Arraiás: festas típicas são resultado da mistura de culturas e influências

Conheça um pouco da história dessas celebrações
sábado, 01 de junho de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Arraiás: festas típicas são resultado da mistura de culturas e influências

As celebrações hoje conhecidas como arraiás, festas juninas ou julinas já existiam no século 10. No Egito e na Grécia, devido aos costumes religiosos da população, cada região comemorava seus deuses à sua maneira, dentro de sua religião. A Igreja Católica não considerava tais comemorações, e as enxergava como rituais pagãos.

Já em outros lugares da Europa, a tradição era celebrar a chegada do verão europeu com saudações e fogueiras. Conhecido como solstício, que é a transição da primavera para o verão, o período era muito esperado pelos europeus. Em Portugal e na Espanha, as comemorações desta época eram muito comuns.

A adaptação desses festejos pela Igreja Católica, com ares de arraiás típicos do interior, começou a ocorrer a partir do século 13 quando o mundo cristão começou a celebrar os três santos do mês de junho: Santo Antônio, São João e São Pedro. Essas festividades acabaram dando origem as celebrações religiosas populares comemoradas até hoje: são as festas juninas em honra a Santo Antônio, no dia 13; São João, no dia 24 e São Pedro, no dia 29.

Três séculos depois, em 1500, durante a colonização portuguesa, aconteceu a inserção dessa tradição em terras brasileiras. Na introdução ao Brasil, a festa era conhecida como festa joanina e depois passou a ter referência de acordo com o mês.

As quadrilhas juninas

As quadrilhas começaram a se popularizar no Brasil em 1930, quando aconteceu a revalorização da virada rural e a temática de homem do campo estava em alta. Algo que muitas pessoas não sabem, é que a quadrilha teve origem em Paris. Conhecida como “quadrille”, a dança começou a se espalhar pelo Brasil em meados do século 19 e trouxe consigo palavras francesas, que logo ganharam um toque brasileiro.

Quem nunca ouviu as narrações de “anarriê” e “balancê” enquanto dançava, não é mesmo? Além disso, instrumentos brasileiros também foram introduzidos, adicionando um toque único e cultural a tradição.

Influência indígena nas comidas típicas

Em Portugal, a tradição comemorava a colheita do trigo. Já no Brasil, o grão protagonista é o milho. Base para receitas ilustres nos arraiás, como canjica, pipoca, curau e bolos. A mandioca, abóbora e o coco também fazem parte da influência brasileira sobre grande parte da gastronomia das festas juninas, deixando clara a participação dos índios nos pratos e temperos usados nestas celebrações.

LEIA MAIS

Para ficar na história: alunos do 3º ano do ensino médio prometem inovar na Quadrilha e querem se despedir da escola em grande estilo

Ponto alto são as brincadeiras típicas, já esquecidas na maioria das festas juninas atuais

Típico da cidade, essa delícia desperta ódios e paixões

Publicidade