Na hora

Paula Farsoun

Com a palavra...

Paula é uma jovem friburguense, advogada, escritora e apaixonada desde sempre pela arte de escrever e o mundo dos livros. Ama família, flores e café e tem um olhar otimista voltado para o ser humano e suas relações, prerrogativas e experiências.

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Há momentos na vida em que temos a sensação que a órbita dos planetas desalinha. Dormimos de um jeito e acordamos em outra realidade, como se fôssemos abduzidos para uma realidade paralela com mais desafios do que podemos supor. Acontece. Nessas horas, é impressionante como faz diferença a rede de apoio que de alguma maneira se forma na “hora H”.

A vida muitas vezes nos permite a conexão com sentimentos bons de compaixão, solidariedade, gratidão e afeto. Nos conecta também com gente nobre, com pessoas de coração bom, alma generosa e missão de servir ao próximo. Está aí o lado bom que tudo tem.

Vibrar no amor é uma forma deveras sábia de enfrentar os leões quando “o bicho pega”. Todos passam por isso, em maior ou menor grau. Viver traz consigo essa emoção de não sabermos o que será e como será o próximo segundo, mas crermos que será bom, quando não um segundo comum como todos os outros milhares.

Realmente o momento presente é o que temos de mais certo e o futuro a Deus pertence. Comungo dessa teoria. Contudo, se há algo que me fascina realmente é uma outra certeza reconfortante: o amor de quem está junto de nós quando as coisas estão difíceis. Está aí o tesouro. O abraço que diz “estamos juntos para o que der e vier” é um elixir da vida. A compreensão e o apoio daqueles que nos cercam são o alento da alma. O bem querer e as ações de ajuda são a esperança de um mundo melhor para além da crença de dias melhores.

Na hora H sentimo-nos mais amados, mais acolhidos, mais compreendidos, se tivermos conosco os amores sinceros, as pessoas queridas e a energia escolhida. Descobrimos, mais nessa hora do que em outras, que no mundo há gente que ajuda por ajudar, que dá as mãos por dar, que fica perto por ficar, que abre as portas por abrir, que cuida por cuidar. Por amor, para o amor.

Quando estamos vulneráveis, muitas vezes há tão pouco para oferecermos, e ainda assim, na hora H, chega mais gente para ficar. E de tanto colhermos esse amor, se couber nessa loucura mais uma reflexão, será a de que essa gente toda de bom coração que se empenha em melhoras as coisas, pode representar justamente uma mensagem subliminar da vida, do universo, do mundo transcendental de que atrair bons corações é uma forma de colher aquilo que plantamos antes. A vida inteira.

Publicidade
TAGS:

Paula Farsoun

Com a palavra...

Paula é uma jovem friburguense, advogada, escritora e apaixonada desde sempre pela arte de escrever e o mundo dos livros. Ama família, flores e café e tem um olhar otimista voltado para o ser humano e suas relações, prerrogativas e experiências.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.