Colégio Anchieta faz 133 anos nesta sexta cheio de histórias

Registro de partida de futebol entre padres em 1886 refuta tese de que futebol teria sido trazido para o Brasil por inglês uma década depois
quinta-feira, 11 de abril de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Colégio Anchieta faz 133 anos nesta sexta cheio de histórias

Nesta sexta-feira, 12, o Colégio Anchieta completa 133 anos, lembra Wanderson Nogueira na sua coluna "Observatório". Parafraseando a professora Jane Ayrão, todo mundo tem uma história de amor ligada ao Colégio Anchieta. Seja quem lá estudou, seja por quem lá trabalhou. História de amor literal por quem lá casou ou simplesmente por quem tirou uma foto no seu majestoso prédio amarelo-palha cercado por suas palmeiras imperiais.

O Colégio Anchieta é de fato um dos mais belos cartões-postais de Nova Friburgo. Ver seus portões abertos para a comunidade, como tem se verificado na atual gestão do padre Toninho Monnerat, tem o mesmo peso dos portões abertos do parque do Nova Friburgo Country Clube.

Duas curiosidades, aliás, merecem ser ressaltadas: pela primeira vez na história, um jesuíta ocupa o mais alto posto da Igreja Católica, o Papa Francisco. A outra é que os jesuítas sempre foram muito cuidadosos com a história e registravam, em diários, as atividades e o dia-a-dia da instituição. Desde a fundação, esses diários estão preservados. Escritos em latim.

O futebol começou aqui...

Nos primórdios, em 1886, há o registro de uma partida de futebol entre os padres, no colégio. Tal episódio, por si só, refuta a tese de que o futebol teria sido trazido para o Brasil pelo inglês Charles Miller, em 1894. É quase uma década de antecedência.

Tais documentos provam que quem trouxe o futebol para o Brasil foram os padres italianos da Companhia de Jesus. Mas justiça seja feita. Como dizia, os jesuítas registravam tudo. Dessa forma, tal honra, infelizmente, não foi de Nova Friburgo. Mas da cidade de Itu-SP. Há registros de que os padres jesuítas jogavam futebol por lá, desde 1878, no Colégio São Luís. Antes de se transferir para a capital paulista, o famoso colégio, estava no interior.

Tais documentos do São Luís, em Itu, até pouco tempo estavam, curiosamente, no Colégio Anchieta. É uma história fascinante que faz dizer que o Colégio Anchieta não se confunde apenas com a vida de Nova Friburgo, mas com a do Brasil que tem no futebol, a sua maior paixão.                  

Publicidade
TAGS: