Desvio malfeito na via compartilhada será reconstruído

Em meio a críticas, técnicos da prefeitura detalham projeto cicloviário, que inclui, além da via compartilhada, uma via partilhada e a ciclovia de fato
quinta-feira, 08 de agosto de 2019
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
O desvio contornando o poste na via compartilhada (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)
O desvio contornando o poste na via compartilhada (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)

 

A empreiteira que constrói a via compartilhada para pedestres e ciclistas às margens do Rio Bengalas, na altura da Avenida Presidente Costa e Silva, vai refazer o desvio em torno de um poste que gerou uma série de críticas nas redes sociais nos últimos dias. Primeiro, a Fender Engenharia construiu o trecho com o poste no meio; depois, fez um pequeno desvio de concreto que não foi realizado conforme o projeto. Segundo a Prefeitura de Nova Friburgo, a via compartilhada deve se desviar dos postes.

“Nos reunimos com representantes da empreiteira esta semana para que seja feito o desvio nos postes de forma correta, que não é aquela meia-luazinha que vimos”, disse o secretário da Casa Civil, Walter Thuller. “A empresa vai finalizar o primeiro trecho do projeto cicloviário para que as pessoas tenham uma ideia de como será o modal ao longo dos seus quatro quilômetros”, acrescentou.  

Thuller convocou uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 8 para apresentar em detalhes o projeto criado por arquitetos e engenheiros do Escritório de Gerenciamento de Convênios e Projetos (EGCP) da prefeitura, após críticas à execução da obra. O subsecretário de Projetos do EGCP, Sérgio Abi-Ramia, participou do encontro e, junto com outros técnicos do setor, explicou que o projeto estabelece a criação de uma via compartilhada, uma ciclovia e uma via partilhada. 

A via compartilhada (acima) é a que já está em construção e é assim chamada porque ciclistas vão dividir o espaço com pedestres. Não haverá divisão entre faixa para ciclista e faixa para pedestre. O trecho compartilhado vai do trevo de Duas Pedras até a Rua Padre Yabar (ao lado da subestação da Energisa), onde começará a ciclovia (abaixo), exclusiva para ciclistas, que irá contornar uma faixa da Avenida Euterpe Friburguense até a ponte da Rua Sete de Setembro (em frente ao largo do bar Barbatana). 

Já a via partilhada (abaixo) será construída da ponte da Rua Sete de Setembro até a altura da Igreja Luterana, no Paissandu. Ela é chamada partilhada porque terá uma faixa exclusiva para ciclistas, pintada de vermelho, e outra, separada, para pedestres. Quem passa atualmente pela Avenida Galdino do Valle Filho (do Clube de Xadrez à Luterana) já deve ter observado que a calçada que margeia o rio possui antigas faixas para pedestres e ciclistas. Elas serão reaproveitadas. 

“Vamos instalar bicicletários nos recuos que já existem às margens do rio. E sinalizações de todos os tipos, verticais e horizontais, para que o pedestre e o ciclista entendam como utilizar as faixas. Em todas as interseções, onde há pontes, serão realizadas alterações urbanísticas, como rebaixamento nas calçadas de modo que o usuário possa atravessar com segurança”, disse o subsecretário de Projetos do EGCP, Sérgio Abi-Ramia. 

Questionado se o projeto da via compartilhada vai criar atritos entre pedestres e ciclistas, Sérgio afirmou que o uso de calçadas por ambos já é um hábito comum no município, apesar de irregular. “Toda a via será sinalizada. Queremos criar uma cultura de respeito entre ciclistas e pedestres”, comentou, dizendo que se o pedestre se sentir inseguro ao andar na via compartilhada, poderá usar a calçada no outro lado da avenida. 

Riscos nas margens do rio 

Os técnicos do EGCP também foram questionados por A VOZ DA SERRA sobre o risco de ocorrer movimentação de terra no trecho não canalizado do Rio Bengalas, onde é construída a via compartilhada, na Avenida Costa e Silva. Sabe-se que na avenida, na altura do 11º BPM e do Sesc não foram construídos muros de contenção às margens do rio. 

Sobre os riscos de deslizamentos de terra, os técnicos que criaram o projeto explicaram que a via compartilhada está sendo construída em concreto armado. Desse modo, se porventura ocorrer alguma movimentação de terra às margens do Bengalas, eles terão tempo para corrigir o problema e evitar o colapso da estrutura. Afirmaram também que quando o governo do estado iniciar as obras de canalização do trecho, terá que levar em conta no projeto a via para pedestres e ciclistas já construída.

Quase R$ 1 milhão

A primeira fase do projeto de construção de uma rede cicloviária em Nova Friburgo, do bairro Duas Pedras ao Paissandu, vai custar aos cofres municipais R$ 999 mil e deve ser concluída pela Fender Engenharia em até 120 dias. O governo, contudo, tem planos de construir outras ciclofaixas, de Duas Pedras a Conselheiro e do Cônego ao Centro, criando uma grande rede que ligaria o município de uma região a outra. 

 

LEIA MAIS

Serviço de implantação de rede pluvial para evitar alagamentos deve durar uma semana

Interdição, durante uma semana, ocorrerá das 7h às 16h, para construção de rede de água pluvial

Importante para o turismo e para a agricultura, Terê-Fri recebe cerca de 600 caminhões por dia que escoam a produção de 90% das hortaliças consumidas no estado

Publicidade
TAGS: obra