Dengue cresce no Brasil, mas incidência é baixa em Friburgo

Número registrado este ano, sete casos, até agora é o mesmo de todo o ano passado
quinta-feira, 14 de novembro de 2019
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Dengue cresce no Brasil, mas incidência é baixa em Friburgo

 

Com a proximidade do verão aumenta a preocupação com a incidência de doenças transmitidas pelos mosquitos, principalmente o temido Aedes Aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. E esse temor ganhou ainda mais força depois que o Ministério da Saúde divulgou na última segunda-feira, 11, que o número de registros de dengue em 2019 teve um aumento de 599,5%, na comparação com o ano passado, que somou 205.791 notificações. Somente no período de 30 de dezembro de 2018 à 24 de agosto de 2019, foram registrados 1.439.471 casos da doença em todo o Brasil. A média é de pouco mais de seis mil casos por dia.

Atualmente, a taxa de incidência da dengue no país é 690,4 casos para cada 100 mil habitantes. No total, 591 pacientes com a doença morreram este ano em decorrência de complicações dos quadros de saúde. Minas Gerais é o estado com o maior número de ocorrências, com um total de 471.165. Um ano antes, os municípios mineiros registravam 23.290 casos. São Paulo (437.047 casos) aparece em segundo lugar, sendo a unidade federativa em que a incidência da doença mais cresceu (3.712%), no intervalo de análise. Em 2018, foram registrados 11.465 casos. Apenas dois estados apresentaram queda na prevalência da dengue: Amazonas, que diminuiu o total de 1.962 para 1.384 (-29,5%), e Amapá, onde houve redução de 608 para 141 (-76,8%).

A dengue em Friburgo

Para traçar um comparativo entre os números nacionais e os locais, A VOZ DA SERRA solicitou à Subsecretaria de Comunicação Social da prefeitura um levantamento da situação em Nova Friburgo. Segundo a nota enviada pela Secretaria Municipal de Saúde, “os dados do Ministério da Saúde não refletem a realidade de Nova Friburgo, que registrou poucos casos nos últimos anos. O que não é motivo para descuidos na prevenção à doença, principalmente no verão, quando o risco aumenta e a população fica mais suscetível à dengue”, informa trecho da nota.  

A Secretaria Municipal de Saúde informa ainda que “em todo o ano passado foram registrados apenas sete casos de dengue em Nova Friburgo. Já neste ano de 2019, até o momento, também foram registrados sete casos”, o que sugere um pequeno aumento em relação à 2018. No entanto, a prefeitura esclarece que ainda há casos em investigação, o que significa que os dados ainda estão sujeitos a revisão.

A nota finaliza dizendo que “o trabalho de combate à dengue é realizado durante todo o ano por ações da Vigilância Ambiental, de Educação em Saúde, além de visitas domiciliares em pontos estratégicos”. Por fim, a Secretaria Municipal de Saúde informou que ainda não há previsão para a realização da campanha  ‘Dia D contra a dengue’, no entanto, as ações de organização para enfrentamento, tanto na questão ambiental, quanto para atendimento de casos, já estão sendo programadas pelas equipes responsáveis.

Chikungunya e zika no Brasil

O levantamento divulgado recentemente pelo Ministério da Saúde também reúne informações sobre a febre chikungunya. Ao todo, os estados já contabilizavam, até o final de agosto deste ano, 110.627 casos, contra 76.742 do mesmo período em 2018. Segundo o ministério, o índice de prevalência da infecção, que também tem como transmissor o mosquito Aedes aegypti, é bastante inferior ao da dengue: 53,1 casos a cada 100 mil habitantes. Como estados com alta concentração da doença destacam-se o Rio de Janeiro (76.776) e o Rio Grande do Norte (8.899).

Até o encerramento do balanço, haviam sido confirmadas laboratorialmente 57 mortes provocadas pela chikungunya. Em âmbito nacional, a variação de um ano para o outro foi 44,2%, sendo que na Região Norte do país houve recuo de 32% e no Centro-Oeste, de 92,7%. O boletim epidemiológico acompanha também a situação do zika vírus. Nesse caso, somente o Centro-Oeste apresentou queda nas transmissões (-35,4%). De 2018 para 2019, o total de casos de zika saltou de 6.669 para 9.813, gerando uma diferença de 47,1% e alterando a taxa de incidência de 3,2 para 4,7 ocorrências a cada 100 mil habitantes. Neste ano, o zika vírus foi a causa da morte de duas pessoas no Brasil.

Recomendações

O Ministério da Saúde aconselha que, durante o período de seca, a população mantenha ações de prevenção, como verificar se existe algum tipo de depósito de água no quintal ou dentro de casa. Outra recomendação é lavar semanalmente, com água e sabão, recipientes como vasilhas de água do animal de estimação e vasos de plantas. Não deixar que se formem pilhas de lixo ou entulho em locais abertos, como quintais, praças e terrenos baldios é outro ponto importante. Outro hábito que pode fazer diferença é a limpeza regular das calhas, com a devida remoção de folhas que podem se acumular durante o inverno.

 

LEIA MAIS

Para governo, problemas relatados na lavanderia não têm efeito porque vistoria ainda não foi formalizada junto ao Conselho Municipal de Saúde

Lavanderia sem tomadas nem instalação hidráulica faz com que roupa tenha que ser higienizada em Casimiro de Abreu, diz conselheiro

Empresa especializada em segurança eletrônica será contratada pelo valor máximo de R$ 70 mil, por 12 meses de contrato

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: saúde