Copa “sem” identidade: a análise de Vinicius Gastin

Mundial da Rússia coloca na mesma altura do pedestal quem sempre e quem nunca foi tradição
domingo, 01 de julho de 2018
por Vinicius Gastin (esportes@avozdaserra.com.br)

A Copa no país de maior extensão territorial do mundo é simbólica. Talvez as suas dimensões possam ser análogas à velocidade da informação, da globalização e de suas consequências também no futebol. Tão grande quanto a nação anfitriã é a diversidade que, no fundo, parece ser indiferente. Se na parte cultural e física os países ainda conseguem preservar as suas características, no esporte essa identidade vem se perdendo.

O Mundial da Rússia traz em cada camisa uma história, um peso, uma expectativa. Mas em campo, o nivelamento assusta, e coloca na mesma altura do pedestal quem sempre e quem nunca foi tradição. Surpreendente sim, mas sobretudo resultado de um processo histórico e silencioso. O mundo mudou e o futebol também. O que fazer então?

Uma Copa do Mundo sem a Itália já seria o suficiente para questionarmos essas transformações aos Deuses do futebol. De sensações na Europa e América do Sul, Holanda e Chile foram reduzidas a decepções. Gerações de jogadores acima da média se foram, e com elas parte do poder de quem outrora era supremo no Olimpo deste esporte.

Outras seleções fortes, ainda que sem a peculiar “divindade”, foram aprovadas no longo processo de quatro anos. Um vestibular com raras notas 10, letras disformes e nem sempre compreendidas.

Na Copa sem identidade, a Alemanha não apresentou a mesma segurança que a caracterizou em toda história tetracampeã. A obediência tática, os poucos erros, a frieza e a eficiência de quem não precisava criar tantas chances para vencer os jogos não embarcaram com a Seleção de Low.

O último lugar em um grupo com Suécia, México e Coreia do Sul é trágico, errado, inadmissível. Não é apenas o resultado de um processo de renovação, após a aposentadoria de símbolos alemães - Podolski, Klose, Lahm, Schweinsteiger. É tendência.

A Argentina segue. Ainda que sem rumo, sem encanto. Graças a “Díos”, com Messi. À exceção do segundo tempo contra a Nigéria, uma seleção sem vibração, sem alma. Eles foram Argentina durante 30 minutos neste mundial, e quase nunca nas eliminatórias.

Contudo foi o suficiente, por enquanto. Uma Inglaterra de toques rápidos e jovens talentosos, depois dos fiascos da anterior geração estrelada – boa parte joga no Reino Unido, tornando-se quase uma exceção à regra, ao lado da renovada seleção espanhola.

Colômbia e Bélgica com gerações excepcionais, mas assombrados pelo poder de chegada que ainda lhes falta. Um Uruguai diferente, de ataque mais forte que a defesa. E o Brasil?

Nunca, talvez, tenhamos precisado ser tão competentes taticamente. O talento inquestionável e decisivo já não existe. Há lampejos. É inegável que o trabalho feito por Tite e sua equipe, a partir de uma Seleção desmoralizada e em risco de não estar na Rússia, é bastante competente. Mas pensemos: há algum nome fora da lista de convocados em que discutimos?

Já se foi o tempo em que sobravam opções. Temos o básico, retocado por Neymar e, em escala semelhante, Coutinho. Reflexos da falta de investimentos no futebol de base, no interior do país. Da política da CBF, dos desmandos e incompetência histórica dos clubes. É preciso fabricar para vender. O jogador brasileiro é espanhol, inglês, italiano. O senegalês é francês, e o argentino gênio, o Messi, é espanhol.  A identidade não mais existe.

Esse processo não é de hoje, mas talvez tenha atingido o ápice no Mundial onde todas as seleções marcam forte, se organizam de forma competente nas linhas defensivas e recompõem rápido. Futebol não tem mais segredo, e o mundo inteiro aprendeu a jogar. Na Copa dos espaços reduzidos, sobressai quem tem talento e preserva parte de suas características diferenciais. 

Diante da Sérvia, as tentativas de Neymar, o passe genial de Coutinho para Paulinho - qualidade e tática aliadas - me fizeram respirar. Ali estava a nova tendência e o Brasil. Paulinho, por muitos anos, jogou no futebol nacional. Coutinho foi embora cedo, mas defendeu um time inglês ofensivo, o Liverpool, talvez o que mais se aproxime da essência verde e amarela. Neymar jogou algumas temporadas no Santos antes de rumar para a Europa. Há outros exemplos no plantel canarinho de atletas que foram e continuam sendo jogadores brasileiros. Artigo cada vez mais raro, entretanto.

O texto não é crítico para o lado negativo, tampouco positivo. A proposta é apenas refletir sobre a nova realidade, cada vez mais consolidada e traduzida em resultados. Não podemos fechar os olhos, e a adaptação é questão de sobrevivência, mas devemos lutar para preservar as identidades. E dentre todas elas, eu quero ser sempre Brasil!

LEIA MAIS

Chances de brigar pelo acesso, que já eram remotas antes da partida, ficaram ainda menores

Jogo de volta, dia 22, definirá quem avança às quartas de final da Copa Rio

Tricolor da Serra encara o Bangu, e o primeiro jogo acontece nesta quarta no Eduardo Guinle

Publicidade
TAGS: Copa | futebol