CPI da Saúde: último depoimento será prestado nesta segunda

Membros chegaram a considerar um pedido de prorrogação, mas desistiram e prazo final é mantido em 17 de junho
quinta-feira, 09 de maio de 2019
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
A CPI da Saúde (Arquivo AVS)
A CPI da Saúde (Arquivo AVS)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada pela Câmara de Vereadores de Nova Friburgo para investigar supostas irregularidades em contratos emergenciais de fornecimento de alimentação para os funcionários, pacientes e acompanhantes do Hospital Municipal Raul Sertã, firmados entre a prefeitura e a empresa Global Trade Indústria de Alimentação, chega à fase final de depoimentos.

Segundo o presidente da comissão, o vereador Johnny Maycon (PRB), o último depoente, que seria uma pessoa ligada à administração da unidade de saúde em 2017, quando foi firmado o primeiro contrato emergencial entre a Secretaria Municipal de Saúde de Nova Friburgo e a empresa Global, está previsto nesta segunda-feira, 13.

“Reservamos a data, mas ainda não sabemos se o depoente será ouvido, pois estamos tendo dificuldades para notificá-lo. Na última segunda-feira, 6, uma equipe da Câmara esteve no Rio de Janeiro para entregar o ofício, mas não conseguiu contactá-lo”, explica o parlamentar.

Ainda de acordo com o presidente, por conta do tempo utilizado para ouvir as testemunhas, não será mais viável a apresentação do relatório final este mês. Segundo Johnny Maycon, os membros CPI chegaram a discutir sobre um possível pedido de prorrogação do prazo, mas decidiram por mantê-lo conforme o prazo regimental de 150 dias, que termina em 17 de junho.

Ex-secretária e atual foram ouvidas nas últimas semanas

Além do ex-secretário de Saúde Christiano Huguenin, também foram ouvidas como testemunhas pela comissão a ex-secretária Suzane Menezes, que esteve à frente da pasta em 2017, e a atual gestora, Tânia Trilha.

Tânia esteve em reunião com a comissão que aconteceu na terça-feira, 30, pela manhã. Segundo o presidente da CPI, em seu depoimento a secretária informou aos presentes que a empresa vem cumprindo em seu contrato atual com o ressarcimento à Secretaria de Saúde dos valores referentes ao uso de água e luz, que não foram pagos durante os contratos emergenciais.

 

LEIA MAIS

Friburguenses fazem manifestação na praça também contra a reforma da Previdência

Com mato alto e sem dragagem, cursos d’água são ameaça para quem ainda vive em áreas com risco de inundação

Ex-diretor médico do Raul Sertã, Arthur Gremion explica as razões que o levaram a pedir exoneração do cargo

Publicidade
TAGS: saúde | Governo