Câmara propõe CPI para investigar contratos emergenciais na Saúde

Requerimento apoiado por 19 dos 21vereadores tem como alvo empresa que fornece alimentação para o Raul Sertã
quarta-feira, 05 de setembro de 2018
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
Foto de capa

Os contratos emergenciais da Secretaria Municipal de Saúde para fornecimento de alimentos para pacientes, acompanhantes e funcionários do Hospital Municipal Raul Sertã motivaram o pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), feito na sessão ordinária da última terça-feira, 4, pelo vereador Zezinho do Caminhão (Psol), com apoio de 19 dos 21 parlamentares. O presidente do Legislativo, Alexandre Cruz (PPS), acolheu o requerimento, que agora passará por análise da Procuradoria da Câmara, conforme previsto na Lei Orgânica Municipal e no Regimento Interno da casa. Esse processo deve durar de dez a 15 dias.

Todos os vereadores assinaram o requerimento  de CPI, com exceção de Marcio Damazio, que não estava presente, e do líder de governo Aylter Maguila, o único que se negou a assinar. Esse requerimento foi feito justamente na semana em que o Ministério Público Federal (MPF) pediu à Polícia Federal (PF) a abertura de um inquérito para investigar a contratação emergencial da empresa Global Trade Indústria de Alimentação Ltda., responsável pelo fornecimento da alimentação para o Hospital Municipal Raul Sertã.

Fiscalização das ações municipais cabe ao Legislativo

Segundo o autor do pedido, a abertura de uma CPI não atrapalhará o inquérito da PF, uma vez que são órgãos distintos. Mas, de acordo com Zezinho,  a Câmara precisa se posicionar com relação às denúncias, uma vez que cabe ao Legislativo a fiscalização das ações municipais: “Para poder pedir a CPI, como prevê a Lei Orgânica, é preciso ter um fato determinado. Nós apresentamos dois, que são os inúmeros contratos emergenciais com a mesma empresa e a não realização de licitações para a contratação do serviço de alimentação para o hospital. As licitações iniciam, mas param no meio e, enquanto isso, são estabelecidos novos contratos emergenciais”, disse Zezinho.

No requerimento são citadas as contratações emergenciais com a Global desde 2017. O texto também fala sobre a licitação. De acordo com o requerimento, a Secretaria de Saúde manifestou em 2017 que estava em andamento o processo licitatório 641/16, mas que era necessária a contratação emergencial para o atendimento da unidade enquanto não fosse finalizada a licitação. Com isso, é questionado na justificativa para abertura da CPI o arquivamento deste mesmo processo pela secretaria em 18 de janeiro deste ano, considerando “o cipoal de erros praticados e abertura de novo procedimento licitatório nesta mesma data sob o nº 1512/2018, visando a uma melhor instrução processual e maior celeridade nos atos administrativos”, cita a justificativa da secretaria.

Após esse arquivamento foi celebrado o novo contrato, inclusive que foi comentado pelo então secretário de Saúde Christiano Huguenin, em sua participação na Câmara de Vereadores, em 23 de agosto. Desde esta terça-feira, 4, a pasta passou a ser comandada interinamente por Tânia Trilha. Huguenin assumiu a Casa Civil.

“Hoje o processo licitatório está na Secretaria de Infraestrutura e Logística para cotação. Já obtive a informação de  que uma empresa já apresentou cotação, espero que mais empresas se apresentem e que o processo seja licitado e resolvido, porque o processo da alimentação vai até 31 de dezembro. Torço muito que os setores deem o andamento necessário, na velocidade que a causa exige, porque por vezes os processos ficam parados em alguns setores, não andam e o secretário de Saúde tem que abrir os emergenciais ou ele deixa o serviço sem acontecer”, afirmou Huguenin no plenário da Câmara, mês passado.

Além da contratação em si e a licitação, o documento ainda faz referência aos valores da alimentação hospitalar: o almoço e o jantar de pacientes adultos custavam R$ 13,69 e a alimentação para acompanhantes e funcionários, R$ 12,40. Preços similares praticados pelos restaurantes a quilo nas redondezas. Em tese, deveria ser mais barato quando o município compra a alimentação em larga escala e direto do fornecedor, ao contrário dos restaurantes comerciais. São exemplos meramente ilustrativos para demonstrar a discrepância”, observou o vereador Zezinho do Caminhão.

