Conta de luz de clientes da Enel vai subir 9,7%

Reajuste foi autorizado pela Aneel e vai atingir cerca de seis milhões de consumidores no estado
quinta-feira, 14 de março de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Conta de luz de clientes da Enel vai subir 9,7%

A conta de luz de clientes da Enel Rio de Janeiro vai aumentar a partir desta sexta-feira, 15. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou na última terça-feira, 12, um reajuste médio de 9,7% para os consumidores residenciais e industriais da companhia.

A concessionária, que substituiu a antiga Ampla, atende 66 municípios do estado, entre eles, Cachoeiras de Macacu, Bom Jardim, Duas Barras, Cordeiro e Cantagalo, além de Niterói e outras cidades das regiões dos Lagos, Norte fluminense e Noroeste fluminense. São cerca de seis milhões de consumidores atendidos pela empresa.

De acordo com informações da Aneel, o reajuste médio para os consumidores residenciais e comerciais, atendidos em baixa tensão, será de 9,72%. Para os consumidores industriais, atendidos em alta tensão, o reajuste médio será de 9,65%.

O custo para compra de energia teve um impacto de 4,43% no reajuste da Enel de 2019. Outro item que teve grande impacto no reajuste desse ano foi a diferença entre os custos previstos no reajuste de 2018 e os custos efetivamente pagos pela empresa.

Esses custos, chamados de componentes financeiros, foram maiores do que o estimado pela Aneel, principalmente por causa do maior acionamento de usinas termelétricas durante o ano passado, devido a pouca chuva. Essas usinas geram energia mais cara que as hidrelétricas.

As contas de energia do consumidor no estado têm subido acima da inflação e da média nacional das tarifas nesta década. Nos últimos cinco anos, as contas da Enel deram um salto de 75%. Já a inflação oficial e a média nacional ficaram bem abaixo, na faixa dos 30% pelo IPCA, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Quando a conta chega ao consumidor, ele paga pela compra da energia, transmissão, distribuição, subsídios e impostos. A maior parte fica com o governo e as usinas. A concessionária recebe, em média, 15% do valor da energia elétrica.

Representante do conselho de consumidores da Enel, Fabiano Silveira reclamou da alta das tarifas. “Quanto maior for o reajuste, maior será inadimplência, por conta da capacidade financeira de arcar com sua fatura de energia. Estamos ficando incapacitados de pagar a nossa fatura”, disse ele.

Energisa

Em Nova Friburgo, o último reajuste da Energisa, responsável pela distribuição de energia elétrica no município, aconteceu em junho do ano passado. O aumento médio autorizado pela Aneel foi de 13%. A concessionária atende 106,2 unidades consumidoras.  

LEIA MAIS

É a primeira vez este ano que tarifas terão custo adicional por redução no volume de chuvas

No evento Nossa Energia consumidores terão informações sobre o uso eficiente de energia e segurança

Publicidade