Banda Bruthus: “muito além de fazer um som”

Com apenas dois anos de formação, quarteto roqueiro acumula um EP, sete músicas autorais e um clipe lançado
sábado, 13 de julho de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Banda Bruthus: “muito além de fazer um som”

 

Com uma história recente nos palcos, mas cada vez mais enraizada no rock friburguense, a banda Bruthus, que já tinha esse nome antes mesmo de ser uma banda, é formada por Brown (vocal), Eduardo Peixe (guitarra), Gustavo Zebs (baixo) e Alexandre Sorin (bateria), vem galgando seu espaço em cenário cada vez mais democrático de estilos de música.

A banda Bruthus completa este mês dois anos de formação. A primeira entrevista da banda foi para A VOZ DA SERRA, às vésperas de um festival de rock na antiga boate Evk. Era também o primeiro grande evento dos caras que subiram ao palco ao lado de bandas muito conhecidas dos fãs como Hatefulmurder, Rec/All.

Com a proposta de levar um trabalho de alto nível para os apreciadores do rock, os integrantes já tem na bagagem sete músicas autorais, um álbum gravado e um clipe lançado. “Nossa intenção é fazer um trabalho profissional. Com menos de um ano nós gravamos um EP, denominado “O Sacode”, além das nossas músicas, temos o videoclipe com a música “Fumada” lançada nas principais plataformas digitais. Em dois anos isso é muita coisa. É importante que as pessoas vejam que o trabalho é de qualidade. Sempre tivemos o cuidado de fazer um som pesado e com letras em português, mas bem trabalhadas. Nós ensaiamos toda semana, temos um cuidado em preparar um bom material gráfico, planejar o marketing e fazer uma produção de show impecável. Vai muito além de fazer um som”, explicou Gustavo Zebs, baixista.

O resultado do profissionalismo tem dado certo. A cada show, a banda torna-se conhecida no meio e os convites para expandir o som para outras cidades tem surgido aos montes. “O bom disso tudo é que estamos tocando em outras cidades como São Gonçalo, Itabora e, Cordeiro e isso proporciona a troca de contatos e conhecer bandas que tem o mesmo estilo que o nosso”, comemorou.

Friburgo Rock Festival

Acostumada com o repique do tantan, os acordes do cavaquinho e o molejo das passistas, o palco da quadra da escola de samba Imperatriz de Olaria recebeu os roqueiros mais sinistros de Friburgo, no último dia 6, para o Friburgo Rock Festival. Foram seis bandas que tocaram no evento que durou mais de seis horas e que teve como convidado de honra a banda Raimundos. Além deles, tocaram no evento as bandas Project 46, Bruthus, The Best Maiden Tribute e Hell Patrol.

“O festival foi produzido com muito profissionalismo, e todo mundo que compareceu percebeu que o Friburgo Rock Festival chegou para ficar com grandes bandas conhecidas  do cenário nacional. Foi uma honra ter a Bruthus entre essas feras e poder mostrar nosso trabalho autoral”, agradeceu o baixista.

O festival teve ainda uma proposta solidária. Público e as bandas se empenharam para que ocorressem as doações de alimentos. A satisfação de Gustavo com o resultado da coleta mostrou que não importa o estilo de música, os friburguenses estão sempre dispostos a ajudar. “Quando fui pegar as doações de alimentos, enchi a minha Fiorino (risos). Ainda não tivemos como contabilizar a quantidade, mas foi muita coisa. Vamos conseguir distribuir por algumas instituições de caridade de Friburgo. O foco maior foi a solidariedade”, pontuou. 

 

LEIA MAIS

Cantora de 24 anos faz Lulu Santos virar a cadeira para sua interpretação de Adele

Evento contará com 13 apresentações individuais de voz e piano e será encerrado pela revelação Giovana Aguilera, de 12 anos

No teatro do Country Clube tem Camerata de Violões, dirigida por Valmyr Oliveira

Publicidade
TAGS: Música