Dia de festa em louvor a todas as Ritas de Cássia

Nesta quarta tem missa e bênção das rosas e das mulheres que levam o nome da santa
sexta-feira, 17 de maio de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Dia de festa em louvor a todas as Ritas de Cássia

Nesta quarta-feira, 22, dia de Santa Rita de Cássia, serão celebradas missas solenes na capela dedicada a ela, no Km 8 da RJ-130 (Friburgo-Teresópolis), em Córrego Dantas, às 17h30 e 19h30. Haverá bênção das rosas e das mulheres que tem o nome da padroeira. Às 18h45 haverá procissão pelas ruas adjacentes à capela. Santa Rita é a padroeira do bairro. Todas as celebrações religiosas estão a cargo do padre Marcelo Piller.

As comemorações começaram no  fim de semana, com missas e carreata. Após as celebrações religiosas, haverá venda de caldo de aipim, pastéis, doces e bebidas, além de bazar anexo à capela.       

A história de Santa Rita

Santa Rita de Cássia era filha única. Nasceu em 22 de maio de 1381, nas montanhas em Roccaporena, perto de Cássia, região da Umbria, Itália. Era filha de Antônio Mancini e Amata Ferri, que educaram a filha na fé católica. Eles contavam a ela também histórias de vida de muitos santos e santas, o que contribuiu para a formação religiosa da jovem. Rita de Cássia optou por ser religiosa, mas seus pais escolheram para ela um marido, como era costume na época. O escolhido foi Paolo Ferdinando, um infiel e alcóolatra. A união rendeu à Rita 18 anos de sofrimentos. O casal teve dois filhos.

Mesmo sofrendo, ela nunca deixou de rezar pela conversão do marido e sua mansidão e amor acabaram transformando aquele homem rude e bruto. Paolo se converteu ao catolicismo e mudou sua vida conjugal, mas acabou sendo assassinado. Os dois filhos do casal juraram vingar a morte do pai. Santa Rita, então, implorou a Deus para que os rapazes não cometessem um crime brutal. Ambos adoeceram e antes de morrerem, Rita ajudou-os a se converterem. Os filhos, então, perdoaram o assassino do pai e, em seguida, morreram.

 

Publicidade
TAGS: