Busca por material escolar movimenta comércio no fim de semana

Cadernos e mochilas são os itens mais procurados nas papelarias
quinta-feira, 31 de janeiro de 2019
por Guilherme Alt e Paula Valviesse (redacao@avozdaserra.com.br)
Canetas e lapiseiras à venda (Foto: Henrique Pinheiro)
Canetas e lapiseiras à venda (Foto: Henrique Pinheiro)

Como esperado, a volta às aulas das escolas particulares nesta segunda-feira, 4, e das redes pública municipal e estadual na quarta-feira, 6, movimentou as papelarias de Nova Friburgo na manhã deste sábado, 2. Desde cedo a busca por material escolar era intensa nas lojas. Cadernos e mochilas são os campeões de vendas.

Mesmo para quem deixou as compras para a última hora, a dica continua a mesma: pesquisar os preços. Pelo levantamento feito por A VOZ DA SERRA, a variação de preço dos produtos básicos da lista de material escolar pode superar os 300%. A pesquisa abordou materiais genéricos, optando não só pela qualidade, mas também pelo menor preço, especialmente porque os produtos, como caderno universitário com espiral, de marcas licenciadas, costumam ter valores similares, além de custar mais caro, principalmente os que trazem as estampas e desenhos em alta, no período.

A diferença encontrada entre as seis papelarias consultadas para uma régua transparente de 30 centímetros, por exemplo, foi grande. O produto foi encontrado de R$ 0,60 até R$ 2,99 nos estabelecimentos comerciais. Já itens básicos como lápis preto número 2, da marca Faber-Castell e a borracha branca simples não apresentam muita diferença no preço, custando em média R$ 0,90 e R$ 0,50, respectivamente.

Para atrair os consumidores, os estabelecimentos continuam investindo em promoções. E as ofertas chegam a significar uma diferença de preço de até 60%. Existem ainda variações conforme a forma de pagamento, o que pode significar uma boa economia para quem pretende comprar à vista e no dinheiro. Já quem deseja gerenciar os gastos parcelando no cartão de crédito, alguns estabelecimentos oferecem a possibilidade de três até 12 vezes.

 

LEIA MAIS

Prefeitura não reconhece representatividade do Sepe. Sindicato contesta e tem até 10 dias para apresentar defesa ao TRT

Município alega abuso e questiona representatividade do Sepe junto ao TRT; profissionais da educação acampam em frente à prefeitura

Categoria cobra da Secretaria municipal de Educação uma série de reivindicações e exige reunião com prefeito

Publicidade
TAGS: Educação