Dois séculos, e não apenas 200 anos

No contexto dos “bicentenários” de Nova Friburgo, um tema que ainda promete atravessar o tempo
terça-feira, 14 de agosto de 2018
por Girlan Guilland
Dois séculos, e não apenas 200 anos

Na histórica edição de 16 de maio último de A VOZ DA SERRA, celebrando o bicentenário do decreto do Rei Dom João VI autorizando a pioneira imigração suíça ao Brasil e a fundação da colônia (depois Vila), antecedendo a cidade de hoje, havíamos lançado a pergunta: “Quantos 200 anos Nova Friburgo tem?”

O tema continua merecendo atenções. Ainda mais neste agosto comemorativo do Dia Nacional da Suíça (01/08), quando também o próprio prefeito friburguense, Renato Bravo, esteve na Europa a convite do Conselho de Estado do Canton de Fribourg cumprindo agenda em missão oficial, reforçando os laços que há mais de quatro décadas resgataram a ligação histórica com aquele país dos Alpes.

Assim é que os próximos 11 meses ainda nos remetem a outra celebração bicentenária, que terá seu ápice no dia 04 de julho de 2019. Transpondo o tempo, vamos à vila portuária de Estavayer-le-Lac, rememorando o que terá sido aquela “gloriosa jornada de domingo“, em 1819, quando a primeira leva dos cerca de mil colonos partiram da sua velha Helvécia em busca da Nova Terra Prometida.

Sim, a Suíça, seu governo, as autoridades e o povo preparam uma comemoração especial para marcar a saída de parte de sua gente, naquela que foi a ‘Viagem sem volta’, uma aventura pelo Atlântico, há quase dois séculos, a serem completados no ano que vem.

É comum, por isso, a confusão. Logo, a primeira reação é questionar: mas como Nova Friburgo completou seu bicentenário nesse 2018 e, no ano que vem, os suíços estarão comemorando outros 200 anos?

É preciso rememorar: em 16 de maio comemoramos o ato de Dom João autorizando a imigração, ao fundar, na então Fazenda do Morro Queimado, a colônia, que nem existia, mas acabara de ser concebida apenas no papel. As casas dos futuros moradores ainda seriam construídas, enquanto a viagem também ainda seria organizada.

Importante lembrar que, exatamente nesses dias em que vivemos o pós-bicentenário (16/5), quando assistimos ainda a comemoração do Dia Nacional da Suíça, há 199 anos dez cantões daquele País europeu viviam a expectativa de um grande feito, como está fartamente registrado em publicações sobre o tema, valendo recordar.

‘O encontro em Estavayer-le-Lac’

Como nos conta o historiador Martin Nicoulin, em seu livro ‘A Gênese de Nova Friburgo’: “No fim do mês de junho e início de julho, reina grande animação em muitas vilas e povoados helvéticos”. Acrescentando: “Os emigrantes preparam a grande viagem”.

Ainda sobre 04 de julho especificamente, o mesmo historiador detalha as primeiras horas daquele dia: “De manhã cedo, às cinco e meia, os colonos dirigem-se à igreja paroquial. O bispo começa a cerimônia religiosa com um sermão. Dirige aos emigrantes palavras de esperança. Sublinha que lá longe encontrão uma verdadeira pátria. Aconselha os futuros brasileiros a praticarem as virtudes da caridade cristã e a mostrarem-se ativos e trabalhadores para serem bem sucedidos em Nova Friburgo”.

Outro historiador, o médico Henrique Bom, em seu ‘Imigrantes - A saga do primeiro movimento migratório organizado rumo ao Brasil às portas da Independência’ também assinala com propriedade: “Um primeiro contingente, composto de 1.088 imigrantes, originários majoritariamente de Vaud, Valais, Genève, Neuchatel e da própria Fribourg, chega a Estavayer em sucessivas levas, entre 2 e 3 de julho de 1819, agrupando-se pelas ruelas do povoado, conforme as regiões de origem”.

Enriquecendo ainda a historiografia friburguense, acrescenta: (...) na manhã de 04 do mesmo mês, após cerimônia religiosa, e cercado por grande multidão - cronistas da época falam em seis mil espectadores, entre curiosos e parentes - um primeiro grupo parte rumo ao desconhecido em atmosfera festiva e burlesca, na qual não faltam, porém, o patético adeus de familiares que se despedem, em sua maioria, para sempre”.

Imaginemos em nossos dias, o que terá sido aquele momento e, ainda, os dias e os mais de seis meses que se seguiriam na monumental epopéia da travessia do Atlântico. Indiscutivelmente, merece toda a celebração e reverência, além da recordação, entre tantos feitos compondo o belo enredo da formação de Nova Friburgo.

Assim, 2019 também terá um bicentenário, igualmente 2020 e ainda o aparentemente distante ano de 2024, daqui a seis anos. Teremos outros dois grandes motivos e momentos para celebrar a especial e rica trajetória histórica friburguense, sobre os quais escreveremos posteriormente.

LEIA MAIS

Prefeito Renato Bravo faz um balanço do legado deixado pelo bicentenário, um ano depois

Prato foi degustado gratuitamente na última quinta, em mesas com 2.400 lugares, para celebrar 125 anos de federação

Viagem a Europa será em junho. Em novembro, famílias farão o caminho da imigração, de Amsterdam com destino a Friburgo

Publicidade
TAGS: 200 anos