Enquanto secretário, Huguenin afirmou economia e fez denúncia sobre a Global

Também em sua participação na Câmara como secretário de Saúde, Christiano Huguenin falou sobre os contratos emergenciais. De acordo com ele, em 2017 foram realizadas 78 licitações e formados 30 contratos emergenciais. E até agosto de 2018 haviam sido feitos 80 processos licitatórios e nove contratações emergenciais: “Licitação demanda planejamento, demanda tempo, espero terminar o ano com o menor número possível de emergenciais”, disse Huguenin.

Sobre a licitação para o serviço de fornecimento de alimentação ele destacou: “Não houve, pelo menos na minha gestão, nenhuma renovação de contrato emergencial. Homologuei o primeiro contrato, nesse ínterim estávamos na luta da UPA, onde havia um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) para ser cumprido. Passou-se o período, o licitatório não conseguiu ser concluído e nos vimos com a obrigação de fazer um novo contrato emergencial, e assim foi feito. Não houve renovação automática, houve um processo. Enviamos uma série de e-mails para diversas empresas e a Global foi a vencedora porque cotou o menor preço”.

E ainda afirmou que houve economia na nova contratação emergencial feita este ano: “Mas é importante dizer que o emergencial que já estava lá quando eu assumi custou R$ 3.391.200. Nós fizemos outro por R$ 2.959, economizamos R$ 431 mil de um emergencial para o outro”.

Na ocasião o então secretário fez uma denúncia sobre a Global. Segundo ele, antes da sua gestão, quem decidia sobre quais e em que quantidade os alimentos eram servidos para o Raul Sertã era a própria empresa contratada. Sobre isso Huguenin ainda informou que a situação foi devidamente informada aos órgãos competentes e também ao Tribunal de Contas. E que a contratação da Global pela sua gestão se deu de forma correta, uma vez que não há nenhuma ação contra a empresa.

“Esses emergenciais passados eram feitos pelo dono da empresa, ele que ditava: ‘Vou comprar 30 dietas disso, 40 litros daquilo’, não tinha uma série histórica, literalmente a raposa tomava conta do galinheiro. E a gente rompeu com isso, quem tem que dizer o que é necessário é a Saúde somos nós, e se vocês analisarem os processos vão ver isso”, declarou Huguenin, ainda questionando os vereadores sobre a fiscalização no período.

Contratos na mira da PF

O Ministério Público Federal determinou na semana passada que a Polícia Federal abra inquérito policial para investigar a contratação emergencial feita pela Prefeitura de Nova Friburgo para o fornecimento de alimentação para pacientes, acompanhantes de pacientes e funcionários do Hospital Municipal Raul Sertã. De acordo com o MPF, foram identificados indícios de irregularidades nas contratações emergenciais da Global Trade Indústria de Alimentação Ltda.

Em 2018, a empresa recebeu do município R$ 3,3 milhões, além de um aditivo de R$ 164 mil, para prestação dos serviços. A empresa também foi contratada em 2017, com dispensa de licitação, pelo valor de R$ 2,1 milhões, com acréscimo de R$ 733 mil no contrato, também para fornecer alimentos ao Raul Sertã. E no mês de agosto a Secretaria Municipal de Saúde voltou a firmar contrato com a Global sem licitação para o mesmo serviço, no valor é de R$ 2,9 milhões.

Na semana passada, a Global afirmou, em nota, ser "uma empresa idônea, que repudia com veemência que seu nome seja citado de maneira irresponsável e indevida, o que pode manchar sua imagem injustamente. Empresa essa que presta serviço em seu ramo há mais de 15 anos para inúmeras outras empresas". Ainda segundo a nota, os valores contratados com o município são compatíveis com o mercado. "Prezamos pela transparência no trato com as verbas públicas e temos a certeza que tudo será devidamente esclarecido. A nossa empresa se coloca a inteira a disposição do Ministério Público para prestar todos os esclarecimentos que o órgão entender devido", afirmou a Global.

 

LEIA MAIS

Subsecretária executiva, Tânia Trilha assume de vez a pasta. Salarini vai para a cadeira de Villas Boas

São chamados enfermeiro de família e agentes comunitários de saúde. Entrega de documentos começa nesta segunda

Campanha foi prorrogada até dia 15, mas pais devem se apressar porque estado do Rio está na pior situação de imunidade

Publicidade
TAGS: saúde