Câmara aprova "seguro anti-corrupção" para garantir execução de obras e serviços

Nova lei prevê que contratos deverão estar amparados por seguradora, contratada pela empresa vencedora da licitação
quinta-feira, 29 de agosto de 2019
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Câmara aprova "seguro anti-corrupção" para garantir execução de obras e serviços

 

A Câmara de Vereadores de Nova Friburgo aprovou, por unanimidade, na sessão da última terça-feira, 27, o projeto de lei ordinária de autoria do vereador Johnny Maycon que estabelece o mecanismo de seguro-garantia de execução de contrato para garantir o interesse público nos processos de licitação e a correta aplicação dos recursos públicos. Apelidado de “seguro anti-corrupção”, o projeto de lei segue agora para a sanção do prefeito Renato Bravo.

A lei estabelece que todos os contratos firmados pelo município com qualquer empresa, seja para a realização de obras ou para fornecimento de bens ou serviços, devem estar amparados por uma seguradora, que deverá ser contratada pela empresa vencedora da licitação. A ideia é que a seguradora atue na fiscalização da prestação dos serviços, assumindo todas as responsabilidades caso haja alguma eventualidade, como o descumprimento do cronograma das obras ou o aumento do valor inicial do projeto.

“Essa lei é de extrema importância porque vai coibir atrasos e paralisações nas obras municipais, algo que, muitas vezes ocorre de maneira intencional, a fim de favorecer esquemas de corrupção que criam inúmeros aditivos para aumentar de maneira exorbitante os valores dessas obras. Isso causa prejuízos à administração municipal e, consequentemente, ao contribuinte”, disse o vereador Johnny Maycon (foto), autor do projeto de lei.

Ainda segundo o parlamentar, legislações semelhantes já existem há bastante tempo nos Estados Unidos e em diversos países da Europa. E cita um exemplo para provar a eficácia da nova lei que ainda precisa ser sancionada pelo prefeito Renato Bravo. "Um exemplo é a obra da antiga ortopedia do Hospital Raul Sertã, que já deveria ter sido concluída no início do ano passado, mas ainda não foi. O valor inicial era de R$ 661 mil. No entanto, já fizeram três aditivos. O primeiro para prorrogar o prazo da obra, o segundo aumentando o valor em quase R$ 46 mil e o terceiro em quase R$ 190 mil. Conclusão: o valor final da obra aumentou em 35%, chegando a cerca de R$ 900 mil. Se essa lei já estivesse em vigência, a seguradora não permitiria esses aditivos, a não ser que fosse algo muito bem fundamentado tecnicamente justificando a medida", explicou Johnny Maycon.

O vereador reconhece que a obrigatoriedade de contratação de uma seguradora pode tornar as licitações um pouco mais “caras”, no entanto, garante que esse valor será bem menor que o “desperdiçado” em aditivos e, principalmente, nos atrasos ou no abandono das obras, ou a não prestação do serviço.

“Se fizermos um levantamento da quantidade de aditivos que adicionam valores a várias obras constataremos o absurdo. Isso sem contar o abandono de obras. Um exemplo é a creche do bairro Rui Sanglard, que já deveria ter sido entregue no início de 2018 e ainda não foi. O município continua pagando o aluguel do imóvel esse tempo todo. Olha o custo que o governo municipal está tendo e poderia ser evitado. Outra questão importante é o superfaturamento de obras. A seguradora não irá permitir isso, já que pode ser responsabilizada no futuro. Ou seja, a licitação pode até ser um pouco mais custosa no início, mas no final das contas certamente irá gerar economia aos cofres do município”, finaliza Johnny Maycon.

LEIA MAIS

Prefeitura irá gastar mais de R$ 500 mil para finalizar complexo esportivo iniciado em 2012

Em sessão tensa, funcionários da Faol protestaram a favor do reajuste. Vereadores fazem denúncia ao MP

Por dez votos a seis, maioria dos vereadores friburguenses acompanhou parecer do TCE

Publicidade
TAGS: Governo