Blitz no Paissandu flagrou 8 motoristas embriagados no sábado

Operação Lei Seca na rotatória abordou 173 veículos; 26 foram multados
terça-feira, 16 de abril de 2019
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
A blitz no Paissandu no último sábado (Foto de leitor)
A blitz no Paissandu no último sábado (Foto de leitor)

Agentes da operação Lei Seca flagraram oito motoristas embriagados circulando pela rotatória da Praça Marcílio Dias, no Paissandu, na noite do último sábado, 13. O governo do estado montou a barreira de fiscalização nos acessos ao Centro e ao bairro Olaria, e pegou muita gente de surpresa. Não foram informados números relativos à operação montada na véspera, sexta-feira, 12, no trevo de Mury.

De acordo com o balanço divulgado nesta segunda-feira, 15, foram abordados 173 veículos. Destes, 26 foram multados, e cinco, rebocados e encaminhados para pátios do Detran-RJ ou do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ) na cidade. Oito motoristas foram autuados por estarem dirigindo embriagados e sete tiveram a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) apreendida pelos agentes.

“Estamos intensificando a Operação Lei Seca no interior, visto que nesta época do ano as pessoas trocam a região litorânea pela serrana. Nossa missão é retirar motoristas alcoolizados das ruas, prevenindo acidentes e salvando vidas”, declarou a coordenadora da operação Lei Seca, a delegada Verônica de Oliveira.

Em fevereiro, a Secretaria estadual de Governo e Relações Institucionais, responsável pela Lei Seca firmou convênio com o DER para intensificar as operações nas rodovias do estado. Friburgo, por exemplo, é cortada por cinco: RJ-116 (Itaboraí-Itaperuna), RJ-142 (Friburgo-Casimiro de Abreu), RJ-130 (Friburgo-Teresópolis), RJ-148 (Friburgo-Carmo) e RJ-150 (Friburgo-São José do Ribeirão).

Mais de 40 mil vidas salvas em dez anos

Meta prevista para os primeiros 100 dias do governo Wilson Witzel, o convênio garante, segundo o estado, a atuação da operação nas estradas, assim como já acontece nas ruas e avenidas do eixo urbano de muitos municípios fluminenses. “Essas operações protegem a população e ajudam a salvar vidas. Há dez anos reforçamos a política de prevenção de acidentes e com a atuação nas estradas, pretendemos salvar ainda mais vidas”, afirmou Verônica Oliveira.

De acordo com estatísticas do Centro de Pesquisa e Economia do Seguro da Escola Nacional de Seguros, a Lei Seca salvou 41 mil vidas desde 2008. E evitou um prejuízo de cerca de R$ 550 bilhões para os cofres públicos. A Lei Seca estabelece atualmente que qualquer quantidade de álcool registrada no bafômetro sujeite o motorista à infração gravíssima, no valor de R$ 2.934,70.

Vistorias nas ruas

O Detran-RJ também realizou na última sexta-feira, 12, a operação Detran Seguro no trevo de Mury. O órgão, porém, não divulgou balanço da ação, que começou a ser realizada nas ruas do estado. São verificados pneus, lataria, vidros, películas, placas de identificação, faróis, comandos de seta e emissão dos gases poluentes.

Essas operações contam com a chamada "câmera inteligente", equipamento que usa a base de dados do governo para verificar se o motorista está com a carteira cassada ou suspensa, se alguma taxa é devida, ou se o veículo é roubado, entre outros problemas. A PM dará apenas apoio às operações, com o objetivo de oferecer segurança aos agentes.

De acordo com o Detran, as ações são filmadas por câmeras, ligadas online a uma central de monitoramento, localizada na sede do órgão. A medida é preventiva e busca dar garantia à população sobre a lisura das operações. Dúvidas em relação à conduta dos agentes poderão ser informadas pelo e-mail da ouvidoria: ouvidoria@detran.rj.gov.br. Caso seja verificada alguma irregularidade no veículo durante a inspeção e a falha puder ser resolvida no local, o veículo será liberado tão logo seja regularizada a situação. Para isso, os agentes darão um tempo hábil para que o motorista providencie a regularização. Por exemplo, se um pneu estiver careca, o motorista poderá trocá-lo pelo estepe ou por um em condições adequadas e então será liberado.

Nos casos em que não for possível resolver o problema no local, desde que o veículo ofereça condições de segurança para circulação, poderá ser liberado, mediante recolhimento do Certificado de Licenciamento Anual (CRLV), contra apresentação de recibo. O motorista terá até sete dias para providenciar a regularização e se apresentar a um posto do Detran, onde a regularização do item apontado será devidamente verificada e o documento, devolvido.

O veículo só será apreendido em último caso, quando não houver segurança para circular. Nesse caso, sua restituição só ocorrerá mediante prévio pagamento de multas, taxas e despesas com remoção e estadia, além de outros encargos previstos na legislação. A liberação é condicionada ao reparo de qualquer componente ou equipamento obrigatório que não esteja em perfeito estado de funcionamento. Todos os tipos de veículos poderão ser abordados, inclusive os de outros estados. O motorista que for abordado pela operação Detran Seguro receberá um comprovante de que passou pela blitz. Esse documento, no entanto, não será um salvo-conduto para evitar uma nova fiscalização porque, entre uma ação e outra, o veículo poderá sofrer alguma avaria que comprometa a segurança e necessitar de nova avaliação.

 

LEIA MAIS

Trajeto dos ônibus também será alterado durante as comemorações do aniversário de Friburgo

Categorias durante anos anos tiveram passe livre, desde que fardadas. Faol alega desequilíbrio econômico-financeiro

Profissionais querem aumento na tarifa e se queixam do custo do combustível. App 99 segue em operação

Publicidade
TAGS: Trânsito