Abandonado há anos, imóvel desaba às margens do Rio Bengalas

Casa de dois andares foi desapropriada pelo Inea após tragédia de 2011, mas não havia sido demolida. Defesa Civil vistoria entorno
terça-feira, 04 de dezembro de 2018
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
O imóvel que desabou (Fotos de leitor)
O imóvel que desabou (Fotos de leitor)

A Defesa Civil de Nova Friburgol vai vistoriar esta semana imóveis próximos da casa de dois andares que desabou no último sábado, 1º, às margens do Rio Bengalas, na altura do Prado, distrito de Conselheiro Paulino. Não houve vítimas. O imóvel que veio abaixo estava desocupado há pelo menos sete anos. Foi desapropriado pelo governo do estado após a tragédia das chuvas de 2011 e ainda não havia sido demolido.

“O imóvel não estava interditado”, disse o secretário municipal de Defesa Civil, coronel João Paulo Mori nesta segunda-feira, 3. “No início deste ano, houve um pedido de vistoria. Estivemos lá, mas não foi constatada a necessidade de interdição. Não sabemos o que aconteceu. Podem ter mexido em alguma coluna. Não sabemos ainda”, disse.

Ainda de acordo com Mori, nesta semana, técnicos da Defesa Civil irão ao local para uma vistoria nos imóveis do entorno. O secretário quer saber se outras estruturas correm risco de desabar. O Instituto Estadual do Ambiente (Inea), responsável pelo projeto de desocupação das margens do rio, retirou e indenizou, nos últimos anos, dezenas de famílias que viviam no trecho. Imóveis foram desocupados, mas ainda não demolidos.

“O imóvel que desabou foi muito atingido na tragédia de 2011, quando o Rio Bengalas inundou. A Defesa Civil esteve lá em 2012, mas não foi necessária a interdição”, afirmou Mori. “Não sabemos porque não foi demolido. Talvez porque vizinhos ainda não aceitaram a desapropriação proposta pelo Inea”, completou o secretário de Defesa Civil.

Desabamento foi após forte chuva

Sem portas e janelas, o imóvel desabou à tarde, após o forte temporal que caiu sobre Nova Friburgo no dia anterior. A chuva provocou a queda de uma árvore sobre a rede elétrica na estrada de Galdinópolis, no distrito de Lumiar, deixando parte dos moradores da localidade rural sem luz. No centro da cidade, ruas no entorno da Praça Getúlio Vargas, ficaram alagadas. O nível do Rio Bengalas também subiu.

Segundo a Defesa Civil, a precipitação média registrada, das 9h da última sexta-feira, 30 de novembro, até às 9h de sábado, 1º, foi de 25,36 milímetros, sendo a máxima alcançada no bairro Vila Nova, com 52,36 mm, e a mínima no distrito de Mury, com 8,3 mm de chuva. No sábado, 2, choveu bem menos. Não houve  desalojados ou desabrigados.

A VOZ DA SERRA procurou o Inea nesta segunda-feira, 3, para saber qual a posição do órgão a respeito da casa que desabou. O jornal também questionou se o projeto de desapropriação dos imóveis às margens do rio está em andamento, já que várias famílias ainda vivem às margens do rio. As construções impedem a execução da construção da Avenida Brasil, que vai ligar Duas Pedras a Conselheiro Paulino. O Inea, porém, não respondeu o e-mail até o fechamento desta edição.

Chuvas no verão

Na semana passad, a Defesa Civil realizou uma reunião para a discutir com órgãos públicos, concessionárias e a sociedade civil o plano de contingência conjunto para o verão, que começa no próximo dia 21 e deve ser bastante chuvoso, segundo João Paulo Mori. O encontro aconteceu no auditório da Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Nova Friburgo (Acianf).

“Nosso objetivo foi estabelecer uma integração dos planos criados por cada participante do encontro para que seja realizada uma ação única, em conjunto, quando necessário”, disse o secretário de Defesa Civil. O plano de contingência tem um esquema montado para situações de emergência. A Defesa Civil informou ainda que realizou, este ano, simulados nas comunidades e vem monitorando áreas de risco, assim como os índices pluviométricos para a tomada de decisões. O morador que quiser receber os avisos do órgão basta enviar um SMS para o número 40199 com o número do CEP de onde mora.

 

LEIA MAIS

Especialistas esperam que, no final dessas quase duas semanas de negociações, todas as partes reforcem seus esforços climáticos

Sol quase não tem aparecido e clima instável já dura cerca de três meses

Ação vai marcar o Dia de Redução de Riscos de Desastres Naturais

Publicidade
TAGS: Clima | Chuva