Aumenta procura por tratamentos alternativos para pets

Homeopatia, florais e fisioterapia estão entre as opções
sábado, 07 de setembro de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Aumenta procura por tratamentos alternativos para pets

Homeopatia 

Os resultados do uso homeopático em gatos e cachorros podem ser surpreendentes: além de capazes de aliviar sintomas, a homeopatia ainda reforça o organismo para enfrentar possíveis males. É necessário entender que o princípio básico da homeopatia é preparar o corpo para reagir contra diversos problemas.

Comumente, o veterinário não receita a homeopatia sozinha, mas associa a outros medicamentos. Por exemplo, em caso de uma doença infecciosa, o antibiótico fica responsável por acabar com as bactérias enquanto as gotas homeopáticas irão cuidar de restaurar o corpo, restabelecer a imunidade para contra-atacar qualquer coisa que for prejudicial. 

Por serem substâncias naturais, as fórmulas da homeopatia causam pouco ou nenhum efeito colateral e exercem a importante função de equilibrar o organismo dos nossos bichos. As composições podem incluir plantas como calêndula, arnica e tuia, minerais como ouro, prata e cobre, todos diluídos em água e álcool.

A homeopatia apresenta bons resultados sozinho ou combinado com medicamentos alopáticos em diversos problemas, sendo mais eficaz no tratamento de dermatite, epilepsia, artrite, otite, gastroenterite, problemas de coluna, cistite frequente, gravidez psicológica e rinite alérgica.

Florais e fitoterápicos

Os florais são outros tipos de medicamentos, com formulações de essências de flores, que também vêm ganhando força no mundo dos pets. Tanto os florais quanto os fitoterápicos vem ganhando os corações de tutores em todo o Brasil, por proporcionarem conforto e tratar doenças comportamentais como a ansiedade, estresse, automutilação, depressão e hiperatividade.

Eles são parte das famílias e é muito difícil ver seu bichinho sofrendo. A recíproca é verdadeira: animais têm uma capacidade enorme de absorção, eles sentem o ambiente em que vivem e podem ter problemas como depressão e alto nível de estresse devido a condições somadas, como a ausência do dono, falta de exercícios físicos e brincadeiras. Tudo isso pode acarretar sérios problemas de saúde ao animal e é aí que os florais e os fitoterápicos entram, indicados para complementar o tratamento de distúrbios dos pets.

Dentro da categoria dos florais, existem os diversos tipos de tratamentos disponíveis, cada um indicado para um problema específico. A categoria emocional inclui diversas situações que nós, donos de animais, vivemos, como mudança de casa, chegada de outro animalzinho, bebê na família, falta de passeios. Outros distúrbios tratáveis com florais e fitoterápicos são os relacionados à própria personalidade do animal, como comportamento agressivo, possessivo, destruidor, medroso. Os sintomas relacionados a esses problemas costumam ser impaciência, agressividade, estresse, fazer as necessidades fora do local e comportamentos que fogem da rotina.

Fisioterapia

Este é um método utilizado não só no processo de reabilitação em caso de lesões, fraturas ou traumas, mas também como uma forma de prevenção e cura para muitos problemas que eles podem vir a sofrer. 

Redução de dor, inchaço e inflamação, restauração de movimentos e construção de força muscular são alguns dos vários benefícios que a fisioterapia traz para a vida do pet, otimizando as condições de vida do animal principalmente em caso de lesão muscular. É importante lembrar que a fisioterapia animal é um procedimento complementar que necessita de supervisão veterinária. 

Atualmente já existem médicos veterinários especializados em fisioterapia animal, conhecedor de técnicas manuais e que possui equipamentos fisioterapêuticos para praticar as diferentes formas de reabilitação. Ele programa exercícios específicos pós-cirúrgicos, além de aconselhar sobre a adaptação que o animal precisará para viver com mais facilidade, principalmente os bichinhos de mais idade. 

O tratamento fisioterápico deve começar somente após requerimento de encaminhamento veterinário, para assegurar que o animal teve um diagnóstico correto. A primeira visita incluirá avaliação para que um plano de reabilitação seja desenvolvido de acordo com as necessidades do pet, definindo assim o número de sessões necessárias.

 

LEIA MAIS

Médica veterinária Sheila Waligora escreve livros e dá cursos sobre a comunicação intuitiva entre os seres

OMS estima mais de 10 milhões de gatos e 20 milhões de cães abandonados no país

Serviço realizado há anos conta com o apoio da população através de denúncias

Publicidade
TAGS: pets