A compreensão luterana da Santa Ceia

A coluna do pastor luterano Gerson Acker
sexta-feira, 08 de setembro de 2017
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa

Lutero ao escrever o Catecismo Menor define a Santa Ceia como “o verdadeiro corpo e sangue de nosso Senhor Jesus Cristo para ser comido e bebido por nós, cristãos, sob o pão e o vinho. Este sacramento foi instituído pelo próprio Cristo”. A santa ceia é um sinal visível da graça de Deus. O pão e o vinho são os seus sinais visíveis, a promessa a ser crida pela fé e a remissão dos pecados, vida e salvação (Mt 16.28). Nela rememoramos a morte e a ressurreição de Cristo (1Co 11.26), e celebramos a vida que Cristo nos dá por sua ressurreição. Nela Cristo nos oferece uma nova relação com Deus e um novo começo com os irmãos através do perdão. Nela temos a presença real do corpo e sangue de Cristo, através do pão e do fruto da videira.

Enquanto o batismo é único na vida das pessoas, a Santa Ceia é alimento do qual os cristãos necessitam sempre. A Santa Ceia é, por excelência, comunhão. Comunhão com Cristo e comunhão das pessoas comungantes entre si (1Co 10.16ss). Todas as pessoas batizadas em nome do Trino Deus são convidadas a participar desta refeição, crianças, jovens, adultos, homens, mulheres, para celebrar a comunhão que brota do amor de Deus.

Foi a última ceia de Jesus com sua comunidade discipular que deu origem à Eucaristia (Mc 14.12-25; Mt 26.17-30; Lc 22.7-23 e 1Co 11.23-35). No ato de compartilhar os alimentos, Cristo mesmo se identifica com o alimento. Ele se dá de comer e beber sob o pão e o fruto da videira. Nas palavras da instituição, Jesus convida seus seguidores a repetir tal comer e beber “em memória de mim”.

Cristo se dá por nós. A Ceia comemora seu sacrifício remidor. Porém, ela não deve e nem pode ser entendida como repetição desse sacrifício. A comunidade celebra a ceia por graça. É o próprio Cristo que vem nos servir. Dizia Lutero que Jesus não somente instituiu, mas ele também prepara e serve. Ele próprio é o cozinheiro, o garçom, a comida e a bebida. Diante de tal dádiva, a comunidade cristã somente pode agradecer. É por isso que a ceia também é chamada ‘eucaristia’ que significa ‘ação de graças’.

A comunhão de mesa com Jesus também evidencia uma dimensão escatológica, uma realidade nova, um novo kairós (tempo favorável ou propício em grego) que está diante de nós. A ceia é a antecipação do banquete no Reino de Deus (Mc 14.25). Celebramos a ceia na esperança do dia em que teremos comunhão plena com Cristo em seu reinado. Justamente por esperar a era vindoura, os cristãos se comprometem a transformar a realidade no aqui e agora. Esse é o caráter de responsabilidade social da Eucaristia. Ela nos compromete a viver em comunhão, amor e serviço ao próximo.

A ceia é espaço de inclusão, apesar das barreiras encontradas no diálogo ecumênico. Fato é que ninguém pode ser excluído da ceia. Nenhuma pessoa pode ser excluída da Santa Ceia por causa de educação insuficiente, falta de saúde física ou espiritual, maturidade de desenvolvimento ou moralidade duvidosa. De igual forma, as crianças não podem ser excluídas. Elas também são agraciadas por Deus. A participação das crianças na ceia também compromete os pais e responsáveis na tarefa de instruí-las na compreensão do sacramento. Nos cultos luteranos todas as pessoas que se sentem chamadas, estão convidadas a participar da Santa Ceia.

Publicidade
Agora Faz
TAGS: