Do Cantinho do Papagaio para emocionar todo mundo

Filhas de Bamba herdaram paixão e talento do pai e promovem rodas cheias de inspiração
segunda-feira, 04 de dezembro de 2017
por Adriana Oliveira
Foto de capa
As Filhas de Bamba Giselle (centro) e Nathalia (à direita) no samba do Cantinho do Papagaio (Fotos: Marcio Pinto)
O lugar delas é caminho de Ogum e Iansã. Lá tem samba até de manhã e uma ginga em cada andar… O lugar chama-se Cantinho do Papagaio, bar fundado por Devaldo Silva em Córrego Dantas. E não se espante se você se arrepiar com dezenas de pessoas entoando juntas “A Amizade” do Fundo de Quintal (Quero chorar o teu choro, quero sorrir teu sorriso, valeu por você existir, amigo) ou o comovente refrão de “Ogum”, de Zeca Pagodinho, em torno de uma gigantesca roda de samba, liderada por mulheres, ao cair da tarde de um domingo.

“O canto atinge a alma e, enquanto eu puder levar energia boa através da música, será sempre transformador”

Giselle Lutterbach

Todos os filhos de Devaldo, mais conhecido como Papagaio, nasceram com samba no sangue, na alma, no DNA. As Filhas de Bamba são as irmãs Giselle, 29 anos, e Nathalia Lutterbach, 20. Ambas começaram a tocar violão e outros instrumentos aos 6 anos, acompanhando o pai em encontros musicais na própria casa ou na casa de amigos. E ambas decidiram, há alguns anos, viver daquilo que mais amam e adoram fazer: música.

A inspiração, como não poderia deixar de ser, veio toda de Papagaio (foto abaixo), que já ganhou alguns festivais da canção nos anos 80, como intérprete e compositor. E que, como bamba que é, jamais deixou o samba morrer.

No repertório delas entram não só “hinos” de Nelson Cavaquinho e de Cartola, mas também MPB de Ana Carolina e Seu Jorge. O que nunca pode faltar é o “Samba pras moças”, de Pagodinho, que sempre abre cada show.

Hoje as Filhas de Bamba formam rodas de samba independentes, juntando público e convidados especiais. Suas mesas são capazes de agregar sambistas de todas as idades, especialmente os mais antigos e respeitados. Em dezembro agora elas lançam o projeto “Swing Samba Bom” e o primeiro single da dupla, batizado de “Contramão”, música de autoria de Giselle.

O samba das Filhas de Bamba ganhou espaço também na Região dos Lagos. O projeto Swing Samba Bom atualmente acontece em Friburgo, no Cantinho do Papagaio e no Bar América; em  Rio das Ostras, na Casa Do Lago; em Vila Isabel, no Samba na Ladeira, além do Beco das Garrafas e a festa Deixa eu Dançar, que acontecerá em Dezembro em Copacabana.

No Cantinho do Papagaio, as próximas apresentações serão neste domingo, 10, a partir das 13h; na sexta 22, Samba Noel às 18h; e no domingo 31, Virada do Samba às 21h.

A ligação do samba com a religiosidade africana é muito presente. “O canto atinge a alma e, enquanto eu puder levar energia boa através da música, o show das Filhas de Bamba será sempre transformador. Nosso lema é sair mais feliz do que chegou”, diz Giselle.

LEIA MAIS

Grupo formado na Faculdade de Filosofia, Desafetos do Colírio nasceu de brincadeira há 26 anos e nunca mais parou

Nos encontros dos Amigos da Música, a cada 15 dias no Bar Abdalla, tem músico de 80 anos e bebê de 8 meses

Empatadas em 2017, Imperatriz e Saudade prometem briga acirrada pelo bicampeonato, no carnaval dos 200 anos

Publicidade
Agora Faz
TAGS: Samba