Coreto da praça tem até barraca de camping

Leitora flagra situação no mínimo inusitada ao passar pelo local à noite
quarta-feira, 15 de janeiro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
A barraca de camping azul armada dentro do coreto (Foto da leitora)
A barraca de camping azul armada dentro do coreto (Foto da leitora)

Ao passar nesta terça-feira, 14, por volta das 20h20, pelo coreto da Praça Getúlio Vargas, a leitora Rita Gervasio se deparou com uma situação estranha ou no mínimo engraçada. Ela flagrou várias pessoas sentadas na mureta do coreto, mas o que chamou a atenção mesmo foi uma barraca de camping montada dentro dele.

Conversando com algumas pessoas que estavam perto da carrocinha de cachorro-quente que fica ali perto, ela descobriu que eles estão situados ali há algum tempo. 

Às vésperas do Natal, com a cidade se enfeitando para as festas de fim de ano, outro leitor enviou para a redação fotos que revelam uma situação desalentadora. Na Praça Getúlio Vargas, próximo ao coreto, um grupo de moradores de rua, já visivelmente alcoolizados às 10h50 de uma sexta-feira, ocupava dois bancos. Dois deles dormiam no chão, sobre poças d'água deixadas pelo temporal da madrugada.

O problema é antigo e se agrava a cada dia. Em março deste ano,  com o apoio do 11º BPM, a Secretaria Municipal de Assistência Social, Direitos Humanos e Trabalho chegou a retirar algumas pessoas que estavam "morando" no coreto. A ação foi motivada por denúncias de transeuntes, segundo as quais eles costumam utilizar o local para o consumo de drogas e bebidas alcoólicas, além de importunar frequentadores. Os 12 adultos (sendo dois andarilhos argentinos) e dois menores abordados na época foram encaminhados às suas residências, já que tinham moradia fixa, e encaminhados também para o serviço de Saúde Mental da prefeitura. Já os adolescentes foram atendidos pelo Conselho Tutelar, que localizou os responsáveis e fará, a partir de então, o acompanhamento familiar dos mesmos.

Em julho, a Secretaria Municipal de Assistência Social abriu um ponto de apoio, no bairro Duas Pedras, para acolher essas pessoas e oferecer um local digno para elas passarem as noites mais frias.

A Prefeitura de Nova Friburgo costuma dizer que a cidade tem aproximadamente 20 pessoas em situação de rua, a maioria com algum tipo de dependência química. Além da Getúlio Vargas, eles podem ser vistos no coreto da Praça Marcílio Dias e entorno do Paissandu, a Praça do Suspiro, o bairro Ypu e a Avenida Alberto Braune. Ainda segundo a prefeitura, regularmente são feitas abordagens sociais. Durante essas diligências, foi identificado que todas as pessoas que estão em situação de rua possuem residência fixa e são sempre orientadas a retornarem aos seus lares. Mas a maioria acaba resistindo a qualquer tipo de ajuda.

Como ajudar

Pessoas interessadas em ajudar com doações devem ir até o Creas, que fica na Rua Carlos Magno, 5, próximo ao Hospital Municipal Raul Sertã.

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: