Desvio malfeito na via compartilhada será reconstruído

Em meio a críticas, técnicos da prefeitura detalham projeto cicloviário, que inclui, além da via compartilhada, uma via partilhada e a ciclovia de fato
quinta-feira, 08 de agosto de 2019
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
O desvio contornando o poste na via compartilhada (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)
O desvio contornando o poste na via compartilhada (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)

 

A empreiteira que constrói a via compartilhada para pedestres e ciclistas às margens do Rio Bengalas, na altura da Avenida Presidente Costa e Silva, vai refazer o desvio em torno de um poste que gerou uma série de críticas nas redes sociais nos últimos dias. Primeiro, a Fender Engenharia construiu o trecho com o poste no meio; depois, fez um pequeno desvio de concreto que não foi realizado conforme o projeto. Segundo a Prefeitura de Nova Friburgo, a via compartilhada deve se desviar dos postes.

“Nos reunimos com representantes da empreiteira esta semana para que seja feito o desvio nos postes de forma correta, que não é aquela meia-luazinha que vimos”, disse o secretário da Casa Civil, Walter Thuller. “A empresa vai finalizar o primeiro trecho do projeto cicloviário para que as pessoas tenham uma ideia de como será o modal ao longo dos seus quatro quilômetros”, acrescentou.  

Thuller convocou uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 8 para apresentar em detalhes o projeto criado por arquitetos e engenheiros do Escritório de Gerenciamento de Convênios e Projetos (EGCP) da prefeitura, após críticas à execução da obra. O subsecretário de Projetos do EGCP, Sérgio Abi-Ramia, participou do encontro e, junto com outros técnicos do setor, explicou que o projeto estabelece a criação de uma via compartilhada, uma ciclovia e uma via partilhada. 

A via compartilhada (acima) é a que já está em construção e é assim chamada porque ciclistas vão dividir o espaço com pedestres. Não haverá divisão entre faixa para ciclista e faixa para pedestre. O trecho compartilhado vai do trevo de Duas Pedras até a Rua Padre Yabar (ao lado da subestação da Energisa), onde começará a ciclovia (abaixo), exclusiva para ciclistas, que irá contornar uma faixa da Avenida Euterpe Friburguense até a ponte da Rua Sete de Setembro (em frente ao largo do bar Barbatana). 

Já a via partilhada (abaixo) será construída da ponte da Rua Sete de Setembro até a altura da Igreja Luterana, no Paissandu. Ela é chamada partilhada porque terá uma faixa exclusiva para ciclistas, pintada de vermelho, e outra, separada, para pedestres. Quem passa atualmente pela Avenida Galdino do Valle Filho (do Clube de Xadrez à Luterana) já deve ter observado que a calçada que margeia o rio possui antigas faixas para pedestres e ciclistas. Elas serão reaproveitadas. 

“Vamos instalar bicicletários nos recuos que já existem às margens do rio. E sinalizações de todos os tipos, verticais e horizontais, para que o pedestre e o ciclista entendam como utilizar as faixas. Em todas as interseções, onde há pontes, serão realizadas alterações urbanísticas, como rebaixamento nas calçadas de modo que o usuário possa atravessar com segurança”, disse o subsecretário de Projetos do EGCP, Sérgio Abi-Ramia. 

Questionado se o projeto da via compartilhada vai criar atritos entre pedestres e ciclistas, Sérgio afirmou que o uso de calçadas por ambos já é um hábito comum no município, apesar de irregular. “Toda a via será sinalizada. Queremos criar uma cultura de respeito entre ciclistas e pedestres”, comentou, dizendo que se o pedestre se sentir inseguro ao andar na via compartilhada, poderá usar a calçada no outro lado da avenida. 

Riscos nas margens do rio 

Os técnicos do EGCP também foram questionados por A VOZ DA SERRA sobre o risco de ocorrer movimentação de terra no trecho não canalizado do Rio Bengalas, onde é construída a via compartilhada, na Avenida Costa e Silva. Sabe-se que na avenida, na altura do 11º BPM e do Sesc não foram construídos muros de contenção às margens do rio. 

Sobre os riscos de deslizamentos de terra, os técnicos que criaram o projeto explicaram que a via compartilhada está sendo construída em concreto armado. Desse modo, se porventura ocorrer alguma movimentação de terra às margens do Bengalas, eles terão tempo para corrigir o problema e evitar o colapso da estrutura. Afirmaram também que quando o governo do estado iniciar as obras de canalização do trecho, terá que levar em conta no projeto a via para pedestres e ciclistas já construída.

Quase R$ 1 milhão

A primeira fase do projeto de construção de uma rede cicloviária em Nova Friburgo, do bairro Duas Pedras ao Paissandu, vai custar aos cofres municipais R$ 999 mil e deve ser concluída pela Fender Engenharia em até 120 dias. O governo, contudo, tem planos de construir outras ciclofaixas, de Duas Pedras a Conselheiro e do Cônego ao Centro, criando uma grande rede que ligaria o município de uma região a outra. 

 

LEIA MAIS

Previsão é que as intervenções sejam concluídas em abril

Reforma da fachada começou em julho e teria que terminar em 8 de dezembro

DER planeja melhorias na RJ-142. No Stucky, mutirão em dezembro planeja asfaltar principal via do bairro

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: obra