urinar. Ao avistarem a caixa de areia já sabem instintivamente que lá é o local adequado. 

No entanto, em alguns casos podem ocorrer problemas e eles passarem a fazer em locais inapropriados. Mas como adestrar um gato a fazer xixi no lugar certo? 

Diferentemente de cães, eles atendem mais facilmente aos comandos, mas isso não quer dizer que eles não aprendam alguns ensinamentos — são bichinhos extremamente inteligentes. 

Se seu gato fizer xixi em algum local que não seja a caixa de areia, limpe muito bem, imediatamente. Alguns deles têm o hábito de, ao sentirem o cheiro do xixi, voltem a fazer naquele mesmo local para demarcar território — principalmente se houver mais bichanos na residência. 

Por isso, higienizar o local assim  que perceba essa ação é muito importante para que ele não sinta o odor e não se torne um hábito. Uma boa dica é deixar alguns vestígios do cheiro do xixi na caixa de areia, pois ele sentirá e saberá que lá é o local certo. 

Mas não exagere, após perceber que o gato já se acostumou, mantenha a caixinha sempre limpa, pois os bichanos são animais caprichosos e gostam de fazer suas necessidades em locais limpos. Portanto, limpe a caixa de areia, pelo menos, duas vezes diariamente.

 

LEIA MAIS

Ação na igreja da Rua Duque de Caxias aconteceu às 10h e às 15h, reunindo fiéis e seus bichinhos de estimação

Arrependida, ela voltou para devolver, encheu de novo e ainda trouxe outro recipiente com ração

Médica veterinária Sheila Waligora escreve livros e dá cursos sobre a comunicação intuitiva entre os seres

Publicidade
TAGS: pets